Imagine que um velho careca aparece e, enquanto fuma cachimbo, diz: “os celulares ajudam a conectar as pessoas que estão longe, mas permitem que aqueles que estão próximos se distanciem ”. Esta é uma frase de Zygmunt Bauman, recentemente falecido, que cunhou o termo amor líquido, entre outras dimensões líquidas que freqüentemente definem nossa realidade.

A seguir, propomos um breve caminho sobre o conceito de amor líquido de Zygmunt Bauman . Vamos tentar acima de tudo entender se esse conceito realmente caracteriza o amor no século em que vivemos.

Quem foi Zygmunt Bauman?

Antes de prosseguir, é bom saber quem era Bauman. Este bom velhote à primeira vista era na verdade um importante filósofo e psicólogo polonês. Infelizmente, ele morreu há alguns meses atrás.

No entanto, a posteridade se beneficiará de seu enorme trabalho de pesquisa sobre questões atuais, como classes sociais ou pós-modernismo. Após a década de 1950, sob a influência e o eco de fatos tão importantes quanto o holocausto nazista ou a ascensão do socialismo, Bauman se concentrou em tópicos mais atuais relacionados ao final do século XX e início do século XXI.

Durante os últimos anos, o trabalho de Bauman enfocou o pós-modernismo, a globalização, o consumismo e a nova pobreza. Daqui surgiu o conceito de modernidade líquida que nos remete ao tema que discutiremos hoje: o amor líquido.

Amor líquido no mundo moderno

Bauman cunhou o termo “líquido” com um significado diferente, para explicar sua visão das sociedades no mundo moderno. Para o sociólogo, a fragilidade do vínculo é a realidade de nossos relacionamentos. Líquido, devido à maleabilidade da forma e a facilidade de divisão dos elementos em estado líquido.

Infelizmente, a mente afiada do filósofo valorizava a sociedade atual como um mundo ocasional. A maioria das pessoas que fazem parte dela busca satisfação momentânea: algo pontual que nos faz feliz por alguns minutos. Um momento antes é desejado e imediatamente depois de esquecido.

Segundo Bauman, isso se deve ao fato de que um dos elementos do amor relacional, o amor-próprio, também é líquido. Como podemos amar alguém antes de não termos aprendido a nos amar? O que podemos oferecer aos outros se não temos nada importante para oferecer? O que podemos fazer com os outros quando eles nos oferecem algo importante? Nossa falta de auto-estima nos leva a nos engajar em relacionamentos que se dissolvem em questão de segundos.

Por isso, graças à poética singular de Bauman, o termo amor líquido, e tudo o que se reflete em nossa realidade atual, nos escapa de nossas mãos, porque não somos capazes de solidificá-lo e apreendê-lo com a força necessária, exatamente como acontece com o ‘amor próprio. Vivemos no mundo efêmero do momento como colecionadores de eventos líquidos. Todos os dias é cada vez mais difícil para nós criar uma realidade sólida formada por amor-próprio e relacionamentos reais que duram ao longo do tempo com a consistência necessária.

Por esta razão, graças à poética singular de Bauman, o termo amor líquido e tudo o que é refletido em nossa realidade atual, nós saímos do controle, porque não podemos solidificá-lo ou compreendê-lo com a força necessária, exatamente como acontece com o ‘amor próprio. Vivemos no mundo efêmero do momento como colecionadores de eventos líquidos. A cada dia achamos cada vez mais difícil criar uma realidade sólida formada por amor próprio e relacionamentos reais que durarão ao longo do tempo com a consistência necessária.

A necessidade de amor próprio para estabelecer relacionamentos verdadeiros

Para Bauman, os seres humanos modernos precisam de compromissos fortes. E o primeiro deve ser com você mesmo. Sem autorrespeito, sem responsabilidade pessoal, sem a capacidade de transcender, raramente estaremos dispostos a ter relacionamentos sólidos.

Bauman disse que hoje em dia, em vez de relacionamentos, estabelecemos conexões. Exatamente como dissemos no começo deste artigo com a frase sobre telefones, a tecnologia que nos permite manter contato. No entanto, não o usamos para nos aprofundar, mas para nos conectar.

Curiosamente, nesse sentido, podemos observar o paradoxo de que quanto menos transcendentes somos pessoalmente, mais individualistas nos tornamos. Além disso, é nesse contexto que geralmente sentimos a necessidade oportuna de sermos temporariamente satisfeitos. Eventos fugazes com um começo e um fim, que vão do real ao virtual.

Como dar ao amor líquido um gostinho da realidade

O amor líquido atual é mais real a cada dia. As relações que são estabelecidas são desprovidas de substância e carecem de conteúdo e compromisso. Contudo, não podemos nos deixar levar pelo desespero e pela temporalidade.

Felizmente, existe uma arma poderosa com a qual lutar contra a inconsistência do amor líquido. Chama-se educação, mas para usá-la e obter bons resultados, você precisa começar desde a infância.

É preciso formar crianças seguras, de alta autoestima, conscientes de si e da necessidade de estabelecer relações reais e duradouras. Crianças livres, capazes de pensar e confiantes em todos os projetos que podem empreender.

“Amar significa abrir a porta para esse destino, para o mais sublime das condições humanas em que o medo se funde com o prazer em uma liga indissolúvel, cujos elementos não podem ser separados”
-Zygmunt Bauman-

Caso contrário, nossos filhos, como muitos de nós, sentirão o amor líquido da realidade líquida desse mundo líquido. Ou pelo menos é o que Zygmunt Bauman acreditava. O que você acha?

Traduzido do original exploringyourmind. Via Pensar Contemporâneo

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.