O fim de um relacionamento é algo que geralmente gera muita dor e tristeza, a tal ponto que muitas vezes as pessoas desenvolvem depressão ao romper. Mas, embora, obviamente, a experiência não seja (como regra) gratificante e é comum que haja sintomas semelhantes… Existe realmente uma depressão pós término de relacionaemnto? Vamos ver ao longo deste artigo.

Depressão maior

Antes de comentar sobre as possíveis reações emocionais que podem surgir depois de sofrer um rompimento, deve ser mencionado em primeiro lugar do que queremos dizer quando nos referimos a uma depressão. Isso é necessário porque muitas vezes são tomadas por depressões reações reguladoras do humor ou uma tristeza abundante, mas que não preenchem os critérios para se tornar uma verdadeira depressão.

Chamado a maior da depressão distúrbios mais frequente e prevalente em todo o mundo mental, que é caracterizada pela presença de um estado de humor triste e / ou falta de capacidade de sentir satisfação ou prazer, mesmo aquelas atividades que anteriormente nos excitou.

Além desses sintomas, geralmente é a presença de uma desesperança forte sobre o futuro, culpa e inutilidade (que pode até ser delirante), a passividade extrema, tendência ao isolamento, problemas de sono, perda de apetite e peso, perda de energia e fadiga, retardo físico e mental, dificuldade de concentração, agitação psicomotora e pensamentos de morte e suicídio.

Estes sintomas, e em especial os dois primeiros, estão presentes durante a maior parte do dia quase todos os dias durante pelo menos duas semanas e não pode ser devido à substância ou outras anormalidades, tais como a presença de problemas psicóticos. Alguns destes sintomas podem surgir em resposta a situações específicas, nomeadamente tristeza, problemas de concentração ou perda de peso, apetite e sono. Mas, em geral, eles não são considerados parte de uma grande depressão, a menos que exceder a reação normal à perda envolvida, neste caso, a cessação da relação.

Depressão por desagregação sentimental

Não há dúvida de que um rompimento romântica é uma experiência que pode ser dolorosa e até traumática, dependendo das circunstâncias que a cercam. Especialmente se não é acordo mútuo e um deles quer continuar com o relacionamento. E, embora a situação geralmente seja muito dolorosa para a pessoa que fica, também pode ser difícil para a pessoa sair. Na maioria dos casos gera grande tristeza, sofrimento e dúvidas, assim como perda de vontade de fazer as coisas e aumento da tendência de se isolar. No entanto, devemos ter em mente que não há “depressão por ruptura” como um rótulo de diagnóstico.

De fato, embora haja depressões reativas em certos eventos e uma ruptura sentimental possa desencadear uma depressão maior, na maioria dos casos o que vivenciamos é um processo de luto. Ou seja, na maioria das vezes estamos diante de algo normal e não patológico, já que acabamos de sofrer uma perda de algo que até agora tínhamos e que era importante para nós em princípio. E esse duelo pode exigir um longo processo para alcançar a aceitação e você pode passar por diferentes fases.

Nesse sentido, é comum que, após a ruptura, passe em primeiro lugar por um estágio de negação da nova situação, em que não experimentamos nenhuma reação emocional à ruptura, porque não terminamos de processá-la como algo real. Mais tarde, é possível que uma fase de raiva surja da frustração, em que a raiva e a culpa podem aparecer em relação a si mesmo ou em relação à outra pessoa, ou pode até ser direcionada para o resto do mundo, embora não tenha nada a ver com a situação.

Um estágio de negociação pode aparecer, de buscar alternativas no nível mental, de pensar o que poderia ter mudado a situação para que a ruptura não ocorresse ou mesmo tentasse recuperar a pessoa. Após isso viria a fase depressiva, que seria a mais comumente considerada pela população como “depressão por ruptura”: nesta fase podemos vivenciar tristeza, falta de vontade de fazer as coisas, fadiga e apatia, pensamentos ruminativos sobre o outro, problemas de sono ou falta de apetite.

Finalmente, a última fase seria a aceitação: nela, pouco a pouco, acabamos processando e aceitando que teremos que viver nossas vidas sem que a outra pessoa esteja nela como um casal. Com o tempo a dor da ruptura está diminuindo e com ela as energias são recuperadas e o duelo é superado. É conveniente deixar passar algum tempo antes de nos encontrarmos novamente com o nosso ex-parceiro, a fim de podermos separar o que essa pessoa significa para nós (se o intervalo foi positivo, é possível manter um certo relacionamento e até ser amigos de novo, embora recomenda que isso não seja tentado até muito mais tarde) do que antes.

Quando esse distúrbio aparece?

Mas há momentos em que podemos continuar a desenvolver uma depressão real. Isso ocorre quando o processo de luto não termina de fechar, de modo que a pessoa que sofre não chega à fase de aceitação e supera seu desconforto.

Especificamente, estaríamos falando de uma depressão reativa ou situacional ou um transtorno de ajustamento com características depressivas (embora também possa ocorrer com ansiedade ou modo misto), em que os sintomas depressivos manifesta e / ou ansioso derivado de uma experiência particular que não somos capazes de superar e sem o qual o problema não existiria.

Essa alteração gera uma grande disfunção em diferentes áreas. Na verdade, a ruptura pode acabar se tornando uma grande depressão, tornando-se um gatilho para ela. Embora determinar uma data aproximada para superar um fim seja algo artificial (cada um de nós tem o nosso ritmo para superar as coisas), podemos suspeitar da existência de uma depressão causada pela ruptura quando, após esse evento, nosso humor é triste, o maior parte do dia da maioria dos dias, sofremos de distúrbios graves do sono (insônia ou sonolência excessiva), fala e pensamento lentos, baixa autoestima e desesperança em relação ao futuro.

Também é comum a presença de distorções cognitivas que perpetuam o desconforto e incluindo uma visão aversiva para si mesmo, o mundo e o futuro, sentimentos de inutilidade, incapacidade de tomar decisões ou realizar as atividades da vida diária, evitar desconforto e a dor gerada pela ruptura (às vezes com comportamentos extremos ou compulsivos, como busca compulsiva de relações sexuais ou uso de drogas), isolamento extremo e / ou pensamentos de morte e suicídio, entre outros.

Embora muitas dessas alterações também ocorram durante o luto, estará em depressão quando mais extremo, intenso e acentuado. Também na depressão, esses sintomas não se acalmam com o tempo, mas permanecem, ou você pode até ver como eles se intensificam com o passar do tempo.

Diante de um cenário assim, é importante a intervenção de profissionais capacitados a ajudar a pessoa em questão a superar este transtorno e retomar o vigor de sua vida.

TEXTO TRADUZIDO E ADAPTADO DE PSICOLOGÍA Y MENTE

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.