Há pessoas que se dão bem com todas as crianças, outras são tão desajeitadas com os pequenos que qualquer coisa amedronta. Este é um texto para ajudar este segundo grupo. Pois pode haver momentos em que você, um adulto, precisará se envolver com pessoas pequenas, por exemplo, se estiver sentado ao lado da filha do seu primo na reunião de família ou tentando ganhar a simpatia do filho da sua namorada. Você consegue. As crianças podem ser companhias maravilhosas se sentirem que estão interessadas nelas. Mesmo. Eles são como qualquer um de nós!

Reunimos aqui algumas dicas de pais no grupo Offspring no Facebook para conversar com crianças pequenas (spoiler: nenhuma delas envolve perguntar, “Então, hum, como é a escola?”).

Chame-o pelo seu nome – não “fofinho”, nem “pequeno”. É um respeito básico.

Não mude sua voz! É verdade que os bebês respondem bem a um tom de voz mais alto. Mas com crianças acima de 3 anos, fale normalmente. “Minha filha de 4 anos responde melhor quando as pessoas falam com ela como falam com qualquer outra pessoa”, escreveu um pai chamado Paul no Offspring. “Na pior das hipóteses, ela vai rir de você se você mudar sua voz, e te achar bobo porque os pais dela não falam assim.” Talvez ela te responda do mesmo jeito achando que é a sua forma de falar.

Faça como o príncipe Harry, desça ao nível de altura deles! Isso é algo que não costumamos fazer muitas vezes porque, bem, é difícil levantar, mas é um gesto legal, mostrar às crianças que você não está acima delas.

Não reprima a imaginação das crianças. Escreve um pai chamado Brendan: “Não corrija se eles disserem algo maluco. Apenas jogue junto. Eu não suporto pessoas que esmaguem a criatividade ou a diversão das crianças descartando ou corrigindo coisas bobas. ”Além disso, diz ele, é divertido fingir. Se uma criança disser que acabou de voltar de Saturno, não diga: “Você está louco”. Pergunte o que ele comeu lá e se encontrou algum novo amigo.

“Diga-me mais.” Um pai chamado Kerry dá a dica: se você não tem ideia do que uma criança está falando, diga: “Conte-me mais”. Isso lhes permite continuar a interação.

Fale de coisas familiares para as crianças. Um bom truque é ao invés de perguntar “Você já assistiu Meninas Super Poderosas”. Fale da sua experiência com o desenho. “Eu estava assistindo Meninas Super Poderosas e minha personagem favorita é a Docinho.” A criança irá se envolver mais na conversa se ela perceber que você faz parte do mundo dela.

Mostre-lhes suas cicatrizes. Não, nós não estamos falando sobre os que sua ex-namorada deixou quando ela terminou com você em 2003. “Mostre-as e diga ao garoto como você conseguiu a cicatriz”, escreve uma mãe chamada Clovis. “As crianças adoram mostrar suas próprias cicatrizes, então isso permite que elas saibam que você vai ouvir as histórias delas sobre como caíram.”

Aprenda alguns jogos infantis. Mostre um pequeno item para a criança, coloque-a em uma mão aleatória nas costas e, em seguida, mostre as duas mãos e faça com que ela escolha em qual mão ela está. Ou pergunte sobre outra coisa que ela goste de brincar.

Seja engenhoso. Tem algo possivelmente interessante na sua bolsa? Você pode fazer um tornado em uma garrafa de água meio vazia. Ou pegue seu telefone, abra o Instagram Stories, mude para o modo selfie e coloque esses filtros de rosto engraçados no garoto. As crianças adoram filtros engraçados.

Evite os truques invasivos e elogios vazios. Isso inclui: tentar fazer as crianças se soltar fazendo cócegas ( respeite seus limites pessoais), fazer com que elas vejam o quanto podem bater nas suas mãos ou bater em você com um morcego inflável (as crianças podem adorar, mas os pais provavelmente não) , e não pergunte se elas têm namorado ou namorada. Além disso, escreve um pai chamado Austin, “por favor, não comece dizendo como elas são fofas ou bonitas!”

Imagem de capa: Leo Rivas on Unsplash

Este é um texto traduzido e adaptado de OffSpring

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS