Um artigo publicado na Acta Psychiatrica Scandinavica reconsidera a loucura e a morte do filósofo Friedrich Nietzsche, que comumente se pensa ter morrido de neurossífilis.

Em contraste, os autores do novo estudo sugerem que Nietzsche morreu de demência frontotemporal – um tipo de demência que afeta especificamente os lobos frontal e temporal.

Embora muitas pessoas tenham “diagnosticado” figuras históricas em retrospectiva, este estudo é diferente, na medida em que os autores revisaram notas médicas reais de Nietzsche à luz do que se sabe sobre a progressão da sífilis e demência hoje.

“Mais de 100 anos após sua morte, Friedrich Nietzsche continua a ser uma das figuras mais controversas da história da filosofia. Seus escritos contêm algumas das mais profundas declarações filosóficas do século 19, e foram excepcionalmente influentes. No entanto, elas também expressam ambiguidades e contradições, que deixam perplexos os estudiosos, ainda discutindo sobre o seu significado e intenção. Tais ambiguidades se refletem não só na vida de Nietzsche, mas também em sua doença terminal e morte.

Na sequência de um surto psicótico em 1889, com a idade de 44 anos, ele foi internado no manicômio de Basileia e em 18 de janeiro de 1889 foi transferido para o manicômio de Jena. Ele permaneceu na escuridão demente até sua morte em 25 de agosto de 1900. Na Basileia, o diagnóstico foi de paralisia geral do insano(neurossífilis). Este diagnóstico foi confirmado em Jena e ainda é amplamente aceito. No entanto, mesmo alguns dos contemporâneos de Nietzsche duvidavam disso. A falta de certeza sobre a sua infecção luética, a longa duração da doença e algumas características clínicas levam-nos a questionar o diagnóstico de paralisia geral do insano.

Neste estudo, nós reconstruímos a anamnese [história clínica] da doença de Nietzsche e revimos a apresentação clínica. Em seguida, observamos a história natural da paralisia geral do insano como foi na virada do século 19, e sugerimos um diagnóstico alternativo, ou seja, de demência frontotemporal (DFT), que tem sido caracterizada em detalhes apenas nas últimas duas décadas.”

TEXTO ORIGINAL DE PSICOATIVO

Compartilhar

RECOMENDAMOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS