Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 9,8% dos brasileiros apresentam sintomas da ansiedade, distúrbio que, diferente daquela empolgação equivalente a “borboletas no estômago”, dificulta o dia a dia de quem o tem e gera uma série de crises mentais e físicas.

Uma pesquisa realizada pelo Departamento de Psicologia da Universidade de Waterloo, no Canadá, afirma que a ansiedade também pode afetar a forma como pessoas ansiosas lembram de determinados episódios ou tarefas.

No estudo publicado no periódico Journal Brain Sciences, os cientistas relatam um experimento realizado com 80 estudantes (64 mulheres e 16 homens) da graduação da universidade. Antes de participar, todos os envolvidos responderam questões da Escala de Depressão, Ansiedade e Estresse, que mede como cada pessoas é afetada por esses fatores.

Os participantes então foram divididos em dois grupos: o primeiro foi instruído a decodificar uma mensagem complicada, enquanto o segundo teve que fazer o mesmo com uma bem mais fácil.

Os estudantes classificados com maior índice de ansiedade se mostraram mais sensíveis e permitiram que as influências emocionais do contexto moldassem a forma como se lembraram do experimento. “Ao pensar sobre eventos em que passaram por muitas emoções ou sobre eventos negativos, os participantes ficaram em uma mentalidade negativa, mudando a forma como lembraram de cada experiência”, explica o psicólogo Christopher Lee, que participou da pesquisa, em anúncio.

“É importante que as pessoas no geral estejam conscientes da mentalidade com a qual encaram o mundo e como isso pode mudar suas perspectivas”, completa Lee. “As pessoas com ansiedade têm que ser mais cuidadosas. Até certo ponto, a ansiedade pode beneficiar sua memória mas, por meio de outras pesquisas, sabemos que altos níveis de ansiedade podem fazer a pessoa chegar no limite, o que impacta suas memórias e performance”, afirma a professora Myra Fernandes, que conduziu o estudo.

A pesquisadora ressalta ainda que é importante que professores estejam atentos a fatores individuais que podem influenciar o estímulo da memória e focar em experiências mais positivas para o bem-estar dos alunos.

TEXTO ORIGINAL DE REVISTA GALILEU

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.