A tristeza é uma emoção da qual tendemos a fugir, embora não possamos, porque ao longo da vida temos que lidar com muitas situações que geram uma profunda tristeza. Na verdade, a tristeza é uma emoção, uma reação normal aos eventos que nos afetam. Estar triste não significa estar deprimido, embora as pessoas usem ambos os termos de forma intercambiável. No entanto, uma profunda tristeza mantida ao longo do tempo pode dar lugar a um quadro depressivo.

De fato, embora a depressão geralmente tenha um condicionamento genético, situações como a perda de uma pessoa amada ou um grande fracasso podem gerar uma enorme tristeza que pode levar à depressão. Isso significa que, em maior ou menor grau, somos todos suscetíveis a cair nas garras da depressão, por isso é importante conhecer as diferenças entre tristeza e depressão.

Quais são as diferenças entre tristeza e depressão?

1. Tristeza é uma emoção, depressão, um distúrbio

A tristeza é uma emoção e, como tal, tem um valor adaptativo. Psicólogos da Universidade de Indiana descobriram que a tristeza provoca um maior grau de ativação fisiológica, o que nos ajuda a lidar com a perda. Na verdade, se pensarmos bem, temos mais motivos para agir quando estamos tristes do que quando nos sentimos felizes e satisfeitos.

Por outro lado, a depressão é um distúrbio psicológico, enquanto a tristeza é apenas um dos seus sintomas. Um quadro depressivo é acompanhado por sentimentos de angústia, inutilidade, desesperança e profunda apatia. A pessoa também sente-se frequentemente culpada, tem dificuldade em tomar decisões e tem dificuldade em se concentrar. Em muitos casos, idéias suicidas também aparecem.

2. A tristeza é transitória, a depressão é duradoura

Uma das principais diferenças entre tristeza e depressão refere-se à sua duração ao longo do tempo. Pesquisas de psicólogos da Universidade de Leuven, na Bélgica, mostraram que a tristeza é a emoção mais duradoura, demora 240 vezes mais para desaparecer do que o restante. Mesmo assim, a tristeza continua sendo uma emoção “passageira”, porque geralmente não dura mais do que alguns dias ou, no máximo, algumas semanas.

No entanto, a depressão é uma condição crônica que é diagnosticada após a pessoa ter pelo menos seis meses sofrendo dos sintomas. Em alguns casos, os períodos de melhoria são experimentados, mas geralmente não são muito longos.

3. Depressão nunca vem sozinha, é acompanhada de apatia e anedonia

Quando nos sentimos tristes, é normal que não tenhamos vontade de comemorar e possamos até sentir fadiga e falta de energia. Mesmo assim, somos capazes de continuar com a nossa rotina e podemos até desfrutar de pequenos prazeres diários que nos tiram do nosso humor sombrio por um tempo.

Na depressão, a pessoa sofre de apatia e anedonia, um estado de apatia, indiferença e pessimismo que dura semanas ou até meses. A pessoa sente que a menor tarefa diária, como fazer compras, escovar os dentes ou mesmo comer, é uma missão titânica sem significado. A pessoa deprimida perde a iniciativa e não encontra nada que o motive ou o faça ter satisfação.

O que acontece quando a tristeza não desaparece?

Ao longo da vida passamos por diferentes situações que geram tristeza e conseguimos sair delas. De fato, muitas dessas situações servem para nos fortalecer e nos permitem enriquecer nosso arsenal de ferramentas psicológicas para a vida.

No entanto, quando a tristeza aumenta e você acha que ela não melhora, mas que toda vez que você se sentir pior, é aconselhável pedir ajuda psicológica. A tristeza prolongada pode levar à depressão. Se você não consegue encontrar a alegria de viver novamente, ao isolar-se dos outros e absorver seus pensamentos negativos, pode correr o risco de desenvolver um quadro depressivo.

Não é necessário esperar até que a depressão se sinta em casa, um psicólogo pode ajudá-lo a superá-la e retomar sua vida diária. De fato, você deve ter em mente que quanto mais você esperar para procurar tratamento, mais provável é que outras condições associadas apareçam que piora=em o prognóstico.

Um estudo realizado na Universidade de San Diego revelou alguns sinais que poderiam avisá-lo que a depressão está em curso. Segundo esses pesquisadores, 74% das pessoas diagnosticadas com depressão começaram a ter problemas em adormecer nos estágios iniciais do distúrbio, 38% também tinham problemas de memória e dificuldades de concentração e 50% indicaram que se sentiam fatigados há muito tempo atrás.

O tratamento da depressão

Existem diferentes abordagens psicoterapêuticas para a depressão, uma das abordagens mais sólidas é conhecida como Terapias Comportamentais de Terceira Geração. Ao contrário das terapias da primeira e segunda onda, este conjunto de métodos e técnicas centra-se em pensamentos, sentimentos e emoções de modo que em vez de alterar o conteúdo de Pensamentos, um processo bastante difícil e não sem frustração para a pessoa, concentra-se em mudar a percepção e a relação com estes, para que deixem de ser um problema.

Em contraste com outras abordagens psicoterapêuticas, essas terapias concentram-se em melhorar uma série de habilidades que a pessoa pode aplicar em diferentes situações, uma vez que não se trata apenas de eliminar os sintomas, mas de melhorar o bem-estar e o desenvolvimento pessoal.

Dentro dessa abordagem estão técnicas como a meditação da atenção plena e o EMDR, que se mostraram eficazes no alívio dos sintomas da depressão e na redução da carga emocional de eventos traumáticos. De fato, um estudo realizado na Universidade de Oxford provou que a meditação da atenção plena é tão eficaz no tratamento da depressão e na prevenção de recaídas quanto os antidepressivos, a depender do caso em questão.

Texto traduzido de Rincon Psicología

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.