As meninas que hoje ocupam parques e carteiras são as mulheres de amanhã. Mas antes de serem as garotas de hoje e nada nos justifica querer comer suas mordidas de infância para que no futuro sejam mulheres perfeitas. Preparada para ser mãe, pronta para levar uma casa, preparada para se movimentar pelo mundo, preparada para ser a melhor em sua profissão, preparada para administrar suas emoções, preparada para mastigar frustração e não sufocar … Se você machuca a cabeça de tão “preparado”, imagine-as.

A infância não é um ônibus perfeito para mulheres

A infância não é o ônibus perfeito para as mulheres. Naturalmente, não há pai que não queira que seus filhos tenham o melhor futuro. Por isso, deixam a pele no trabalho todos os dias, para isso procuram o melhor professor e se esforçam para multiplicar as horas do dia.

Outro dia li um artigo que dizia que perguntávamos demais às crianças e talvez seja verdade, o que a experiência me ensinou é que ouvimos muito pouco para elas. Eles têm milhões de redes sociais para se expressar, mas poucos espaços familiares para fazê-lo.

Que ninguém me interprete mal, não é que elas decidam, mas que nós temos o que elas querem agora, mesmo com o que elas gostariam no futuro, se nos empoderarmos para tomar decisões por elas: se nós assumirmos isso direito e essa obrigação, não podemos ignorar a responsabilidade que adquirimos com elas. Não se trata de consentir, mas de integrar e ajudá-las a descobrir por si mesmas onde querem ir. Estou falando de algo que não tem nada a ver com os pais serem mais ou menos rígidos.

Se queremos ensinar-lhes algo, vamos ensiná-las que a perfeição não existe. Que ao longo de sua vida terão que enfrentar medos, e que os bravos não são aqueles que não os têm, mas aqueles que os deixam de lado e os superam. Aqueles que fazem isso de novo e de novo enquanto assistem, com o canto dos olhos, como esses medos se tornam pequenos.

Mulheres perfeitas não existem, mas sim mulheres corajosas

Vamos ensiná-las que a perfeição não existe, mas que os medos se multiplicam quando avançamos: no espaço inicial, geralmente há muito menos a perder do que nos quadrados intermediários. Vamos contar-lhes que há vitórias que têm preços que não valem a pena pagar, porque não vale a pena ser a mais popular se, como resultado, o preço é o assédio, escárnio ou insulto.

Mostre-lhes que, antes de tomar qualquer opinião, é melhor submetê-lo a julgamento. Vamos fazer isso mesmo que isso suponha que eles o façam com nossas opiniões e tenhamos que dedicar tempo para expô-los. Não mostramos a elas que a vulnerabilidade nos enfraquece, porque a armadura com as pessoas que amamos apenas nos afasta delas.

Vamos ensiná-las que elas têm grande poder. Romper com um casal ao primeiro sinal de abuso, arrombar uma porta e intervir se sentirem que alguém está em perigo, dizer não quando receberem um convite que suspeitem. Ensinemos-lhes que a liberdade não implica anarquia e que aqueles que a temem não o fazem para nosso próprio bem, não importa o quanto eles sejam acompanhados por muitas vozes com cartazes e cartas escritas em caneta.

Vamos ensiná-las que, se combinarem seu poder com coragem, elas se tornarão pessoas dignas e, enquanto se tornarem essa pessoa, serão pessoas dignas. Porque ele conta, conta tanto que, se você parar para pensar sobre isso, tudo acontece enquanto morremos, enquanto vivemos … e nisso, enquanto rico em perspectivas, algo acontece e essa felicidade tem uma estranha simpatia pelas pessoas que a merecem.

Artigo extraído do portal lamenteesmaravillosa
Imagem de capa: pexels

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.