Por Pamela Camocardi

Não fique onde não te cabe. Isso mesmo. Não fique! Você não compra uma roupa dois números menores, nem usa um sapato com a numeração de uma criança, não é? Então, porque aceita ficar em histórias que não lhe servem mais? Quantas vezes insistimos em fazer parte de algo que não nos cabe? Relacionamentos doentios sufocam, apertam, fazem mal. Chega uma hora na vida que é necessário encarar a realidade: o que não é recíproco, não vale a pena ter. E, isso meu caro, são em todos os tipos de relacionamentos:

Quantas vezes você engoliu seus princípios para ser aceito por pessoas que nunca te deram valor? Quantas vezes você abaixou a voz para não parecer ridículo? Quantas vezes você se diminuiu para caber em algo que julgava ser adequado à sua vida? Não se sabote: quem não é capaz de te aceitar em toda a sua essência, não vale a pena ter por perto.
Você não precisa mudar o cabelo, aprender a falar baixo ou deixar de dar essa gargalhada gostosa. Você precisa ser você! E aceite quem quiser.

Ninguém irá pagar a fatura do seu cartão de crédito, fazer suas compras, tão pouco comprar suas brigas. Então por que a opinião deles é tão importante? Não se humilhe em troca de aceitação.

As pessoas costumam desprezar o que não podem ter (ou ser). E isso é um problema delas, não seu! Aceite-se como você é. Valorize a sua formação, a sua história, a sua cultura e aprenda que as pessoas irão te tratar como você permitir.

Deixe a inveja para quem não sabe ser autêntico. São raros os que vivem o que sentem, permita-se ser diferente, esqueça os que lhe impões regras e diz como você deve se portar, seja dona e protagonista da sua vida. Não aceite menos do que você merece. Celebre a sua singularidade, sua alegria, sua generosidade. São essas coisas que fazem você tão singular. Seu coração é grande demais para ficar em lugares estreitos.
Sabe, quando nos desdobramos para caber em espaços pequenos, algumas marcas ficam em nossas almas e não saem mais. E, isso, nunca vale a pena! Para nos movermos em direção aos nossos sonhos, precisamos estar leves, sem marcas, sem bagagens. Precisamos deixar o medo de sair da zona de conforto e seguir em frente, sem receios. A sensação de valorização das próprias qualidades e de estar livre de onde não te cabia mais, faz de você uma nova pessoa.
Números menores apertam, corações pequenos não cabem grandes sentimentos e pessoas cheias de si não se preenchem do amor recíproco. Então alargue esse coração. Deixe as velhas roupas, as velhas atitudes e os velhos hábitos, há mais espaço vazio lá fora, esperando por sua coragem, do que seu medo imagina.

Imagem de capa: Shutterstock/pathdoc

TEXTO ORIGINAL DE OBVIOUS

*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil

Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.


COMENTÁRIOS