Talvez você não saiba, mas ao se sentir repreendido ou culpado por um erro, seu corpo responde de uma forma que pode ser negativa para sua saúde. O cérebro envia sinais para aumentar a produção de cortisol e outros hormônios relacionados ao estresse que vão te ajudar a combater aquele momento de pressão, mas que ao longo de estímulos constantes podem gerar doenças. A solução para esse tipo de problema pode ser mais simples do que você imagina e está dentro de você mesmo: praticar a autocompaixão.

O conceito foi sistematizado para uso na psicologia pela americana Kristin Neff (veja o quadro abaixo). A pesquisadora aplicou exercícios em pacientes e obteve bons resultados em pessoas com depressão, transtorno do estresse pós-traumático, ansiedade, e dificuldades variadas. “A autocompaixão age no sistema de cuidado dos mamíferos e acredita-se que seja capaz de aumentar a produção de oxitocina e opióides e diminuir o cortisol. Também se descobriu que ela melhora o sistema imunológico e aumenta a variação da batida cardíaca. Não estamos falando de autoindulgência, pena de si mesmo ou autoestima. É tratar-se com o carinho que um amigo trataria. Em vez de ter um inimigo interno, ter um amigo interno”, explica.

No caso da depressão, a autocompaixão reduz a “ruminação” (ficar se lembrando das coisas ruins) e o julgamento sobre si mesmo. Com essa prática, o paciente consegue olhar para sua dor e seus erros e lembrar-se que é uma pessoa boa.

“As pessoas imaginam que ser duro consigo mesmo as motiva, mas é o contrário”, afirma Kristin. A pesquisadora lembra que a autocompaixão também ajuda as pessoas a serem mais independentes emocionalmente. “Nosso instinto quando algo dá errado é a autocrítica, o isolamento e ficar absorto em si mesmo”, diz Christopher Germer, instrutor clínico na Harvard Medical School e um dos fundadores do Instituto para Meditação e Psicoterapia.

“O instinto vem da resposta à ameaça, mas temos outra resposta que desenvolvemos como mamíferos ao longo do tempo, a de cuidado. O que estamos fazendo é ativar uma fisiologia diferente, mas isso requer prática, não é nosso instinto.” Ele estudou principalmente os efeitos da autocompaixão sobre a vergonha. “Se uma pessoa não lidar com a vergonha, é muito difícil parar de beber, por exemplo”, disse em referência às pessoas que bebem para se sentirem desinibidas.

Efeitos na motivação

Uma pesquisa feita com crianças mostrou que o grupo que tinha mais autocompaixão rendia em média 25% a mais nos estudos após um resultado ruim. Quando uma criança vai mal em uma prova, ela pode encarar o fato através da vergonha e da autocrítica, ao se sentir um idiota ou estúpido por não ter conseguido. Ela pode ainda projetar o problema para o professor ou para o assunto. A saída da autocompaixão, que ajuda as crianças a estudar mais, passa por outro caminho. A pessoa toma consciência que não se sente bem com a falha. Reconhece que matemática é um pouco difícil para ela, mas que está tentando conseguir aprender. Segundo a psicóloga, as pessoas que pensam através da autocompaixão se permitem errar, desligar a cabeça e começar de novo. Elas focam no que têm em comum com os outros, sabem que somos humanos e todos erramos, então não precisamos ser melhores que ninguém para nos sentirmos bem.

Aprenda a ter autocompaixão

A psicóloga criou um exercício para ajudar a desenvolver a autocompaixão. Pense em imperfeições e defeitos que te façam sentir inadequado. Sinta as emoções como elas são – nem mais nem menos – e escreva sobre elas. Depois, escreva uma carta para si mesmo como se tivesse sido feita por um amigo imaginário. Esse “amigo” vai ver os pontos fortes e fracos e reconhecer os limites da natureza humana. Ele é gentil com você e te perdoa. Em sua sabedoria, ele entende sua história de vida e o que te levou a ser como é neste momento. Depois de escrever a carta, guarde por um tempo e sempre releia.

TEXTO ORIGINAL DE UOL

Compartilhar


RECOMENDAMOS


Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.

COMENTÁRIOS