A chantagem emocional pode acontecer tanto na amizade quanto no âmbito familiar ou num relacionamento. O objetivo de um chantagista é conseguir manipular a outra pessoa e transformá-la em alguém que satisfaz os seus desejos. Às vezes, ela pode ser realizada de maneira tão sutil que o outro pode nem se dar conta de que está sendo manipulado.

Embora pareça mentira, uma pessoa que recorre à chantagem emocional é alguém inseguro e fraco. Precisa recorrer à chantagem para alcançar seus objetivos, já que não se vê capaz de conseguir as coisas de maneira saudável, ainda que aparente ser uma pessoa muito seguras.

A seguir, apresentamos 4 maneiras de chantagear e como fazer para não cair nesse tipo de manipulação.

1. Chantagem emocional por pressão ou ameaça

Este tipo de manipulação consiste em exercer pressão sobre outra pessoa, de tal maneira que a liberdade lhe é limitada. Se ela não fizer o que lhe é solicitado, há um castigo ou uma grande chateação posterior. O sentimento apresentado pela vítima diante dessa manipulação é o medo.

A típica frase dita pelos pais a seus filhos pequenos, “Se fizer isso de novo, vai ficar de castigo”, ou de alguém que diz a seu parceiro, “Se fizer isso outra vez, acabou tudo!”, são frases radicais nas quais, caso a ordem não seja acatada, haverá uma consequência posterior.

Como podemos nos defender deste tipo de chantagem emocional? Fazendo o chantagista ver que ele não é capaz de nos causar medo. Uma ameaça ou pressão sempre busca gerar medo e, assim, a vítima acaba obedecendo. No entanto, se não houver medo ou se fizermos a pessoa achar que não estamos sentindo medo, desmontamos a manipulação.

A resposta para uma ameça do tipo “Se fizer isso outra vez, acabou tudo” poderia ser “Sou livre para fazer o que eu quiser e se isso faz você querer me deixar, não posso fazer nada!”O importante é fazer a pessoa ver que, em vez de aceitar a ameaça ou o castigo, somos capazes de enfrentá-lo, e nem por isso vamos mudar nossas ações.

2. Chantagem emocional que cria culpa

Consiste em criar um sentimento de culpa na vítima, fazendo-a acreditar ser uma má pessoa caso não obedeça. Frases como “Se você faz isso, é porque já não gosta de mim”, “Depois de tudo o que fiz por você, é assim que você me paga?”, “Se você me deixar, vou adoecer e não poderei suportar”, “Você me desapontou, pensei que você era uma boa pessoa”.

O que se busca com qualquer dessas frases é que o outro se sinta mal e culpado. Dessa maneira, a vítima poderia ser manipulada e consentiria em satisfazer o outro para não ficar “mal na fita”.

Como parar este tipo de chantagem emocional? Fazendo o chantagista ver que não nos sentimos más pessoas nem pensamos ser culpados das consequências que o cumprimento de tais ordens poderiam trazer.

Há casos extremos, como o da pessoa que diz “Se você me deixar, não quero mais viver”. Esse seria o exemplo mais delicado, pois não sentir culpa num caso como este é complicado, já que nos sentiríamos responsáveis pela saúde do outro. No entanto, a realidade é que cada pessoa é dona de sua própria vida e nós devemos viver em liberdade; não podemos estar presos a alguém por pena nem por culpa, pois, afinal, a vítima seria a pessoa manipulada e sofrendo pela chantagem emocional.

3. Confundir, distorcer

O chantagista tentará distorcer as situações até que possa se encontrar em um papel no qual tem razão; tentará se transformar em uma espécie de guia. Para poder manipular, ela saberá perfeitamente os pontos fracos da vítima, e fará com que esta última acredite que precisa de seus conselhos para poder ir por um bom caminho.

Tratará de criar uma espécie de dependência em que o chantagista será a pessoa que tem a posse da verdade. Ela terá argumentos que podem sair por cima de qualquer situação, com a finalidade de fazer a vítima perceber que a salvação está em ignorar.

Como parar este tipo de distorção? Informando o manipulador que cada pessoa vê as coisas de maneira diferente e que nós, estando errados ou não, desejamos tomar a decisão que pensamos ser a melhor.

Assim, ainda que o chantagista tente fazer com que a vítima cometa um erro, podemos responder a ele que não nos importa que possamos cometer erros e desejamos tomar nossas próprias decisões.

4. Promessas positivas e presentes

Outro tipo de chantagem mais escondida, que nem mesmo parece uma chantagem, é a promessa de algo muito positivo caso realizemos os desejos do outro. Somos premiados ou presenteados com algo que desejamos muito, caso façamos o solicitado pelo chantagista.

Os pais costumam fazer isso com seus filhos, “Se você passar de ano, vou te dar uma bicicleta”, “Se você for visitar sua avó, compro doce pra você”. Se uma criança deseja muito uma coisa, é normal que ela faça o possível para conseguir o que quer.

Esse caso é positivo porque a ordem que os pais dão é positiva para a criança, mas há outros casos em que a ordem tenta enganar a vítima, como por exemplo, o caso de uma pessoa apaixonada que quer conquistar uma moça com problemas financeiros. O chantagista oferece algumas recompensas que sabe que convenceriam a vítima a sair com ele.

Possivelmente, conseguiria conquistá-la ao solucionar seus problemas, mas, ao final, ao perceber que seus problemas foram solucionados, a vítima perceberia que foi comprada e manipulada, já que, em momentos de desespero, a razão cai a 50%.

Outra forma parecida de chantagear é lembrar alguém dos presentes dados e das quantias que deve, como, “Você se lembra dos presentes que te dei? ,” Lembra daquilo que paguei para você? ”, é como dizer, de maneira sutil, “Te dei muitas coisas materiais e, por isso, você deve me obedecer.”

Como não ceder a este tipo de manipulação? Lembrando o chantagista que cada pessoa é livre para pagar ou presentear o que quiser e nem por isso somos obrigados a devolver o favor.

Sempre, em qualquer tipo de relação, seja em uma amizade ou em um relacionamento amoroso, devemos estar à mesma altura do outro. Trata-se de uma troca, deve ser recíproco; no momento em que alguém quer ocupar outra posição, soa o alarme. Ainda que alguém esteja passando por problemas, uma pessoa saudável ajuda de uma maneira dentro da normalidade, mas se alguém aproveitar para se colocar em uma posição de “herói” e deixar o outro como “vítima que precisa ser salva”, podemos acabar entrando em uma zona de manipulação.

Sinais para detectar um chantagista emocional

– Falar com eles é estressante porque mudam continuamente o assunto da conversa, vão mudando de estratégia e tentam confundir a vítima até que encontram o ponto fraco, onde sentem que podem manipular.

– Quando estamos frente a um manipulador, as sensações falam mais do que a razão. Devemos sempre observar nossas emoções; se nos encontrarmos frente a uma pessoa saudável, as emoções também serão saudáveis, mas se estivermos frente a um chantagista, é muito comum que nos sintamos incômodos, com mal estar, frustrados e indecisos. Por um lado, nossa mente pode perceber que algo não vai bem, mas, por outro lado, os medos e as chantagens que recebemos podem invalidar a razão e chegar a um momento em que nos sintamos incapazes de tomar decisões.

– Costumam se vangloriar de sua vida e de suas propriedades, já que buscam ser vistos como “heróis ou salvadores”. Por isso, as pessoas que possuem uma baixa autoestima são mais propensas a cair nas garras dos manipuladores, pois pode ser que elas os admirem em excesso.

– Querem ser aqueles que dominam as conversas e os que sempre têm razão; são pouco flexíveis e não sabem ouvir, falam muito mais do que ouvem.

– Não gostam de receber conselhos, já que consideram um insulto à sua inteligência.

– Mudam facilmente de humor já que, se conseguirem manipular, ficam felizes, mas se a vítima resistir, suas feições podem mudar em questão de segundos…

– Desejam anular a opinião do outro, fazendo com que apenas a sua seja válida e verdadeira.

Imagem de capa: Shutterstock/Marcos Mesa Sam Wordley

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS