8 dicas para tentar se comunicar de forma saudável com seus filhos

Primeiro de tudo, as crianças modelam a realidade inconscientemente, mas não entendem a falta de consistência no comportamento dos pais (seja no comportamento entre os pais, ou entre os pais e o mundo exterior).

A criança resolverá as várias discórdias entre os pais, ou inconsistências em qualquer um dos pais como um indivíduo, através da combinação de dois conceitos contraditórios em um só. Dê uma olhada nos seguintes exemplos que ilustram este mecanismo.

A mãe ensina que não se deve gastar dinheiro frivolamente, mas isso é exatamente o que o pai faz, resultado: a criança vai gastar tudo o que ele ou ela tem uma vez por ano.

A mãe grita e diz que é amor, resultado: a criança tem que entrar em uma discussão para sentir que a outra pessoa se importa com ela.

O pai trabalha constantemente e cria desculpas por trabalhar demais, resultado: a criança se torna um viciado em trabalho e se sente culpado por isso.

Nos exemplos acima, a criança percebe o comportamento extremo e tem que encontrar uma maneira de expressar ambos os extremos com igual validade. A criança deve expressar tudo o que ele ou ela recebe de um extremo, bem como tudo o que ele ou ela recebe do outro. Às vezes, isso gera comportamento árduo e aparentemente absurdo.

Mas quando vamos dar uma olhada mais de perto, podemos ver dois escondidos, padrões opostos de comportamento que formam sua base. Então, em primeiro lugar, fale e aja de forma que as mensagens vindo de você como mãe ou pai ou como pais, tenham um significado singular e consistente. Se surge um conflito entre você e seu parceiro, o resolva em privado e concordem que ambos darão ao seu filho a mesma explicação. A falta de consequências consistentes pode ser muito desanimadora.

Em segundo lugar, as crianças não entendem metáforas como “esse trabalho me mata”, elas levam tudo literalmente porque tudo é real para elas. As crianças não entendem piadas com duplo sentido, e várias crenças que passam pelo conhecimento comum são transformadas pela criança em métodos de lidar com a realidade.

Então, fale de uma maneira que a mensagem seja clara e verifique perguntando se o que você está dizendo é baseado em fatos. Se não for, altere para ser mais factual. No exemplo acima, um pai atrapalhado com a metáfora de que “esse trabalho me mata”, pode causar a uma mente em desenvolvimento acreditar que não vale a pena trabalhar e, assim, criar inadvertidamente um adulto desempregado e desmotivado.

Em terceiro lugar, as crianças não entendem negação. É por isso que é muito mais eficaz dizer às crianças o que devem fazer, em vez de lhes dizer o que não fazer. O comando, “Não jogue seus brinquedos”, nunca funcionará tão bem como a declaração, “Coloque seus brinquedos na caixa”.

Além do mais, os pais devem considerar as diferentes proporções que a criança vê (por exemplo, o tamanho de uma aranha). Imagine o que acontece a uma criança que muda sua perspectiva quando olha para as pessoas. Quando a criança começa a se mover de forma independente (engatinhando e eventualmente caminhando), ela experimenta suas mudanças de perspectiva.

Outras pessoas começam se parecer como gigantes e isso pode assustar a criança. Ele ou ela vê pernas que parecem sempre terminar no joelho. A criança não pode distinguir rostos. Os rostos sorridentes de novas pessoas se transformam em uma visão de gigantes, pernas sem rosto, em monstros estranhos. Não é de admirar, então, que a criança tenha medo deles. Este exemplo mostra como é importante para um pai considerar que a criança vê o mundo em diferentes proporções devido a sua altura. Uma aranha tem um tamanho totalmente diferente aos olhos de uma criança do que aos olhos dos pais.

Do seu ponto de vista, é uma criatura pequena e inofensiva. Para uma criança pequena, é uma monstruosidade horrível. Tal como é, muitos pais não levam isso em conta, porque eles olham tudo através da perspectiva de um adulto. Considere as proporções diferentes e pergunte a si mesmo esta pergunta: Como é que o meu filho vê isso? Ou: Como meu filho ouve isso? Um nível de decibéis que é suportável para você pode ser demais para o seu filho. Talvez algo que soe apenas um pouco barulhento para você, soe como um rugido terrível para o seu filho. Talvez, quando você levanta a sua voz, o seu filho ouve um som muito mais alto do que você.

Além disso, não espere que seu filho faça algo que é fisicamente impossível. Imagine uma mãe pedindo a criança que brinca em uma caixa de areia para “ser boa”. A criança não será capaz de realizar o verbo “ser”(isso é apenas um conceito abstrato, não é um comportamento), e a palavra “boa” também tem muitos significados. Se o que você está dizendo não é fisicamente possível de realizar, mude para algo que é.

Caso contrário, você entrará em alguma frustração mútua. Comunicação precisa governa aqui. Da mesma forma, não diga ao seu filho, “Que bonito! Você comeu o seu jantar tão bem”. Você não come “muito bem”, você come muito, um pouco, ou o suficiente. Você quer que sua filha experimente a culpa inconsciente como um adulto porque comer uma pequena porção não é bonito? Não combine beleza com alimentos, comunique de forma precisa! Não diga: “Seja bom”, em vez disso, diga: “Coloque o seu brinquedo de volta no seu lugar, na prateleira, onde você pegou”.

As crianças aprendem por modelagem de comportamento dos pais. Se você não pode demonstrar algo, mude o seu pedido para algo que você pode demonstrar. Se você age como um exemplo coerente de comportamento adequado, tornará mais fácil ensinar seu filho e mais fácil para o seu filho imitar o seu comportamento. É por isso que você deve gesticular e mover seu corpo, especialmente quando você está falando com crianças pequenas. Isso acelera a aprendizagem de línguas e dá compreensão mútua.

As crianças não compreendem conceitos e nominalização abstratas que são muito vagas e impossíveis de imaginar. Dizer a seu filho que motivação é importante não vai conseguir nada porque ele ou ela não pode imaginar motivação. Mas se você diz: “Se você correr comigo até o papai, eu vou te comprar uma surpresa”, você certamente motivará seu filho e atingir o seu objetivo. A criança deve ser capaz de imaginar as palavras que você está usando, a fim de entendê-lo. Use uma linguagem simples e concreta.

Lembre-se de dar ao seu filho exemplos específicos que ele ou ela se identifica. Diga-lhe uma história sobre um menino de sua idade que estudou muito e foi capaz de comprar tudo o que ele queria. Ou conte para sua filha adolescente que você foi capaz de começar a ganhar dinheiro quando tinha dezoito anos graças aos seus muitos anos de estudo árduo. Exemplos tornam mais fácil de entender a mensagem subjacente.

Finalmente, lembre-se de usar a linguagem (palavras, comprimento da frase) que é compreensível e apropriado para a idade da pessoa que você está falando. Histórias sobre seus heróis de desenho animado favorito funcionam bem para uma criança de quatro anos de idade, mas não necessariamente para uma de quatorze anos de idade. Selecione a sua forma para coincidir com a idade da criança ou adolescente.

TEXTO ORIGINAL DE BRASIL POST

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS