As coisas mais bonitas não são vistas nem tocadas, elas são apenas sentidas. Um toque, um abraço, a magia de um olhar ou um “Como você está hoje” configuram a fórmula real para a felicidade. Essas atitudes, quando juntas, semeiam nossa alma com flores.

A felicidade autêntica, portanto, é invisível, não pode ser tocada, não pode ser vista, mas pode ser sentida, porque é energia que emana de nossas próprias ligações positivas com aquilo que é significativo para nós. As coisas mais belas estão lá, ao nosso redor, mas elas não esperam ser possuídas ou manipuladas, mas respeitadas como elas merecem: como algo sagrado.

Como o amor não é subjugado nem dominado, o amor deve ser criado e renovado a cada dia, assim como a amizade mais sincera e enriquecedora, ou o afeto por uma criança ou a cumplicidade para nossos animais de estimação. O que oferecemos e o que recebemos não pode ser tocado, é o sopro de nossas emoções. Propomos refletir sobre isso.

As coisas mais bonitas que nem sempre vemos

As coisas mais belas, às vezes, sempre estiveram ao nosso redor. No entanto, não podemos vê-los, porque durante grande parte do dia, tomou um filtro volumoso no cérebro ativadas por rotinas, operadores, pensamentos ruminantes, mecânica e de que pouco de intuição que parece ter completamente desconectado do nossas emoções.

Rick Hanson é um neuropsicólogo da Universidade de San Francisco, famoso por livros como The Connection of Happiness ou The Brain of the Buddha. Neles, revela algo importante que devemos levar em conta. Nosso cérebro não sabe ser feliz, mas é guiado pelas recompensas.

Desde o nascimento e durante a infância, somos caçadores de recompensas maravilhosas, mas são aspectos tão essenciais como pura e atômica naquele dia, a idade adulta chegada, nós esquecemos que o prazer inato para eles.

Procurando por recompensas

Somente as crianças sabem aproveitar este presente, o aqui e agora. Eles só têm que sonhar para se sentir gratificado. Um passeio, um jogo, uma descoberta, um abraço ou um “Estou orgulhoso de você” servem a mente de uma criança como o melhor presente. Ofertas invisíveis que nutrem seus corações e que apreciam.

À medida que crescemos, nossa busca por recompensas se torna mais complexa: só serei feliz quando tiver um bom emprego, um casal ou quando os outros reconhecerem tudo que valho … Nossa mente perde sua inocência, e é assim que os abismos chegam, as inseguranças, as frustrações …

O neuropsicólogo Rick Hanson enfatiza a necessidade de “conectar-se” à nossa felicidade. Algo assim só é conseguido reprogramando nosso cérebro aproveitando sua plasticidade neuronal.

Temos que mudar pensamentos, comportamentos, devemos promover novas emoções para moldar nossa realidade. Porque as coisas mais bonitas ainda estão lá, invisíveis e intangíveis… Você tem que saber como senti-las.

Abra seus olhos para dentro para ver as coisas invisíveis

Para nos entendermos um pouco melhor como espécie, é sempre interessante mergulhar no campo da neuropsicologia. Nossos cérebros evoluíram com base em experiências negativas, e eles fizeram isso porque só assim é um aprendizado adequado obtido para sobreviver, porque nossos ancestrais tiveram que enfrentar situações muito difíceis.

Isso, sem dúvida, nos faz entender uma coisa básica: estamos programados para nos concentrar nos aspectos mais negativos da nossa vida. No entanto, é hora de dar o passo e ir além.

Se fomos capazes de sobreviver à adversidade como espécie, é hora de avançarmos e obtermos o aprendizado da felicidade. Porque o próximo elo evolucionário não é outro senão o da consciência.

Então, vamos desenvolver uma consciência mais intuitiva em termos de emoções, reciprocidade, respeito e empatia. Aprendamos a estar conscientes das coisas mais belas que nos cercam para crescer com eles, para atendê-los, para propiciá-los. Devemos nos permitir ser mais felizes, uma vez que já aprendemos a ser fortes.

Passos para se tornar consciente e abrir nossos olhos de dentro

Somos especialistas na arte da preocupação, no avanço das fatalidades, na desconfiança até mesmo de nossas próprias capacidades. De alguma forma, nos concentramos tanto naquele abismo de negatividade em nosso interior que passamos o dia com os olhos fechados. Somos cegos por dentro e por fora, e estamos tateando pela felicidade.

. É hora de acender a luz do seu interior para derrubar todos os fios do “que pode” “é possível o que”, “isto não é para mim” ou “Eu tenho medo que…”

. Somente quando estamos livres de nossas próprias prisões internas, nos levantamos como criaturas corajosas para finalmente olhar para fora sem medo, sem fardos, sem filtros de negatividade.

. Segure-se aqui e agora e procure por recompensas diárias como uma criança: o sabor de um novo alimento, o prazer de fazer um novo amigo, um passeio, um sorriso, o encontro com um olhar …

. Delicie-se com o quão pequeno você está encontrando, porque se você colocá-los juntos, eles criam universos inteiros.

Aprecie-os com cuidado, porque é onde o autêntico bem-estar é encontrado, no mais ínfimo, invisível e elementar. Lembre-se, acima de tudo, que a felicidade não se encontra com um golpe de sorte, é propiciada pelas pequenas coisas que acontecem todos os dias e que geralmente ignoramos.

Tradução e adaptação por A Soma de Todos os Afetos, via La Mente es Maravillosa

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.