Tenho um adolescente em casa. O que faço?

A adolescência pode se tornar um período complicado para pais e filhos. Para muitos, pode ser uma das fases mais difíceis da vida pelo fato de marcar intensas modificações corporais, hormonais e comportamentais. Esta etapa marca a transição entre a infância e a idade adulta e é nela que o indivíduo descobre sua identidade e define sua personalidade.

Não se pode definir com precisão o início e fim da adolescência, pois ela varia de pessoa para pessoa. Porém, na maioria dos indivíduos, ela ocorre entre os 10 e 20 anos de idade (segundo dados da OMS – Organização Mundial da Saúde).
É normal que nesta fase o adolescente procure se distanciar dos pais e passe a conviver um período maior com o grupo de amigos que possuem interesses em comum, pois ele está querendo testar sua independência e autonomia. Também é natural que o adolescente passe a se comportar de forma diferente, tenha flutuações de humor, se revolte contra as regras da sociedade e de casa e se torne mais arredio com os pais.
Muitas vezes, os pais não sabem como lidar com o filho adolescente e acabam tomando atitudes autoritárias, que fazem com que o filho se revolte e se afaste ainda mais do grupo familiar. Outra atitude errada é o fato dos pais não entenderem o crescimento do filho, tratando-o ainda como criança. Essa atitude também leva o adolescente a afastar-se, pois nessa fase ele não quer mais ser considerado criança.
É importante que a família tome consciência das características próprias da adolescência e compreenda que, pelo seu desenvolvimento físico, psicológico e emocional, os adolescentes necessitam de mais espaço. Também é indispensável que os pais entendam que trata-se de uma fase do desenvolvimento necessária e inevitável para que seus filhos possam se tornar verdadeiramente adultos.

Assim, é necessário que haja amizade e muito diálogo entre pais e filhos. Também deve haver muita compreensão e carinho por parte dos pais, estabelecendo com os filhos uma comunicação baseada no respeito e confiança. Pais que dialogam com os filhos são mais ouvidos por eles, o que faz com que se tornem menos rebeldes.
Sempre que possível, os pais devem elogiar e confiar no filho adolescente, para que ele adquira uma imagem positiva de si mesmo. É necessário manter distância quando o adolescente estiver mal-humorado, deixando-o tranquilo e respeitando sua intimidade.
Outra boa maneira de evitar ou reverter atitudes rebeldes é dar autonomia e responsabilidades para os filhos, inserindo-os dentro das normas de convivência familiar.
Apesar dos alardes, não é todo mundo que passa por essa fase difícil. Enquanto alguns sofrem profundas transformações, há também aqueles que enfrentam as mudanças de maneira mais calma. No entanto, se os pais perceberem que seu filho está passando por mudanças severas (comportamentais ou biológicas) é importante o acompanhamento de um psicólogo. A psicoterapia é indicada não somente para o adolescente, como também para os pais que enfrentarem dificuldades em lidar com ele.

Compartilhar
Janaina Mariuzzi
CRP 07/23879. Psicóloga Clínica, Especializanda em Psicoterapias Cognitivo-Comportamentais. Endereço: Avenida Sete de Setembro – Centro Profissional Avenida Sete, 431 – Sala 404 - Erechim/RS. Contato: (054) 96468244



COMENTÁRIOS