O menino PJ Brewer-Laye tinha saído para passear com a avó, Angela Brewer-Laye em seu bairro na cidade de Indianápolis, nos Esxtados Unidos. A dupla estava a cerca de um quilômetro e meio de sua casa quando sua avó começou a se sentir mal.

Sentindo-se tonta, fraca e incapaz de ver com clareza, Angela encostou-se a uma placa de trânsito. Então sua visão embaçada começou a ficar mais nítida.

“Eu estava encostada na placa de pare e, de repente, olho para a minha direita e vejo meu carro – meu Mercedes-Benz vindo em minha direção. De uma maneira fácil e calma, estava vindo em minha direção ”, disse a mulher à imprensa local

“Eu olhei no carro. Era ele ao volante – era meu neto PJ ”, lembra Angela.

O menino, que acabou de fazer 12 anos, mas tinha 11 na época do incidente, percebeu rapidamente o mal estar da avó e não pensou duas vezes antes de voltar para casa e pegar o carro dela para levá-la ao hospital mais próximo.

Ângela elogiou as habilidades de direção de seu neto, que, segundo ela, teve muita prática em sua curta vida.

“Ele me levou para casa e parou na garagem. E ele entrou na garagem de forma tão precisa, porque a minha entrada é meio estreita … Ele não subiu no meio-fio, na grama, nada. Ele parou na garagem e me ajudou a sair do carro”, disse Ângela, acrescentando que ele estava “calmo e controlado” ao volante, mesmo durante uma emergência.

“Ele é um menino muito especial e não pede nada em troca”, disse Ângela.

A atitude de PJ obviamente não é recomendada, mas neste caso específico acabou salvando uma vida.

***
Destaques Psicologias do Brasil, com informações de NY Post e Só Notícia Boa.
Foto destacada: Reprodução/Youtube.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.