Há quem continue pensando que abraçar muito os filhos, demonstrar-lhes afeto e carinho contínuos formará crianças malcriadas. Que faremos deles pequenos tiranos ingovernáveis.

Talvez por isso ainda escutemos frases como “é melhor se despegar o quanto antes delas”, ou que atendê-las de noite quando choram é um erro, e que é melhor deixar que se acalmem sozinhas. Temos que ir com muito cuidado diante destas crenças populares, que às vezes não costumam ter muita sabedoria.

O amor que se oferece com sabedoria, plenitude, liberdade e inteligência, nunca formará crianças malcriadas. Porque educar com emoção é educar através da alegria, e não do medo.

O maior causador da “malcriação” de uma criança está na verdade na falta de atenção, na despreocupação ou inclusive na comodidade. Em recorrer por exemplo a oferecer o nosso telefone celular a uma criança de 2 anos para que se acalme, e esteja entretida um pouco enquanto nos ocupamos de outras coisas. Oferecer atenção, carinho e amor aos nossos filhos jamais fará com que fiquem malcriados.

A criação através da inteligência emocional

Todos temos claro também que existem crianças exigentes que demonstram um alto nível de demanda. Querem atenção, reconhecimento, palavras e brincam de desafiar os nossos limites constantemente. Acreditemos ou não, o carinho continuará sendo a nossa ferramenta chave. Empregaremos um carinho inteligente.

O carinho sábio que sabe reconhecer a criança quando acerta, que impõe limites e que faz uso da orientação positiva nos seus erros, consegue educar uma pessoa mais segura de si, com menos frustração e maior autoestima.

Sabemos que educar não é fácil. Que cada criança tem um conjunto de necessidades e que os mesmos conselhos não servem nem sequer para dois irmãos.

Não formar crianças malcriadas depende de oferecer uma “atenção de qualidade e inteligente”. Por isso, é necessário levar em conta estes pontos:

Sim ao apego seguro e coerente

As crianças, em especial nos primeiros anos, necessitam de um apego com os seus pais para desenvolverem um vínculo seguro com esse primeiro contexto social que é a família.

Um apego seguro implica que sempre vamos reagir igual. Um bebê, quando chora, necessita ser atendido, uma criança quando faz uma pergunta espera ser respondida.

Se não atendemos, se não respondemos às suas perguntas, a criança tentará chamar a nossa atenção de mil maneiras possíveis. Os nossos filhos precisam de hábitos coerentes, e de um apego firme e construtivo onde se sintam seguros para descobrir o mundo. Dia após dia, irão avançando com maior independência.

Evite cair na estratégia mais fácil

Amar alguém é se preocupar com esse alguém, neste caso, os nossos filhos. E preocupar-nos e investir tempo nos nossos filhos jamais fará com que fiquem malcriados.

  • Existem pais e mães que, para poupar tempo e evitar lágrimas ou birras, preferem “a saída mais fácil”: ceder.
  • Se o meu filho chora porque não lhe dei leite no copo do seu irmão mais velho, acabo tirando o copo de um para dar ao outro. E de fato, pode ser que acabe antes e terminem as lágrimas, mas o que estarei fazendo, efetivamente, é ceder: “malcriar”.
  • Visto que os amamos, precisamos ensinar-lhes a lidar com essas emoções. Que nem sempre pode-se conseguir o que se deseja, e que a raiva, as lágrimas, nem sempre são caminhos para conseguir os nosso objetivos.
  • Nós lhes diremos que não, e pode ser que hoje chorem, também amanhã e depois. Mas seremos firmes e seguiremos educando a sua resistência à frustração até que, no final, entendam.

Não faça uso da chantagem emocional, use a inteligência emocional

“Você vai me matar de desgosto”, “Comporte-se porque senão vou parar de amá-lo”, “Se fizer isto todas as crianças vão rir de você”. Este tipo de chantagem emocional é uma péssima estratégia.

  • Lembre-se sempre de que a palavra tem poder, e as crianças entendem muito mais do que pensamos.
  • Evite a chantagem emocional ou daremos ao mundo, no futuro, hábeis chantagistas que farão os outros infelizes.
  • Toda norma se argumenta, toda obrigação ou castigo deve ser explicada para que a criança a entenda.
  • Atenda a suas emoções e tente fazer com que essa raiva, esse medo ou tristeza, se traduzam sempre em palavras.

Dedicar-lhes tempo, olhar para eles e na altura deles quando falam com você, e fazer com que cada uma de suas palavras seja a mais importante para você, jamais criará crianças malcriadas.

Dar-lhes reconhecimento e autonomia no dia a dia também não formará crianças malcriadas

Quando lhes oferecemos uma responsabilidade e lhes damos um pouco mais de liberdade, não estamos malcriando-os. Nós lhes ajudamos a crescer e assumir novos papéis, novos desafios.

  • O apego nos primeiros anos de criação oferece segurança à criança para crescer e descobrir o mundo pelas nossas mãos.
  • Dia após dia, essa mão irá se retirando pouco a pouco para guiá-los mais com a palavra, com o olhar sincero, com o abraço de quem sabe oferecer reconhecimento, amor e ânimo quando necessário.

Ajudar uma criança a crescer é dar a ela o exemplo todo dia, é oferecer tempo de qualidade e um amor sábio e pleno que não entende de chantagens, que busca educar crianças felizes para dar ao mundo adultos capazes, livres e maduros no futuro.

Imagem de capa: Shutterstock/Ondrej Schaumann

TEXTO ORIGINAL DE A MENTE E MARAVILHOSA

Compartilhar


RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS