A ansiedade, um monstro que se alimenta da nossa adrenalina

A ansiedade é um monstro que se alimenta da nossa adrenalina, enquanto a adrenalina é uma substância que nosso corpo libera quando sente que há algum perigo no ambiente e quer nos preparar para que nos protejamos.

Ela pode ser despertada ao vermos um leão ou uma cobra, algo que é muito pouco provável no mundo em que vivemos hoje e que, portanto, parece ser pouco adaptativo. No entanto, a adrenalina também é liberada quando, de repente, escorregamos ao descer as escadas ou quando o óleo salpica da frigideira enquanto fazemos o jantar.

Neste momento, nossa adrenalina é disparada e nos ajuda a nos segurarmos ao corrimão ou a nos afastarmos do fogão no qual estamos fritando um ovo. Ou seja, nossa adrenalina nos coloca em movimento e nos ajuda a agir a tempo, antes que um resultado fatal ocorra.

No entanto, no mesmo instante em que a adrenalina é liberada, o monstro da ansiedade desperta de sua letargia ao sentir o cheiro de seu alimento. No princípio, ele também faz parte deste instinto de proteção, contribuindo, assim, para que nos agarremos ao corrimão e procuremos manter o equilíbrio antes de cairmos na escada.

No entanto e, apesar de um escorregão na escada ser uma situação cotidiana, pode ser que o monstro da ansiedade desperte e já não consiga voltar a dormir. Então ele fica dentro de nós se alimentando da adrenalina que liberamos, enquanto nós continuamos sentindo o coração acelerado e o susto em nosso corpo.

Enquanto o monstro continua tendo adrenalina para se alimentar, o sentiremos dentro de nós. No entanto, uma vez que não estivermos em uma situação de perigo, o monstro, sabendo que suas reservas de adrenalina estão se esgotando, hibernará por escassez de alimento.

Acontece que, às vezes, o monstro da ansiedade nos dá tanto medo que lutamos para que ele vá embora de nosso corpo, gritamos dizendo que não o queremos, que não o aceitamos e que ele não deveria estar dentro de nós. Essa batalha psicológica faz com que o nosso corpo libere outra dose de adrenalina, só que dessa vez não há um perigo real que a justifique, e sim um monstro que está ansioso para se alimentar cada vez mais.

Então, graças ao excesso de adrenalina, o monstro da ansiedade se torna enorme e tremendamente agressivo. Ameaçador, grita dizendo que vai paralisar nosso coração, que ressecará nossa garganta ou que devorará nosso cérebro.

Ele não pode fazer isso, mas diz isso para nós cada vez mais alto, porque sabe que assim o ouvimos melhor e consegue obter mais alimento emocional, mais adrenalina. Então impregna nosso dia a dia com uma fome insaciável que sabe que, como súditos, vamos aplacar se ele se fizer notar.

Agora, se nós não o escutarmos e aceitarmos seus gritos como normais, deixaremos de prestar atenção nele e ele não obterá adrenalina do nosso corpo, assim, finalmente, o monstro da ansiedade não terá outro remédio que não seja voltar a se submergir em um sono tranquilo e emagrecer.

O monstro da ansiedade só pode assustar nosso corpo. Como vemos, ele representa uma forma natural nossa de agir diante de algo que nosso corpo ou nossa mente entendem como perigo imediato.

No entanto, quando ele obtém nossa atenção, se descompensa e se encoraja, pois entende que somos nós quem reclamamos por ele e o convidamos para agir e crescer de forma descontrolada. É um mecanismo simples e normal que todos nós podemos entender. Agora, tanto se este monstro já é enorme, como se em um futuro ele não quiser voltar a dormir, devemos nos lembrar de que está em nossas mãos torná-lo menor e irrelevante, se escolhermos aceitar que sua presença dependerá de que nos abramos ou nos limitemos a experimentar aquelas sensações que são naturais.

Fonte bibliográfica de interesse: Entenda e lide com a sua ansiedade de José Antonio García Noguera e Javier García Ureña (tradução livre).

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS