A anemia afeta nossas emoções?

É verdade que quando estamos doentes os sintomas repercutem em nosso estado de ânimo e nos relacionamentos com quem nos rodeia. Uma doença não só afeta o nível físico, mas também o emocional. No caso da anemia, também há consequências psicológicas que alteram o nosso dia a dia.

Saiba mais neste artigo.

O que é e como surge a anemia?

Antes de falar sobre os efeitos emocionais da anemia, vale a pena saber do que se trata. Basicamente, é a falta de ferro em nosso organismo. A definição médica para este problema é: “Uma concentração baixa de hemoglobina no sangue”.

Para detectá-la, é necessário um exame de sangue, ainda que também existam alguns sinais clínicos que podem servir para identificá-la. A análise de laboratório também pode mostrar outras alterações do fluxo sanguíneo, tais como menor quantidade de glóbulos vermelhos do que o normal ou diminuição do hematócrito. Não é correto dizer que a anemia é uma doença, mas que se trata de um sintoma ou deficiência.

A falta de ferro pode resultar na anemia ferropriva ou ferropênica, que pode ser causada por doenças gastrointestinais ou perda de sangue (por exemplo, por causa de um acidente ou sangramento menstrual abundante).

Quando estamos anêmicos, nos falta energia

Esta é uma das maneiras de nos darmos conta de nossa falta de ferro no sangue.

A falta de energia vai além de querer ficar na cama num dia de chuva ou de ter dificuldade de nos levantar quando o despertador toca.

É não poder fazer uma atividade sem nos cansarmos ou sem que nos faltem forças suficientes para realizar tarefas cotidianas.

Outros sinais perceptíveis de anemia são:

  • Palidez do rosto
  • Queda excessiva de cabelo
  • Unhas fracas

Algumas pessoas também usam uma conhecida técnica para determinar se os glóbulos vermelhos estão escassos: olhar a parte interna inferior dos olhos. Se estiver muito branca, quer dizer que a pessoa está anêmica. É claro que não é nada científico, mas pode ser bem preciso.

Entre as consequências de estarmos anêmicos, vale a pena destacar também transtornos neurológicos como alterações da visão ou dores de cabeça, vertigens, insônia e ciclo menstrual irregular.

Como a anemia nos afeta a nível emocional?

 

Além das consequências para a saúde física da falta de ferro, um aspecto muito importante, e que talvez os médicos não levem em conta, é a alteração a nível emocional ou psicológico causada por essa patologia.

O mal-estar é muito comum e pode levar a nos sentirmos mal com nós mesmos e com quem nos rodeia. A anemia também pode resultar numa indecisão ou em não estar seguro do que se quer na vida. Como se tudo fosse igual, não há desafios ou motivações suficientes para nos levantar ou sair de casa.

As pessoas anêmicas sofrem do que se chama um “grande cansaço generalizado e inespecífico”. Por se chama assim? Porque não é possível atribuí-lo a nenhuma doença ou situação concreta.

Não têm vontade fazer nada e não apresentam outros sintomas que possam se dever a um problema de saúde pontual. Simplesmente “não lhes agrada” colocar-se em movimento. Nem eles mesmos podem determinar o porquê dessa reação, e isso gera mau humor e insatisfação. Também pode resultar em raiva de si mesmo e na sensação de não ter capacidade de realizar as coisas.

O desânimo e a falta de energia são duas consequências diretas da anemia. Isso, sem dúvida, afeta todas as áreas da vida. Talvez aquilo que, até ontem, você gostava de fazer, hoje custe o dobro para começar. Ou talvez o que no passado “recarregava suas baterias”, hoje é um grande peso ou obrigação.

A anemia e os problemas no trabalho

Ainda que às vezes seja difícil levantar cedo, cumprir nossas obrigações e aguentar o chefe, no caso das pessoas com deficiência nos níveis de ferro isso se torna uma regra, e não a exceção. A irritação por coisas que antes não importavam, a dificuldade para se concentrar no trabalho, os problemas para se comunicar ou ser proativo, são sinais de alerta que não devemos ignorar.

Se, por exemplo, a pessoa se distrai por qualquer coisa, se lhe custa encontrar a palavra adequada ou fazer um cálculo simples, ou se esquece o que precisa fazer, talvez isso se deva a uma falta de energia relacionada à anemia.

Como a anemia afeta a vida pessoal

Sentirmo-nos mal no trabalho por causa da falta de ferro não termina quando chegamos em casa ou encerramos o expediente. Em muitos casos, aumentam as situações em que não temos vontade de fazer nada.

A limpeza, as refeições, os exercícios, as reuniões familiares, a universidade… Tudo parece ser um peso para nós.

Cada vez mais, é difícil falar em incentivo suficiente para se levantar do sofá ou da cama no final de semana, ainda que, lá fora, o sol esteja brilhando e existam mil coisas interessantes para se fazer.

Como familiares de uma pessoa que apresenta esses sintomas, devemos, como primeira medida, dizer-lhes que precisam realizar os exames médicos que possam determinar seu problema.

Enquanto isso, podemos ajudá-los para que comecem por coisas pequenas que lhes deem energia: uma caminhada leve no parque, um pouco de música, uma sobremesa… Tudo para que as forças ressurjam e a pessoa se sinta capacitada para desfrutar o que a rodeia.

Imagem de capa: Shutterstock/Kateryna Kon

TEXTO ORIGINAL DE MELHOR COM SAÚDE

Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS