Por Isabel Rubio para o El País

As meninas sentem-se menos capazes do que as crianças quando se trata de atingir objectivos que exigem competências científicas, de acordo com o último relatório do PISA de 2015.

Estudantes com pouca confiança em si mesmos correm o risco de obter resultados piores na ciência, apesar de suas habilidades, de acordo com o psicólogo Albert Bandura. Essa tendência se reflete no relatório do PISA, uma vez que na em países como a Espanha, os meninos, além de terem mais confiança em si mesmos, alcançam melhores resultados do que as meninas nessa área.

A autoeficácia na ciência tem sido relatada por especialistas não apenas como desempenho dos alunos, mas também a sua orientação profissional e escolha de cursos. “As meninas em geral têm menor autoeficácia na ciência, praticam menos actividades científicas nos seus tempos livres e vêem-se quando são mais velhas a trabalhar em áreas tecnológicas inferiores aos rapazes”, explica Montserrat Grañeras, que trabalha em unidades de promoção à Igualdade na Espanha.

Grañeras enfatiza que a falta de interesse das meninas “não é tanto em ciência em geral, é mais áreas de desenvolvimento de tecnologia”. Prova disso é que no país, 19,8% das meninas esperam trabalhar em ciências da saúde, contra 6,9% em meninos.

Segundo os especialistas, as diferenças no interesse em determinado tópico podem ser derivadas das diferenças nas oportunidades de acesso à atividade. Também influencia o apoio recebido para que essa atração inicial se torne uma motivação mais estável.

Como mudar estereótipos

A falta de vocação das mulheres nas carreiras científicas deve-se, em parte, segundo Grañeras, à falta de modelos. Na Espanha existem vários projetos para aumentar a auto-estima e a ambição profissional das meninas. Por exemplo, a iniciativa 11 de fevereiro visa promover a organização de atividades e materiais que comemoram o Dia Internacional da Mulher e a menina na Ciência na Espanha.

O Ministério também está tomando medidas: “O esboço preliminar da lei em que está trabalhando inclui novos aspectos que nunca haviam sido incluídos em uma Lei Orgânica da Educação, como a inclusão de uma perspectiva de gênero na orientação acadêmica profissional”.

Para mudar a situação, diz ele, é essencial “desmantelar os estereótipos nas escolas para levar as meninas ao mundo tecnológico e contar a realidade”. O MPEF e o Conselho de Educação do Governo Basco organizaram um encontro com moças e jovens subordinado ao tema “As meninas no estatuto da ciência. Despertar vocações científicas em mulheres jovens “.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.