Quando crianças, tiramos conclusões gerais sobre como as pessoas agem e reagem e quais são as relações entre as especificidades de nossos lares. Esse processo – a construção dos chamados modelos mentais na teoria do apego – é inconsciente e continua a informar e moldar nossos pensamentos, nossa capacidade de gerenciar nossas emoções e nossa reatividade na idade adulta.

Sentir-se seguro sobre as decisões

Ser abalado por seus pais na infância ou ser informado de que suas opiniões e pensamentos não têm valor ou são estúpidas leva não apenas ao medo do fracasso, mas também ao hábito de conviver consigo mesmo na idade adulta. Pesquisas mostram que as mulheres são mais propensas a ruminar – experimentam padrões repetitivos de pensamentos e preocupações negativos – do que os homens.

Como o trabalho de Daniel Wegner deixa claro, suprimir suas preocupações não funciona; conscientemente dizer a si mesmo para não pensar em alguma coisa, na verdade, fará com que você pense ainda mais sobre isso.

Uma possibilidade sugerida pelo Dr. Wegner é atribuir a si mesmo um tempo de preocupação. Francamente, isso não funciona para mim – minhas preocupações tendem a transbordar de qualquer maneira – mas funciona para muitas pessoas.

Dê a si mesmo 20 minutos ou qualquer hora que você queira dedicar-se a fazer nada além do trabalho de se preocupar com estratégias para lidar uma vez por semana. Você pode escrever suas preocupações para torná-las mais concretas e, em seguida, encontrar soluções para lidar com elas.

Ser capaz de agir ao invés de reagir

Ser capaz de ver que suas reações são desencadeadas por sinais que você mal registra – sentir-se excluído quando dois amigos almoçam, mas não te convidam, sendo muito sensível às críticas, não importa o quão construtivo seja, evitando o confronto mesmo para seu próprio prejuízo. – faz parte do longo processo de desaprender e se curar.

Estratégia: Auto calmante e ressignificação

Pesquisas mostram que pessoas com um estilo de ligação inseguro podem fazer a a visualização consciente em momentos de estresse. Isso vai levar um pouco de prática e se acostumar; você precisa visualizar uma pessoa ou lugar que faça você se sentir calmo.

Sinta-se à vontade para usar uma fotografia como um aviso enquanto aprende essa técnica e reconhece que levará tempo para dominá-la. A outra estratégia que você deve embarcar é descobrir como costuma enquadrar eventos e situações e trabalhar na reformulação.

 

Você tende a enquadrar possíveis contratempos ou complicações como desafios a serem enfrentados e superados? (Isso é chamado de orientação de abordagem.) Ou, como alternativa, você vê contratempos como oportunidades para você falhar miseravelmente e fazer papel de bobo, prova positiva de sua falta de valor e de estar fadado ao fracasso? (Isso é chamado de orientação para evitar).

Não se trata de ser otimista ou pessimista, mas de como você geralmente vê situações complexas ou com nuances. Como você enquadra essas situações e como o seu enquadramento afeta tanto sua compreensão da situação quanto sua capacidade de lidar com isso?

Ser capaz de se aceitar, perfeitamente imperfeito

Filhos mal amados emergem da infância com uma visão distorcida de si mesmos; isso é principalmente um produto de ter internalizado o que foi dito sobre eles por sua mãe e outros membros da família como verdades que não podem ser negadas.

Mães controladoras, desdenhosas e combativas, bem como aquelas com altos traços narcísicos, criticam o cotidiano, especialmente se o filho se rebela ou se recusa a jogar; pode ser rotulado de difícil ou irascível, muito sensível ou fraca, ou qualquer número de outras etiquetas repetidas de novo e de novo.

Sentimentos de vergonha e baixa auto-estima paradoxalmente podem coexistir com conquistas reais no mundo exterior.

Estratégia: Silenciando a voz negativa e substituindo o roteiro

Uma filha me mandou um e-mail, perguntando: “Existe um botão para desativar em algum lugar? A voz da minha mãe está presa na minha cabeça. ”Sim, há um botão de desativação e você pode aprender a usá-lo falando com a voz, literalmente. (Faça isso em particular, e não no escritório ou em um lugar público, por razões claras.)

Argumente com a voz, apontando suas forças e boas qualidades. Se você está tendo problemas para discutir, converse com um colega de confiança e peça a ele que o descreva objetivamente.

TEXTO TRADUZIDO E ADAPTADO DE PSYCHOLOGY TODAY

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.