A inquietude quando aparece sempre gera algum desconforto, seja naquele que está inquieto , seja nas pessoas que estão a sua volta. Já repararam ? Nós adultos, principalmente , temos muita dificuldade em lidar com a inquietude dos pequenos. Agitação, levanta, senta, deita, levanta de novo, sai, volta, fala, silencia e temos a impressão de que há algo de errado acontecendo, afinal, o propósito do momento , normalmente não parece estar sendo cumprido.

Tentamos acalmar as crianças, nos irritamos com sua agitação , nos agitamos junto mas sempre na certeza de que ali há um comportamento, uma forma de estar no mundo que precisa mudar rapidamente. Será? Quando podemos olhar essa mesma inquietação um pouco mais de perto e com um pouco mais de abertura, conhecemos informações importantes sobre nós mesmos e sobre as crianças.

Sim , a inquietação, a irritação nos informa , nos conta sobre como estamos em relação a nós mesmos e frente ao mundo naquele momento. Resolver a inquietude, rotular as crianças de agitadas ou a nós mesmos como irritados apenas nos coloca ainda mais longe de nós mesmos e da maravilhosa informação que vem através do sentimento de irritação e do comportamento de inquietação.

Experimente se ouvir , experimente se acolher nessa experiência , seu dia provavelmente terminará diferente do que imaginou , assim como o meu nesse vídeo. Vamos ? Basta um único movimento, prestar atenção em si mesmo, se ouvir atentamente. E calmamente , o próximo passo surgirá.

 

Imagem de capa: Shutterstock, Vasilyev Alexandr

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.