Você pode usar o Facebook para ajudar quem pensa em suicídio ou automutilação

Por Amanda Mont’Alvão Veloso

Se a morte é cercada de tabus, que dirá o suicídio.

Não é por não ser falado que ele não esteja acontecendo – no Brasil, uma pessoa se suicida a cada 45 minutos, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). É o oitavo país com o maior número de suicídios.

Por vezes consequência de um sofrimento contínuo, o suicídio deixa não só uma grande tristeza para aqueles que ficam, como também uma profunda sensação de impotência. “O que eu poderia ter feito para evitar?” “E se eu tivesse conversado com ele(a)?”

Muitas vezes palco de despedidas e sinais de alerta deixados por usuários decididos a tirar a própria vida, o Facebook passa a oferecer, a partir desta terça-feira (14), uma ferramenta para ajudar a prevenir o suicídio e a automutilação.

O objetivo é ajudar tanto quem pensa no suicídio, quanto os amigos e familiares de pessoas nesta situação. A iniciativa é uma parceria da rede social com o Centro de Valorização da Vida (CVV), que há 54 anos oferece apoio emocional gratuito para pessoas que estejam passando por momentos difíceis, com sigilo total, em todo o país.

Ao identificar posts de amigos, familiares ou conhecidos com ideias suicidas ou de autoflagelação, os usuários poderão denunciar o conteúdo, em sigilo.

Com a denúncia, o(a) autor(a) do post irá receber uma notificação quanto a estar se passando por momentos difíceis, com dicas elaboradas por especialistas e indicação dos canais de atendimento do CVV. Tudo em completo sigilo.

 

Os conteúdos denunciados são analisados com máxima prioridade pela equipe de revisão do Facebook. Assim, as mensagens de apoio chegam o mais rápido possível. “A agilidade pode significar a diferença entre conseguir ou não ajudar alguém efetivamente”, lembra Bruno Magrani, Diretor de Relações Institucionais do Facebook para o Brasil.

Carlos Correia, voluntário do CVV desde 1992, lembra que o alívio é um fator de prevenção. E conversar sobre as emoções pode aliviar quem está sofrendo. Não é raro que se perceba que um amigo ou familiar está apresentando sinais que levem ao suicídio ou à automutilação, mas fica a dúvida sobre como agir.

“Se não souber o que fazer para ajudar, ligue para o CVV e peça orientação.” “Só não é indicado falar que está sem tempo, ou que a pessoa não tem motivo para estar se sentindo daquela maneira”, completa Correia.

Canais gratuitos de ajuda

Além da ferramente de denúncia, o Facebook possui, em sua Central de Ajuda, informações para lidar com o suicídio ou com a automutilação. O acesso pode ser feito a qualquer momento, por meio destes dois tópicos:

– Tenho pensado em automutilação ou em suicídio

– Eu preciso encontrar uma linha de combate ao suicídio para mim ou para um amigo

No CVV, mais de 2.000 voluntários fazem o atendimento em 18 estados mais o Distrito Federal, pelo telefone 141 (24 horas), pessoalmente (nos 72 postos de atendimento) ou pelo site www.cvv.org.br, via chat, VoIP (Skype) e e-mail.

Além disso, o serviço possui uma cartilha, chamada Falando Abertamente sobre Suicídio, na qual esclarece algumas dúvidas sobre o ato e suas consequências.

TEXTO ORIGINAL DE BRASILPOST

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS