05 chaves para lidar com pessoas temperamentais

O mau humor é natural nas pessoas temperamentais. Todos nós temos momentos ruins e às vezes é muito difícil controlar a nós mesmos na presença dos outros, mas existem pessoas que parecem encadear um “chilique” após o outro. Quando o mau humor é ocasional, podemos tolerá-lo e ser empáticos, mas quando se torna uma constante e não nos afastamos da pessoa, podemos nos contaminar.

Mas, o que fazer quando uma pessoa está constantemente irritada ou quando o mau humor parece ser o seu principal traço de personalidade? Devemos tolerar esse comportamento tóxico? A maioria das pessoas dirá que você não precisa carregar o mau humor dos outros. Se você não joga lixo na porta do outro, ele não deve espalhar a sujeira dentro da sua casa.

No entanto, nem sempre podemos evitar essas pessoas mal humoradas e temperamentais. Podemos até aguentar, mas nunca nos deixar contagiar pelo mau humor do outro. Damos aqui algumas sugestões para lidar com essas pessoas, porque muitas vezes não temos outra alternativa e queremos evitar situações desagradáveis.

Como lidar com pessoas temperamentais

O seu humor não deve ser determinado pelos outros, você precisa aprender a lidar com as suas emoções. No entanto, algumas pessoas são mais suscetíveis do que as outras e não conseguem agir de forma eficaz. Essas pessoas irão se interessar pelas nossas dicas, porque elas vão ajudá-las a melhorar a gestão das suas próprias emoções.

Considere as suas opções

Pode haver no seu ambiente pessoas muito mal humoradas e controladoras, que precisam que todo mundo esteja tão mal humorado e chateado quanto elas, porque se sentem melhor quando percebem que podem dominar o humor do outro.

Não é fácil escapar destas pessoas, elas estão aí. Fugir nem sempre é uma boa opção. O que fazer se a atitude delas afeta o seu humor? Para começar, você precisa identificar essas mudanças, saber onde e como elas afetam você.

Uma vez identificada a influência que exercem sobre você e como isso lhe afeta, além de fazer um esforço extra para controlar as suas emoções, você pode considerar a opção de evitar essa pessoa ou não a provocar.

Não entre no seu jogo

Quando você convive com uma pessoa muito temperamental, que se irrita facilmente, não entre no seu jogo: não tente se impor e nem ter razão. Neste caso, para essas pessoas você seria uma presa fácil; ela encontraria uma forma simples de irritá-lo e espalhar o seu veneno.

Se você não puder evitar que essa pessoa descubra o seu “ponto fraco”, não lhe dê atenção. Seja persistente e não aceite provocações.

Utilize frases feitas ou formas de atuar para desviar a sua atenção ou para responder sem entrar no seu jogo. Se para isso você precisar parecer bobo, acomodado ou morder a língua, não tem problema. Você já sabe que ela nunca lhe dará razão e sempre encontrará uma forma de “estar por cima”. Se não jogar, ninguém ganha e nem perde.

Não pague com a mesma moeda

Quando convivemos por muito tempo com pessoas que se irritam com facilidade, ficamos tentados a pagar com a mesma moeda como uma forma de vingança. Mas, porque alimentar essa atitude do outro que você detesta?

Pare e pense. Se você se comportar da mesma forma, além de alimentar o seu mau humor, estará reforçando o seu comportamento. Ou seja, está validando o que ela faz e dando autorização para continuar prejudicando o seu dia a dia.

Contra-ataque com simpatia e amor

A simpatia e o bom humor são como os mísseis antiaéreos cuja missão é anular o ataque inimigo: seu objetivo é destruir as bombas antes que cheguem em terra. Ser simpático e amigável pode contagiar o outro ou fazer com que escolha outro alvo para o seu mau humor.

Seja otimista e aborde o assunto de uma perspectiva simpática ao invés de “pagar na mesma moeda“. Deixe claro para o outro que não vai se deixar levar e que não permitirá que descarregue toda a sua raiva sobre você. Se o outro precisa falar para desabafar, que o faça de uma forma que não magoe ninguém.

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS