Não gosto de ser eu mesma, o que fazer?

Por Mayara Tomie Dourado Taguti

Às vezes a situação em que nos encontramos está tão terrível que não queremos ser mais nós mesmos. Mas o que fazer quando isso acontece?

Não importa o problema que passamos, sempre vamos ouvir que ele é passageiro. E isso é uma grande verdade. Não existe problema que resista ao tempo e, claro, um pouco de força de vontade em mudar a situação.

Olhando assim parece simples, mas e quando o problema está em não gostarmos de nós mesmos? O que devemos fazer quando há uma autorrejeição grande de nossa parte?

  • Primeiramente devemos achar qual a verdadeira raiz desse problema: traumas, bullying, etc., devemos autoanalisar e muitas vezes recorrer a ajuda de especialistas para nos ajudar a chegar à origem e poder nos direcionar melhor dependendo de cada situação.

    Independente da situação e da ajuda profissional, existem três conselhos que sempre ouvi, e acredito que sirva para pessoas que por algum tempo ou razão, deixaram de gostar de si mesmas.

  • 1. “Não se compare a ninguém, sempre haverá alguém melhor que você”

    Não existe conselho mais verdadeiro que esse. Sempre haverá alguém em situação melhor ou pior que a sua. Haverá momentos em que você observará pessoas com uma situação muito melhor, mas que se sentem pior que você, ou o contrário, pessoas em uma situação que você não suportaria, aguentando tudo com otimismo e com um sorriso no rosto.

    Nós,seres humanos, somos diferentes uns dos outros. Nossas necessidades e prioridades divergem. Por isso, comparar é uma péssima maneira de avaliarmos nossas vidas.

    Devemos analisar nossa própria história, problemas e dificuldades. Somente nós conseguimos avaliar nossas dificuldades, mas também somos capazes de, ao analisar o que passamos, apreciar nossas conquistas.

  • 2. “Faça algo que realmente goste“.

    No ponto em que você se encontra, você pode não estar gostando de si mesmo, mas ainda existem coisas que você gosta de fazer.

    Ler um bom livro, escutar sua música favorita, passeios, cinema, esportes, cozinhar. Sempre tem algo que você ama muito fazer. Se consegue identificar o que é, faça isso sempre que sentimentos ruins tomarem conta de você.

    Existe também aquelas “vontades”, coisas que sempre teve vontade de fazer e nunca tentou, por que não agora? Se nada do que sempre fez lhe alegrou, pode ser que algo novo seja a chave para novos e mais animadores sentimentos nascerem dentro de você.

    Quando nos abrimos para o novo, também podemos ver a situação por novas perspectivas e, desta forma, termos novas expectativas pela frente.

  • 3. “Cuide de você

    Ao cuidar de si mesmo, esse sentimento de cuidado aos poucos vai se transformando em amor-próprio.

    Cuide de sua alimentação, comendo coisas saudáveis e também coisas que goste (sim, isso inclui guloseimas). Cuide de sua saúde praticando algum exercício físico que lhe anime e empolgue. Cuide de sua aparência para se sentir mais belo.

  • Lembre-se do que você seria capaz de fazer por um ente querido. Faça por si mesmo também!

    Cuide-se em primeiro lugar, e aos poucos cultivará um sentimento diferente por si mesmo.

    Se analisarmos esses conselhos acima, poderemos ver que todos cooperam para no sentirmos bem com nós mesmos. Ao encontrarmos nossa realidade, nossas preferências, somadas ao cuidado, o resultado é um novo e positivo sentimento sobre nós mesmos.

  • Lembre-se que somente nós somos capazes de desenvolver esse sentimento de autoestima, mesmo estando cercado de pessoas que nos amam e que nos auxiliam, ao final depende unicamente de nós mesmos cultivar esse sentimento.

    Cabe salientar que são apenas conselhos. Existem casos em que a ajuda profissional se faz necessária. Busque ajuda psicológicae de seus familiares para avaliar quais as melhores alternativas que lhe ajudem a superar este sentimento.

TEXTO ORIGINAL DE FAMÍLIA

Compartilhar
Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.



COMENTÁRIOS