Parece que mais pessoas no mundo vivem com depressão do que nunca. De fato, de acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que 350 milhões de pessoas de todas as idades no mundo sofrem desta doença mentalmente debilitante.

A depressão pode literalmente mudar o cérebro, alterando as vias neurais e as sinapses, diminuindo o tamanho do hipocampo, uma área do cérebro que regula as emoções e a memória. Mentalmente, você provavelmente se sentirá enevoado e exausto, pois seu cérebro precisa trabalhar mais para processar informações e sentimentos. Se você não se sentir bem mentalmente, isso pode prejudicar todas as outras áreas da sua vida.

Hoje, vamos explicar exatamente como a depressão altera seu cérebro e como reverter o dano naturalmente. É preciso força de vontade e determinação, mas você pode tirar sua vida de volta com algumas mudanças simples de estilo de vida.

Um estudo inovador envolvendo uma equipe internacional de pesquisadores descobriu que as pessoas com depressão geralmente têm um hipocampo menor. A equipe de pesquisa usou dados de ressonância magnética (MRI) do cérebro em quase 8.930 pessoas de todo o mundo, 1.728 das quais sofriam de depressão maior. Os restantes 7.199 indivíduos não sofreram de depressão.

Eles descobriram que 65% dos pacientes deprimidos tinham um hipocampo menor; no entanto, aqueles que experimentaram o primeiro episódio de depressão não tiveram esse encolhimento. Esses achados sugerem que episódios recorrentes de depressão podem causar o encolhimento do hipocampo. Estudos anteriores encontraram evidências de perda do hipocampo, no entanto, este estudo teve como objetivo descobrir se o encolhimento causou a depressão, ou vice-versa. Eles obtiveram sua resposta: primeiro vem a depressão, depois o dano cerebral.

Estudos anteriores encontraram evidências de perda do hipocampo, no entanto, este estudo teve como objetivo descobrir se o encolhimento causou a depressão, ou vice-versa. Eles obtiveram sua resposta: primeiro vem a depressão, depois o dano cerebral.

De acordo com o co-autor Professor Ian Hickie:

“Quanto mais episódios de depressão uma pessoa teve, maior a redução no tamanho do hipocampo. Portanto, a depressão recorrente ou persistente faz mais mal ao hipocampo quanto mais você o deixa sem tratamento. Isso resolve em grande parte a questão do que vem primeiro: o hipocampo menor ou a depressão? O dano ao cérebro vem de doenças recorrentes…

Outros estudos demonstraram reversibilidade, e o hipocampo é uma das áreas únicas do cérebro que rapidamente gera novas conexões entre as células, e o que se perde aqui são as conexões entre as células, em vez das próprias células. Tratar a depressão de forma eficaz não significa apenas tomar medicamentos. Se você está desempregado, por exemplo, e depois fica sentado em uma sala sem fazer nada, isso pode encolher o hipocampo. Por isso, as intervenções sociais são igualmente importantes.”

Sobre o tema do encolhimento do hipocampo, gostaríamos também de mencionar outras pesquisas inovadoras de cientistas e do Institute of HeartMath, uma organização que estuda a conexão entre o coração e o cérebro. Nossos sentimentos tornam-se codificados no campo eletromagnético do nosso coração, e o coração pode realmente enviar sinais ao cérebro que lhe dizem como reagir. Assim, os pesquisadores descobriram que, quando você experimenta emoções destrutivas, isso pode criar o caos no cérebro.

Agora que você sabe que suas emoções desempenham um grande papel na maneira como seu cérebro reage aos estímulos, pensamos em falar de outro equívoco comum quando se trata de depressão. Assim como a maioria das pessoas não percebe que seus sentimentos desempenham um grande papel em sua saúde mental, muitos deles provavelmente não sabem que a teoria do “desequilíbrio químico” em relação à depressão não se compara à ciência.

De acordo com um artigo de Jonathan Leo, professor associado de Neuroanatomia da Lincoln Memorial University:

“A causa de transtornos mentais, como a depressão, permanece desconhecida. No entanto, a ideia de que os desequilíbrios dos neurotransmissores causam depressão é vigorosamente promovida pelas empresas farmacêuticas e pela profissão psiquiátrica em geral. ”

Além disso, de acordo com a Dra. Joanna Moncrieff, autora e psiquiatra britânica:

“É claro que há eventos cerebrais e reações bioquímicas ocorrendo quando alguém se sente deprimido, como há o tempo todo, mas nenhuma pesquisa jamais estabeleceu que um determinado estado cerebral cause, ou até se correlacione com a depressão. . . . Em todos os casos, os estudos produzem resultados inconsistentes, e nenhum deles mostrou ser específico para a depressão, muito menos causal. . . . O fato de que mais de 50 anos de intensos esforços de pesquisa falharam em identificar a depressão no cérebro pode indicar que simplesmente não temos a tecnologia certa, ou pode sugerir que estamos latindo na árvore errada! ”

Com a maioria das drogas que visam tratar a depressão, eles anunciam que os baixos níveis de serotonina no cérebro realmente causam depressão. No entanto, nenhuma pesquisa no passado chegou a essa conclusão.

É importante que o tratamento combine os mais diversos profissionais. Psicólogos, psiquiatras, cardiologistas, terapeutas ocupacionais, todos aqueles que podem contribuir com o quadro clínico apresentado. Se você estiver se sentindo deprimido, procure um psicólogo. Ele irá te orientar sobre quais procedimentos são os melhores a serem adotadas, a partir de uma avaliação em conjunto com as  necessidades apresentadas por você.

Este texto é uma tradução adaptada de PowerofPositivity

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.