[Foto de capa de Christopher Lemercier em unsplash.com]

Vivemos tempos difíceis. Apesar do aumento no tempo livre relatado desde o início da pandemia, muitos estamos nos sentindo cansados. Um relatório da Time mostrou que umas das buscas mais comuns no Google no ano 2020 foi “por que estou tão cansado?”
No entanto, enquanto muitos pensamos que a falta de sono é a causa desse cansaço, a fadiga vem de muitas formas. O novo e inovador livro da Dra. Saundra Dalton-Smith identifica sete áreas da vida moderna que causam exaustão, e como podemos combatê-las. A seguir, conheça sete dicas importantes que devemos adotar no dia a dia.

Mentais – Atividades de baixo rendimento

Uma pessoa média só está acordada por 66% do dia, e nesse tempo dedicamos muitos recursos intelectuais a tarefas que nos trazem poucos benefícios. Verificar os e-mails é o equivalente do século XXI a ir até a porta da frente para procurar correios que ainda não chegaram: um exercício infrutífero que gasta energia.

O truque é verificar sua caixa de entrada diariamente apenas em horários. Não se preocupe, você não vai perder nada importante – mesmo os e-mails urgentes podem normalmente esperar algumas horas – e você pode dedicar esse tempo precioso a outra atividade.

As notificações também nos fazem perder tempo: talvez seja um lembrete para desejar a alguém um feliz aniversário no Facebook, ou verificar se você tem os números vencedores da loteria. De qualquer forma, se você realmente quiser realizar pequenas tarefas, faça uma lista e dedique meia hora do seu dia a elas.

Física – má postura

Lembremos que, só temos um corpo, mas a maioria de nós esquece de tratá-lo como o instrumento especial que é. Trabalhar no escritório e em casa significa que passamos muitas vezes horas sentados de maneiras não naturais, semicerrando os olhos frente da tela do computador e mantendo uma má postura.

A Dra. Dalton-Smith aconselha exercícios de “fluidez corporal” para nós ajudar, e eles não precisam de muito tempo, nem de aparelhos, pode simplesmente deitar-se em um tapete por cinco minutos para endireitar as costas, ou fazer alongamentos, principalmente antes e após dormir, entre outros; eles são vitais se quisermos melhorar nossa postura.

Uma melhor postura faz o corpo se sentir melhor, e nos dá mais energia, reduzindo a fadiga no processo. Apenas alguns minutos de exercícios simples a cada dia poderiam fazer uma enorme diferença.

Sensorial – não encontrar um espaço tranquilo

Vivemos em um mundo altamente estimulado, cheio de sons digitais e ruído branco que nosso corpo simplesmente não evoluiu para resistir um ‘bombardeio’ constante.
Os nossos corpos sofrem desses ‘déficits de descanso sensorial’ quando não encontramos um lugar tranquilo longe do caos da vida cotidiana. Você pode não perceber, mas o zumbido do ruído de fundo o irrita e aumenta a sobrecarga sensorial e, portanto, a exaustão.
A guia recomenda que você crie um espaço que seja o mais silencioso possível ou, pelo menos, que tenha uma lista de reprodução relaxante como plano b. Acenda velas, leia, medite, faça o que for preciso para dar a seus sentidos humanos o tão necessário descanso.

Emocional – passar tempo com pessoas nos ‘sugam’

A exaustão emocional é talvez a área mais difícil de ser identificada. Podemos saber quando as nossas pernas doem, ou se nossa mente está um pouco enevoada, mas como sabemos quando estamos emocionalmente zerados?
O questionário de descanso da Dra. Dalton-Smith oferece alguma ajuda para lidar com este problema, e seus conselhos envolvem evitar pessoas que nos “consomem”: ou seja, aquelas que sugam nossa energia em vez de aumentá-la.
Isto pode ser difícil de fazer, principalmente se um ‘sugador for um amigo próximo, mas a chave é administrar seu tempo com eles. Tente passar um curto tempo em vez de passar o dia inteiro com eles, ou apenas vê-los quando se sente no seu melhor.
A exaustão emocional é a única área que tendemos a negligenciar, por isso é importante que prestemos atenção a ela.

Social – não passar tempo suficiente com amigos que nos confortam

Semelhante ao ponto anterior, não passar tempo suficiente com pessoas que nos energizam é outro fator que causa fadiga. Segundo a Dra., o descanso social não significa ficar dentro, mas reabastecer suas reservas de energia, andando com alguém que lhe encha de positividade.
Isto pode ser ir a um restaurante ou café favorito e apenas dar uma risada com seu amigo – o importante, de acordo com ela, é que você simplesmente relaxe e esqueça suas preocupações.

Espiritual – ficar longe do trabalho espiritual

Quando Dalton-Smith fala de trabalho espiritual, ela não se refere a deveres religiosos, nem a nada relacionado a eles. Em vez disso, ela acredita que muitos de nós ficamos longe de atividades que ajudam a comunidade, como o trabalho voluntário.

Quando participamos em atividades voluntárias, não só ajudamos os necessitados, mas também ajudamos a nós mesmos. Ajudar em uma instituição de caridade, ou ONG, por exemplo, nos dá a sensação de sermos queridos, de pertencer a uma comunidade, e assim vamos energizando nosso bem-estar.

Criativo – ficar longe da inspiração

Nossas mentes estão constantemente lidando com as tarefas do dia a dia, desde dirigir ao trabalho até escolher o que comer no jantar – no entanto, isso sobrecarrega o espaço em nossas mentes e precisamos dar espaço a algo criativo.
Cada um é criativo à sua maneira, e estudos descobriram que o sentimento inspirado é um grande impulsionador de energia. Podemos maximizar nosso lado criativo permitindo-nos fazer algo vivente todos os dias – estas atividades podem incluir uma visita a um museu ou apenas uma caminhada quando você tiver meia hora de sobra.
Uma mudança é tão boa quanto um descanso e pode ser o que você precisa para ativar o seu lado criativo.

Investir algumas horas por mês nessas atividades podem ser suficientes para fazer mudanças significativas. Embora possa não parecer descanso no sentido clássico, pode nos proporcionar as mesmas propriedades de aumento de energia que o sono.

RECOMENDAMOS






Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.