Muitos concebem a internet das pessoas (IoP, siglas em inglês de Internet of Persons) como um capítulo ou cena de uma série de ficção, ou um fragmento de um filme de Hollywood. A verdade é que a internet das pessoas começa a tornar-se uma realidade e, nos próximos anos, estaremos todos conectados de uma forma diferente daquela que estamos habituados.

Internet das Coisas

O grande salto da Internet das Coisas (IoT, siglas em inglês de Internet of Things) para a Internet das pessoas está cada vez mais próximo, os avanços tecnológicos em matéria de artefatos e equipamentos contribuem para resolver problemas de mobilidade, para facilitar os ofícios domésticos, aumentar a produção agrícola e pecuária através de máquinas e equipamentos com ampla capacidade de conexão inteligente, via Wi-Fi ou através de redes, de forma segura, rápida e eficiente.

Mas, além de conectar o universo de coisas, procura-se conectar as pessoas de maneira diferente. Os analistas informam que 70% da população habitará em localidades urbanas para o ano 2050, o uso da energia aumentará em 30% em 2035 e a idade média aumentará 4 anos mais que atualmente, ou seja será de 33,2 anos.

Com a internet das coisas se esperam novas formas de propriedade, mobilidade e usos diferentes dos veículos autônomos com sistema de geoposicionamento, capacidade de recarga de energia, comunicação com outros automóveis e serviços de chamadas para a prevenção de acidentes ou alerta de obstáculos rodoviários.

Os eletrodomésticos como fornos microondas, máquinas de lavar, aspiradores, máquinas de café, entre outros, estão conectados à Internet através de aplicações, os utilizadores podem entrar e obter informações sobre os procedimentos para a utilização, limpeza e manutenção, dados técnicos do aparelho, e muito mais.

Os consumidores podem programar os equipamentos através da rede para ligar e desligar automaticamente, ou configurá-los para a poupança de energia. Muitos aparelhos domésticos podem ser conectados a relógios inteligentes a partir dos quais os equipamentos são monitorados em qualquer lugar.

Mesmo a inteligência artificial é bastante útil para a fabricação de artefatos que melhoram os índices de produtividade, segurança e qualidade dos produtos e serviços, depois de incorporar um sistema especializado para estes fins.

A esta onda de progresso ao redor da IA, é preciso adicionar os robôs autônomos, com software desenvolvido para atribuir tarefas, desde a nuvem ou o celular, e operar com tecnologia móvel em diversos âmbitos.

Do IoT ao IoP

A Internet das pessoas refere-se à digitalização das relações humanas, reduzindo ou prescindindo da proximidade física entre as pessoas. Inclui armazenamento e sistematização de dados para posterior aplicação.

Seu objetivo baseia-se na conformação de uma rede massiva com inteligência artificial, para estabelecer comunicação, trocar informações sobre a identidade pessoal e interagir de forma enlaçada através de aparelhos digitais e a Internet.

Num futuro próximo, veremos não só coisas ou objetos conectados à rede, mas também pessoas conectadas de forma mais interativa. Para demonstrar a diferença na forma como nos conectamos atualmente e como o faremos nos próximos anos, Eugene Che, executivo de Kaspersky, se implantou um circuito integrado na mão.

Este tipo de tecnologia permite abrir e fechar portas automaticamente, entrar no celular ou no computador diretamente, e sem ter que inserir senhas. Um dispositivo com software inserido no corpo fornece informações, sem ter que apresentar um suporte físico de identificação ou cartões bancários.

O usuário pode pagar uma passagem de trem, um ticket de consumo, sem usar material plástico ou papel. O artefato tecnológico estaria desenhado para armazenar informação de todo tipo analisá-la e processá-la.

Os cientistas garantem que esta tecnologia poderia ser bastante vantajosa para medir e monitorar os sinais vitais para uma atenção melhorada e mais personalizada, tanto ao indivíduo como uma população.

Estes avanços podem servir como ferramentas para elaborar um plano de saúde integral que permita mudanças no comportamento, intervenção oportuna segundo os fatores de risco individuais ou com o propósito de combater enfermidades.

***
Imagem de capa: Photo by Bonnie Kittle on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.