Charlie, um garotinho de 10 anos que vive em Essex, na Inglaterra, chamou a atenção do país por conta de uma paixão muito peculiar: dinossauros.
Seus pais o levaram junto a seu irmão para um dia no Museu de História Natural em Londres, e lá aconteceu um fato muito interessante.

Charlie estava analisando as peças do museu e identificou que um dos espécimes de dinossauro tinha sido classificado como Oviraptors, mas que a imagem mostrou um Protoceratops. Apesar de os pais não terem dado muita atenção a esse fato, o menino recebeu uma carta do Museu Nacional de História em Londres dias depois, agradecendo-lhe por ter feito a observação e incentivando seu interesse em paleontologia.

Casos como esse não são vistos todos os dias, mas a verdade é que muitas crianças têm um interesse especial em dinossauros. Você provavelmente já pode ter sido sido muito fã ou ter tido um amigo que colecionava muitos dinossauros em sua estante.

A relação entre crianças e dinossauros

As crianças que se interessam por dinossauros possuem um incrível conhecimento sobre eles. Podem nomear muitas espécies, destacando seu modo de vida e até mesmo quando morreram. Esse grande conhecimento possui um campo na psicologia, “interesses intensos”, que é uma motivação em relação a um tópico específico. Nas crianças, os interesses intensos surgem entre os 2 e 6 anos de idade, mas não necessariamente somem com o tempo.

Uma pesquisa realizada pelas universidades de Indiana e Wisconsin mostra que esses interesses, além de curiosos, também são muito importantes para o desenvolvimento das crianças. Eles aumentam o conhecimento geral sobre o tópico específico, mas também ajudam sua atenção, foco e processo de pensamento, assim como melhoram habilidades linguísticas.

No entanto, é importante destacar que esses interesses podem ser relacionados a outras coisas, como astrologia, música, aviões…

O que importa mesmo é a grande paixão que despertam nas crianças.

A psicologia explica que a forma como as crianças analisam e estudam os seus tópicos de interesses podem dizer muito sobre como lidarão com seus problemas na vida. Dessa maneira, os interesses servem como uma “preparação” para a vida real, ajudando-nos a definir pontos de vista, estratégias de ação, criação de relacionamentos e aplicação de aprendizados.

O ponto negativo dos interesses intensos

Foi provado por uma pesquisa de psicólogos das universidades de Virgínia e Yale que os interesses intensos das crianças não são influenciados pelos pais, porque geralmente aparecem muito cedo, geralmente durante o primeiro ano de vida. Muitas vezes, os interesses das crianças são desconhecidos pelos próprios pais.

Porém, um ponto negativo é que eles tendem a ser efêmeros, durando um período de seis meses até três anos, até o início da vida escolar. Isso porque, quando as crianças começam a frequentar a escola, passam a ter menos tempo para se dedicarem às pesquisas de seus interesses intensos, e também acreditam que eles não se encaixam em sua formação escolar, e acabam deixando-os de lado.

No entanto, não precisa necessariamente ser dessa maneira. Os pais podem contribuir para que as crianças não abandonem seus interesses intensos, incentivando-os a manterem sua motivação em casa. Além de ajudarem seus filhos a encontrar tempo para seus interesses, também podem encontrar uma maneira de fazê-los relacionar seus interesses com o que aprendem na escola.

***

Fonte indicada: Coruja Professor

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.