As crianças não estão “perdidas” na rua. De fato, essa perda começa em casa com aquele pai ausente, com aquela mãe sempre ocupada, com um conjunto de necessidades não satisfeitas e frustrações não administradas. Um adolescente é desenraizado depois de uma infância de desapego e de um amor que nunca soube educar, orientar e ajudar.

Começaremos deixando claro que sempre haverá exceções. Obviamente, há crianças com comportamentos desadaptativos que cresceram em lares onde há harmonia e adolescentes responsáveis que conseguiram distanciar-se de uma família disfuncional. Há sempre eventos específicos que escapam dessa dinâmica mais clássica, em que o que acontece todos os dias em uma casa irremediavelmente marca o comportamento da criança no exterior.

Por mais curioso que pareça, um pai ou uma mãe nem sempre acabam aceitando esse tipo de responsabilidade. De fato, quando uma criança demonstra comportamento agressivo em uma escola, e o pai é contatado, é comum a família culpar o sistema, o instituto e a comunidade escolar por “não saber educar”, por exemplo.

Embora seja verdade que quando se trata da educação de uma criança, somos todos agentes ativos (escola, mídia, organizações sociais …), é a família que fará o conceito de respeito germinar no cérebro infantil.

Propomos refletir sobre isso.

As crianças, o legado mais importante do nosso futuro

H. G Wells disse uma vez que a educação do futuro iria de mãos dadas com a própria catástrofe. Em seu famoso trabalho “The Time Machine”, ele visualizou que, em algum futuro, a humanidade seria dividida em dois tipos de sociedade. Um deles, o que viveria na superfície, seria o Eloi, uma população sem escrita, sem empatia, inteligência ou força física.

Segundo Wells, o estilo educacional que prevaleceu em seu tempo já apontava resultados nesse sentido. O início dos testes padronizados, a competitividade, as crises financeiras, o pouco tempo que os pais têm para educar seus filhos e a preocupação de não incentivar a curiosidade das crianças ou o desejo inerente de aprender já estavam na moda do século XX, o famoso escritor não projeta nada de bom para as futuras gerações.

Não se trata de alimentar tanto pessimismo, mas de colocar sobre a mesa um estado de alerta e um senso de responsabilidade. Por exemplo, algo que muitos terapeutas, conselheiros escolares e pedagogos reclamam é a falta do apoio familiar quando se trata de intervenção com aquele adolescente problemático, ou com aquela criança que evidencia problemas emocionais ou de aprendizagem.


Adolescente solitário

Quando não há colaboração real ou mesmo quando um pai ou uma mãe recusa ou boicota o profissional, o professor ou o psicólogo, o que ele vai conseguir é que a criança, seu filho, continua a se perder. Ainda mais, esse adolescente será mais forte para continuar desafiando e procurará o que não encontra em casa ou o que o sistema educacional não conseguiu lhe dar com outras pessoas.

Crianças difíceis, pais ocupados e emoções conflitantes

Há crianças difíceis e exigentes que gostam de agir como verdadeiros tiranos. Há adolescentes que são incapazes de assumir responsabilidades e que amam ir além dos limites que os outros lhes impõem, quase chegando ao crime. Todos nós sabemos mais de um caso, no entanto, devemos estar cientes de algo: nada disso é novo. Nada disso é causado pela Internet, videogames ou por um sistema educacional permissivo.

“Antes de ensinar uma criança a ler, ensine-lhe o que é amor e verdade”

-Gandhi

No final do dia, essas crianças mostram as mesmas necessidades e comportamentos sempre contextualizados em novos tempos. Portanto, a primeira coisa que devemos fazer é não patologizar a infância ou a adolescência. A segunda coisa é assumir a responsabilidade que pertence a cada um de nós, seja como educadores, profissionais de saúde, disseminadores ou agentes sociais. O terceiro e não menos importante, é entender que as crianças são, sem dúvida, o futuro da Terra, mas antes de tudo, são cidadãos do presente.

Vamos refletir sobre alguns aspectos importantes abaixo.

Os ingredientes da educação autêntica

Quando um professor chama uma mãe ou pai para avisá-los sobre o mau comportamento de uma criança, a primeira coisa que a família sente é que o amor que sentem por seus filhos está sendo questionado. Não é certo. O que acontece é que, às vezes, esse afeto, esse amor sincero é projetado de maneira errada.

Amar uma criança não é satisfazer todos os seus caprichos, não é abrir todas as fronteiras ou evitar falar algo negativo. O amor autêntico é o guia, aquele que inicia desde muito cedo um verdadeiro senso de responsabilidade na criança, e que sabe administrar suas frustrações dando um “NÃO” na hora certa.

A educação de qualidade conhece as emoções e compreende a paciência. A criança exigente não para seu comportamento com um grito ou duas horas de solidão no próprio quarto. O que ela precisa é ser atendida com palavras, com novos estímulos, com exemplos e com respostas para cada uma de suas ávidas perguntas.

Também devemos estar cientes de que nesta época em que muitas mães e pais são forçados a trabalhar dias com pouca ou nenhuma reconciliação com a vida familiar, o que importa não é o tempo real que compartilhamos com as crianças. O que importa é a qualidade desse encontro.

Os pais que conhecem as necessidades e emoções dos seus filhos, são aqueles que estão presentes para orientar, dirigir e promover os interesses e sonhos, são aqueles que deixam a sua marca e raízes em seus filhos, evitando assim que estas crianças procurem referências pouco saudáveis na rua.

Texto traduzido de La mente es maravillosa

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.