Quando falamos de pessoas tóxicas sabemos que podemos nos separar delas. Com dificuldade, mas podemos. Entretanto, em determinadas circunstâncias temos que lidar com estas pessoas diariamente, sem poder evitá-las. Isso é o que costuma acontecer em ambientes de trabalho, por exemplo.

Além de ver essa pessoa tóxica todos os dias, temos que trabalhar com ela, alcançar um objetivo concreto entre ambos (ou entre um grupo) e que acabe sendo de sucesso. Isso pode parecer desanimador, mas podemos lidar com isso.

Companheiros de trabalho tóxicos

Podemos diferenciar sete tipos de companheiros tóxicos que podemos encontrar em nosso trabalho, ou em qualquer ambiente de trabalho que conheçamos:

1. O protagonista

É uma pessoa que sempre procura ser o centro das atenções. Apropria-se das conversas impondo seus pontos de vista. É sempre muito competitivo e faz o que for preciso para alcançar seus objetivos.

2. O informal

O informal nunca respeita os prazos de entrega. Sempre se atrasa com as tarefas, chega tarde nas reuniões e ao trabalho, etc. A irresponsabilidade deste tipo de pessoa afeta os demais num grupo de trabalho.

3. O intrometido

O lugar de trabalho é ideal para esse tipo de pessoa. Nós podemos vê-lo, principalmente na hora do café, comentando e fofocando com os demais. Às vezes, age como“espião” e informa ao seu superior sobre detalhes irrelevantes, mas que prejudicam os demais.

4. O preguiçoso

Um dos piores companheiros de trabalho é aquele que realiza seu trabalho de maneira pouco eficiente. Não importa a eles nem seu trabalho nem o de seus companheiros de trabalho. Usam a”lei do mínimo esforço”, algo que repercute negativamente no grupo todo.

5. O enfurecido

O enfurecido parece sempre muito ocupado. É por isso que ele nunca irá lhe cumprimentar nem dar um sorriso. Não gosta de trabalhar em grupo e prefere o trabalho individual.

6. O oposto

6. É uma pessoa que nunca está de acordo com as opiniões ou decisões dos demais. Sempre vai pelo lado oposto. É muito difícil trabalhar com ele, já que é muito complicado chegar a um acordo.

7. O competitivo

Sua competitividade não tem limites. Nunca deixa escapar uma boa oportunidade. Sempre estão à espera de assumir o mérito dos outros aos olhos de seus superiores.

Como podemos nos proteger de um companheiro de trabalho tóxico?

Como vimos, é difícil evitar um companheiro tóxico, pois temos que trabalhar com ele diariamente. Portanto, a pergunta deve ser como podemos trabalhar com eles, mas sem que isso nos afete.

Para começar, não devemos entrar no seu jogo. Nossa melhor opção é não nos deixar levar por quem, continuamente, está com raiva ou quer sempre ser o protagonista. Devemos aceitá-los. Tomar consciência de que não podemos fazer nada para que mudem, e que nós não temos nenhuma opção para evitá-los. Portanto, aceitar que são assim, mas não deixar que isso nos influencie.

Se isso o afeta de verdade e você não pode evitar, reflita. Pense no porquê de isso estar lhe afetando tanto, se você deve permitir isso e o que você deve mudar. Mude seu ponto da vista, trate de ver a pessoa com humor e como um aprendizado do que você não pode fazer. Isso será de grande ajuda.

Se você estiver lidando com companheiros tóxicos, nunca busque sua aprovação. Se fizer isso, estará dando poder a eles e você estará se desvalorizando. Eles nunca elogiarão o seu trabalho. Então, deixe o orgulho de lado, faça seu trabalho da melhor forma que você puder e, muito importante, respeite seus companheiros, ainda que eles sejam companheiros tóxicos.

Qual o lado bom de ter um companheiro de trabalho tóxico?

Nem todos os companheiros de trabalho tóxicos devem nos afetar negativamente. Ainda que seja difícil acreditar nisso, muitos deles podem aumentar nossa produtividade.

Ter um companheiro intrometido, por exemplo, pode ser benéfico. Os intrometidos permitem desconectar e fortalecer um grupo. Além de aumentar a produtividade, ajudam a relaxar o ambiente do escritório, aumentar o companheirismo e fomentar um maior rendimento do grupo.

A pessoa que continuamente se opõe também pode fortalecer o grupo. Por quê? Porque ela nos permite ver “o outro lado da moeda”, equilibrar a opinião contrária e ser conscientes de que estamos ou não bem encaminhamos em nosso trabalho.

Que todos estejam de acordo é bom, mas também pode significar que algo está falhando. O problema surge quando o contrário acontece continuamente, com o objetivo de chatear.

Imagem de capa: Shutterstock/Elnur

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE É MARAVILHOSA

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil

Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.


COMENTÁRIOS