Uma mulher de Columbus, Ohio, Estados Unidos , é a mais velha a sobreviver a uma doença rara que faz com que as pessoas envelheça, 8 vezes mais rápido do que o normal. Tiffany Wedekind tem 43 anos, desafiando as estatísticas de que pacientes com Progéria costumam falecer ainda na adolescência.

Embora a expectativa de vida geralmente seja de até 15 anos, Tiffany viveu quase três vezes mais. No entanto, o progresso prematuro de suas rugas e a perda dos cabelos acomntecem precocemente.

Ela tem um segredo que acredita ser responsável vida tão longa- a yoga. Ele acredita que a prática dessa atividade física lhe proporcionou mais anos de vida.

“Eu faço o meu melhor para me manter saudável porque tenho muita sorte de ainda estar aqui. Tenho em mente que eu poderia partir a qualquer momento e estou fazendo todo o possível para aproveitar a vida que tenho ”, disse Tiffany em conversa com Metro.

Dos 179 pacientes no mundo com Progéria, Tiffany é a mais velha de todos.

“Sempre fui muito ativa, faço passeios de bicicleta, faço ioga e procuro me manter forte. Também acredito que você é o que come, por isso me alimento de maneira saudável e trato bem o meu corpo. Estou vivendo a vida ao máximo enquanto posso, porque vi como a vida pode ser curta ”, disse ela.

“Eu envelheço muito mais rápido do que qualquer outra pessoa e, para ser honesta, não tenho certeza por que vivi tanto e sobrevivi (ao contrário) de outras pessoas com Progéria. Acho que pode ser porque me cuido bem”, acrescentou.

Seu próprio irmão, Chad, conseguiu viver até os 39 anos e faleceu de complicações relacionadas à Progéria. Ele também excedeu a expectativa de vida de 30 anos que tinha anteriormente.

“Mas a Progéria é praticamente desconhecida, por isso passou muito tempo despercebida. Só descobrimos quando meu irmão queria ter um filho e ele foi fazer um teste genético em um hospital local para ver se tinha algo que pudesse ser transmitido ”, explicou ela.

“Todos nós tivemos que pegar uma amostra de DNA e ela foi enviada para um laboratório em Washington. Quando ele voltou, disse que tínhamos progéria e na época eu não tinha ideia do que isso significava. ”

Sem perceber, ela e o irmão haviam excedido a expectativa de vida de um paciente comum com Progéria. A partir daquele momento, eles foram orientados a fazer todo o possível para se cuidar, pois não há cura para tal patologia.

Desde então, ela tem tentado viver sua vida melhor, cada minuto como se fosse o último.“Quando me divorciei, segui o caminho de querer aproveitar minha vida o máximo possível e pelo maior tempo possível. Estou cheia de vida e quero mostrar às pessoas que você pode ter uma vida boa, não importa quais sejam as suas circunstâncias ”, disse ela .


***
Destasques Psicologias do Brasil, com informações de UPSOCL.
Fotos: Reprodução.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




DESTAQUES PSICOLOGIAS DO BRASIL
Uma seleção das notícias relacionadas ao universo da Psicologia e Comportamento Humano.