Seja um abraço rápido ou alguns minutos de conchinha, fica próximo das pessoas queridas faz (muito) bem. Em vídeo doMashable, a gastroentorologista Roshini Raj, da Escola de Medicina da Universidade de Nova York, nos Estados Unidos, explica o motivo: a oxitocina.

Trata-se de um neurotransmissor que liberamos quando estamos próximos fisicamente de outras pessoas, durante o abraço e o sexo, por exemplo. “A oxitocina aumenta as sensações de bem-estar, confiança e compaixão, enquanto diminui sentimentos como medo e ansiedade”, afirma Raj. Segundo a médica, o neurotransmissor ainda reforça laços em relacionamentos não românticos, como o de uma mãe com o filho, por exemplo.

Para os casais, os benefícios só aumentam: uma pesquisa da Universidade Estadual de Oregon, nos Estados Unidos, mostrou que pessoas que praticam relações sexuais com os parceiros têm um desempenho melhor no trabalho. Ao acompanhar a rotina dos funcionários de uma empresa, os cientistas perceberam que aqueles que tinham sexo na noite anterior, ficavam mais bem humorados, concentrados e satisfeitos no expediente do dia seguinte.

Um outro estudo publicado no periódico Archives of Sexual Behavior mostra que casais que ficam juntinhos após o sexo são mais satisfeitos com suas vidas sexuais, bem como seu relacionamento.

Além disso, a proximidade faz bem mesmo quando não há sexo envolvido. Como aponta a dra. Raj, práticas como segurar a mão e demonstrar afeto faz com que parceiros tenham percepções melhores um do outro e maiores chances de terem um relacionamento duradouro. Fica a dica: da próxima vez, não hesite em dar aquele abraço ou passar um tempinho a mais na cama — vai fazer um bem danado para a sua saúde e o seu relacionamento.

Imagem de capa: Shutterstock/Captblack76

TEXTO ORIGINAL DE REVISTA GALILEU

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil

Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.


COMENTÁRIOS