TOC: Quando os hábitos causam sofrimento.

Há algum tempo virou moda afirmar que qualquer pessoa com atos ou rituais repetitivos possui TOC, isto é, Transtorno Obsessivo-Compulsivo. A condição, que está inserida nos tipos de transtornos neuróticos geralmente relacionados ao estresse, acabou vulgarizada e muitas vezes confundida. Por esse motivo, parece justo apresentar algumas considerações sobre o tema.

Se você conhece alguém que tem “mania de limpeza” ou “mania de organização”, ou ainda, que todos os dias vai ao banheiro inflexivelmente no mesmo horário, ou coisas do tipo, isso não necessariamente significa que essa pessoa possui TOC. Verifique se não se trata antes de alguém excessivamente metódico, ou apenas de um virginiano entediado. As diretrizes para esse tipo de diagnóstico podem flutuar bastante e muitas vezes não se encaixam no quadro clínico.

Pessoas com TOC cultivam pensamentos ou atos compulsivos recorrentes, que se estendem sequencialmente, praticamente todos os dias, por pelo menos duas semanas. Via de regra, dentre as várias manias, há pelo menos uma que persiste o tempo inteiro. Além disso, a realização dos rituais não oferece ao sujeito nenhum prazer – causa, antes, um imenso mal-estar.

Existem grandes possibilidades de que uma pessoa com TOC acabe se encontrando também com um transtorno depressivo, devido ao sofrimento causado por suas obsessões. Indivíduos com TOC tendem a acreditar que se não realizarem seus rituais, algo muito ruim acontecerá. Por essa razão, acabam se privando de uma série de coisas, chegando ao ponto de desorganizarem completamente sua vida em função de suas obsessões.

Portanto, o Transtorno Obsessivo-Compulsivo não é simplesmente um “jeitão”. Trata-se de uma patologia que pode prejudicar e muito uma pessoa. É claro que, como qualquer condição psíquica, isso não significa que o sujeito não possa viver conforme seus hábitos. Todavia, quando eles incidem em um sofrimento agudo, chegou a hora de começar a olhar mais seriamente sobre o problema e iniciar um tratamento.

Compartilhar
Luiz Fernando Fontes-Teixeira
Luiz Fernando Fontes-Teixeira é psicanalista e filósofo. Interessa-se pelo estudo das diferenças e pela crítica da cultura contemporânea.



COMENTÁRIOS