Praticamente todos os dias eu me lembro de uma das mais célebres frases atribuída ao grande Leonardo da Vinci que diz assim: “A simplicidade é o último grau de sofisticação”. Você sabia que quando ele disse essa frase não estava se referindo apenas ao que fosse operacional e prático? Ele estava se referindo, talvez, acima de tudo, ao nosso comportamento, à postura das pessoas sábias. Quanto mais sábia é uma pessoa, mais simples ela é, e opta por fazer tudo de um jeito que não traga estresse, dificuldades, não gere conflitos, mágoas ou ressentimentos com ninguém.

Esses dias eu estava refletindo sobre um comportamento que está presente em 100% das pessoas, em maior ou menor grau, que são as JUSTIFICATIVAS para aquilo que fazem ou que deixam de fazer. Um dos aprendizados bem difíceis na vida e as pessoas simples são nossas maiores professoras é o dizer NÃO na hora certa, pra pessoa certa e do jeito certo.

Existe um lado dentro da gente que quer agradar a todos, um lado egoico e que precisa ser “domesticado”. Com o passar do tempo e com as experiências de vida que venho acumulando, cada vez mais estou aprendendo que uma das melhores formas de se justificar quando não se quer fazer algo é simplesmente não dizer nada ou falar o mínimo possível! Já pensou que interessante? Por isso que iniciei o texto falando sobre a simplicidade. Essa é uma dica de ouro que estou transmitindo com palavras simples e que de fato não é um bicho de setes cabeças.

A inspiração para escrever esse texto veio a partir da leitura de um pequeno artigo americano que foi traduzido para o site “Mulheres Maduras”. Um trecho dele me chamou bastante atenção. Confira…

*********

Eu estou aprendendo que não reagir não significa que eu estou bem com as coisas, e sim que eu apenas estou lidando com elas. Eu estou escolhendo tirar isso como lição e aprender com a situação. Eu estou escolhendo ser melhor. Escolhendo a minha paz de espírito porque é o que eu realmente preciso. Não quero mais drama. Não preciso de ninguém me fazendo sentir que não sou boa o suficiente. Eu não preciso de brigas e discussões. Eu estou aprendendo que, de vez em quando, não dizer nada diz tudo.

Link: Estou aprendendo a não reagir a tudo que me incomoda

*************

Não dizer nada já diz tudo! Se alguém lhe pede algo e você fala o mínimo possível, é porque você não quer fazer. Ponto. Quando se trata de pessoas que a gente não gosta, isso é brincadeira de criança. É muito fácil! Agora quando são pessoas que a gente gosta? Que a gente ama? Que tem profunda consideração por nós? O que fazer? Quero compartilhar as palavras do mestre Rubem Alves, extraídas de sua bela crônica intitulada “Sobre a bonificação” para responder a essa pergunta.

*************

Esse Rubem torturador, que na psicanálise tem o nome de Super-Ego, por vezes se vale de emissários. Seus emissários não são as pessoas que não gostam de mim. Não perco tempo dando ouvidos a quem não gosta de mim. Seus emissários são precisamente as pessoas que gostam de mim. A esses eu ouço. E, por causa do seu amor por mim, eles me pedem: faça isso, faça aquilo, gostamos tanto de você, não nos decepcione. E não adianta eu dizer um “não” manso. Eles não acreditam. Meu corpo diz: “DIGA NÃO!” Mas, porque eles são amigos eu digo sim. Faço o que não quero fazer. Quando isso acontece lembro-me dos versos de Walt Whitman: “Quem anda duzentas jardas sem vontade anda seguindo o próprio funeral vestindo a própria mortalha…” Assim quero no próximo ano aprender a dizer “NÃO” aos que gostam de mim, para que eu possa gostar de mim.

Link: Sobre a bonificação

****************

O querido Rubem escreveu essa crônica aos 71 anos de idade e foi bem sincero ao escrever que tinha dificuldade de dizer não aos seus amigos! E sabe de uma coisa interessante? A dificuldade é porque muitas vezes as pessoas nos pedem algo enaltecendo nossas qualidades, enaltecendo o quanto o que já fizemos por elas ajudou-as a crescerem, a terem bons resultados etc. etc.

Existe uma armadilha do EGO nessa questão! Procure entender bem isso. As pessoas atingem nosso lado egoico, daí se torna bem mais difícil dizer não. Então a dica que dou inspirado no Rubem é que ouça a linguagem do coração, ouça o seu corpo! Ele sabe o que é melhor pra você. Ele é o maior sinalizador do nosso bem-estar. Se ouvíssemos mais o que nosso corpo tem para dizer através de uma linguagem altamente sutil, certamente aprenderíamos mais rapidamente a dizer não na hora certa!

Perceba! O nosso ego e também o super-ego estão ligados ao lado mais racional, intelectual, que JUSTIFICA nossas ações. Se aprendermos que silenciar e ser o mais simples possível com as palavras e atitudes é o caminho para transcender esse lado egoico, da próxima vez que tentarem nos pedir algo que seja abusivo diremos: “Sinto muito, mas não posso fazer isso”. Aí nessa hora rebatem dizendo: “Mas você é tão bom, sabe fazer isso melhor do que ninguém blablabla…”.

Então você dá um choque de realidade na outra pessoa dizendo: “Eu não sou único. Há mais de 7 bilhões de pessoas nesse planeta, e certamente isso pode ser feito por outra pessoa, talvez até de forma melhor do que eu…”.

Não precisa se justificar que tem uma reunião no trabalho, ou que precisa levar a sobrinha para o aeroporto, ou que está organizando um chá de panela pra melhor amiga! Basta ser sincero e dizer que nesse momento não pode.

Isso é aliviante, e se você colocar na prática da sua vida, vai aprender a viver com mais plenitude, sem andar 200 jardas seguindo o próprio funeral e ainda vai estar ajudando as pessoas que você ama a encontrar novas saídas e possibilidades para aquilo que vieram pedir a você.

Quero concluir reforçando que esse NÃO é dito naquelas situações de abuso da nossa boa vontade. É lógico que é importante ajudarmos as pessoas que a gente ama quando pedem algo que fará bem a elas. Afinal, servir é uma das maiores virtudes na vida. Mas serviço só vale a pena acompanhado de consciência.

Pense com carinho sobre tudo isso…

Imagem de capa: Shutterstock/Mangostar

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Isaias Costa
Bacharel em Física. Mestre em Engenharia Mecânica e Psicanalista clínico. Trabalha como professor de Física e Matemática, mas não deixa de alimentar o seu lado das Humanas estudando a mente humana e seus mistérios, ouvindo seus pacientes e compartilhando conhecimentos em seu blog "Para além do agora", no qual escreve desde 2012.

COMENTÁRIOS