Você tem atenção flutuante?

Por Maria Augusta Ribeiro

Você se irrita quando está falando com alguém que está com os olhos colados ao smartphone? Seu filho parece não prestar atenção quando briga com ele? Seu colega de trabalho fala com você enquanto faz outra atividade ao mesmo tempo? Isso pode ser uma indicação que a pessoa com quem fala tem atenção flutuante.

Antes uma característica ruim, hoje a aptidão de concentrar a capacidade mental em torno de várias atividades ao mesmo sem esboçar reação é qualidade. De acordo com o pai da Psicanálise, Freud, a atenção flutuante é a contramão do aprendizado concentrado, porém, com o uso da internet em todas as áreas, o que antes era ruim passou a ser bom.

Principalmente nos jovens, este tipo de atenção merece abordagem diferente para surtir resultados ou será descartado pelo cérebro rapidamente. Hoje há necessidade de utilizar narrativas diferentes para atingir o espectador que estará atento ao que fala, mas poderá estar ouvindo música e cozinhando ao mesmo tempo.

Basicamente, para fazer com que alguém com atenção flutuante preste atenção em você, deverá ter abordagem diferente, não se importar se os olhos estiverem fixos a que diz e tão pouco ser repetitivo.

Esta característica comportamental dos dias de hoje faz com que consigamos maior adesão e ao mesmo tempo solidão de uma geração mais conectada e exigente ao demandar um novo formato para aprender.

Mesmo que não se identifique, muitos ao seu redor podem ter atenção flutuante, e, para chamar atenção dessa turma, uma boa dose de paciência, respirar profundamente e falar mais pausadamente podem ajudar. Porém ao fim da mensagem certifique-se de que foi ouvido com palavras de ordem, por exemplo: “Entendeu?”.

Busque novos formatos de conversação, utilize a tecnologia a seu favor e certifique-se sempre que o ouvinte entendeu sua mensagem. Assim conseguirá atenção e um resultado surpreendente em um novo formato para ensinar e aprender.

Maria Augusta Ribeiro escreve para o Belicosa.com.br é Coordenadora de Comunicação da BPW América Latina

TEXTO ORIGINAL DE FOLHA MAX

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS