Dizem da apatia que é como uma maldição, que quando te pega não solta e então, apaga a vida, extingue o desejo e até os sentimentos. É um estado mental em que a desmotivação colapsa a mente, onde as ilusões desaparecem e até o corpo dói. Falta-nos a energia e o desejo, somos como prisioneiros de uma absoluta estupidez física e mental.

A maioria de nós já experimentou esse estado de espírito mais de uma vez. Agora, é realmente um estado de espírito? Ou é um sentimento? Talvez seja uma atitude em relação à vida? Deve-se dizer que a apatia é uma dimensão realmente moldada por várias áreas, devido ao seu impacto, e sabemos que em sua própria pele, atinge quase qualquer fragmento do nosso ser. É desmotivação, cansaço, decepção, tristeza…

Este caleidoscópio de processos psíquicos, emocionais e físicos é frequentemente experimentado como uma das situações mais desagradáveis ​​que podemos experimentar na vida. É como alguém que deixa a sua vida em “pausa” e está suspenso numa estranha dimensão onde falta iniciativa e até esperança. Ninguém deve ser pego nesta situação mais do que o necessário, portanto, conhecer as causas e administrar a apatia pode ser de grande ajuda.

O que é apatia?

Apatia significa literalmente “falta de sentimento”. Pode parecer um pouco exagerado, no entanto, apenas lembrar da última vez que a apatia nos abraçou da cabeça aos pés para entender que até nós mesmos fomos surpreendidos pelo estilo de pensamento que cercava nossa mente. «Nada atrai o meu interesse, tudo não importa para mim, aconteça o que acontecer, nada importa …».

Essa letargia insuportável é uma condição que tem um grande impacto no nível cognitivo. Isso distorce nosso foco, não conseguimos focar a atenção e até mesmo reter dados e informações. No entanto, onde a sombra da apatia pesa mais está no nível emocional e afetivo. Tanto é assim que muitas vezes, algumas pessoas se perguntam se o que elas estão sofrendo talvez seja uma depressão.

Apatia e depressão

O conceito de apatia também está relacionado à indiferença ou anedonia, o que implica uma diminuição ou incapacidade de sentir prazer e prazer. De acordo com o DSM-V, eles correspondem a sintomas motivacionais e comportamentais dentro dos sintomas depressivos. Se a apatia é temporária, não deve ser um problema, mas se a sua duração durar além de algumas semanas, poderíamos começar a falar sobre algum tipo de transtorno de humor.

Mas a apatia é o mesmo que a depressão? Não em todos os casos. Nós podemos ter pessoas diagnosticadas com um transtorno depressivo onde a apatia não aparece e vice-versa. Ou seja, a apatia por si só não é um indicador direto da depressão. Mesmo assim, é importante ter em mente o tempo em que sofremos apatia.

Portanto, sempre que percebemos a presença desse companheiro desconfortável, é necessário que a convidemos a sair o mais rápido possível. Para conseguir isso, nunca é demais saber a sua origem, porque às vezes aparece em nossas vidas.

Qual é a origem da apatia?

Não há uma fonte única de apatia. Sua aparência pode ser devido a vários fatores que certamente devemos considerar. São os seguintes.

Origem orgânica

.Anemia
.Certas infecções
.Sistema imunológico fraco e baixas defesas.
.Estados deficientes devido a má nutrição.
.Falta de sono.
.Falta de exercício
.Problemas na tireóide.
.Possível começo de uma demência. De fato, deve-se ter em mente que a apatia é um dos sintomas neuropsiquiátricos mais comuns no diagnóstico da doença de Alzheimer.
.Além disso, a presença de lesões cerebrais devido a acidentes traumáticos também pode ser a causa desse estado de humor deteriorado.
.Problemas no funcionamento do nosso sistema límbico ou a conexão do córtex frontal com os gânglios da base.
.Consumo de drogas.

Problemas psicológicos

.Transtorno bipolar.
.Depressão maior
.Disritmia
.Tempos de intensa ansiedade.

Problemas ambientais

Às vezes, estamos sujeitos a certos ambientes onde não encontramos nenhum estímulo positivo. Ao nosso redor há apenas estímulos aversivos, estressantes ou até desinteressantes. Viver em ambientes com esse tipo de narrativa vazia e insípida nos leva a um pensamento depressivo e a um estado de apatia acentuada.

Viver ou trabalhar em cenários onde nada nos atrai, onde nos sentimos aprisionados pela rotina ou pelo estresse, muitas vezes leva a um estado de frustração e constante apatia.

Como lidar com a apatia?

Uma vez que descartamos que não sofremos nenhum problema orgânico, é hora de colocar em prática alguns exercícios, estratégias e abordagens para desinfetar a apatia do nosso corpo e da nossa mente. Agora, há um fato que não podemos negligenciar: nenhum conselho nos ajudará se não mudarmos primeiro nosso modo de pensar.

Independentemente do que desencadeou esse estado de letargia e desmotivação, devemos entender que o que nos mantém presos é nossa abordagem, nossa perspectiva. Portanto, será mais útil “consertar” em primeiro lugar o que está em nossa mente do que o que está fora dele e que, em geral, está além do nosso controle.

= A terapia psicológica focada, por exemplo, na reestruturação cognitiva pode nos ajudar. Neste tipo de terapias encontramos o cognitivo-comportamental que dá bons resultados.

= Além disso, algo tão básico como quebrar nossas rotinas, iniciar novas atividades, mudar ambientes, pessoas e encontrar interesses diferentes é uma das estratégias mais eficazes.

= O exercício físico, uma dieta equilibrada, o contato com a natureza ou a prática de disciplinas como yoga ou mindfulness são, sem dúvida, respostas muito precisas.

Para concluir, uma maneira de banir a apatia de nossa mente e de nosso coração é nos comprometermos com a vida de uma maneira mais criativa. Assim, exercícios baseados no autoconhecimento e na conquista de objetivos e novos objetivos mais motivadores, serão como janelas diante de nosso horizonte, aquelas às quais espiamos de vez em quando para soltar o vento viciado de apatia e letargia.

Via La Mente es Maravillosa

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.