Por Bruna Osorio para o Ficar Grávida

Essa é uma das decisões mais importantes que uma mãe precisará tomar, já que os primeiros dois anos de vida do bebê são essenciais no seu desenvolvimento cognitivo e emocional. Por isso, é importante levar em consideração todos os prós e contras em deixar o bebê na escolinha ou casa da avó para que uma decisão consciente seja tomada.
A licença maternidade acabou. Deixar o bebê na escolinha ou casa da avó?

Escolinha ajuda na socialização

Para algumas pessoas a escolinha aparece como primeira escolha, seja por não poderem contar com a avó, ou simplesmente por preferência. O principal ponto positivo da escolinha é poder contar com profissionais capacitados e treinados para dar os estímulos corretos para cada faixa etária, ajudando assim, no desenvolvimento da criança. Ela vai conviver com outras crianças e assim, aprender a socializar, a dividir, a esperar a sua vez e amadurecer.

É importante escolher um lugar que disponha de um ambiente seguro, com uma infraestrutura adequada, limpeza, profissionais atenciosos e uma linha pedagógica que esteja de acordo com o que a família busca e acredita. Esses fatores podem influenciar muito para que os pais se sintam seguros, sabendo que o filho vai receber a atenção necessária e ser tratado com responsabilidade.

Escolinha ou casa da avó…

Por outro lado, esse mesmo contato com outras crianças, que é positivo para o desenvolvimento, se torna um ponto negativo, pois o bebê fica sujeito a doenças contagiosas, já que, especialmente durante o primeiro ano de vida, o seu organismo não está totalmente desenvolvido, o que pode trazer algumas complicações. Nesses momentos, é preciso ter um planejamento para ficar com o bebê e os pais podem ter que faltar ao trabalho ou arranjar alguém para cuidar do filho, para que assim ele possa se recuperar antes de voltar para a escolinha.

Colocar na escolinha exige uma adaptação dos pais, no sentido de se programar para levar e buscar, e também da própria criança, que vai se acostumar com as novas pessoas e com a atenção dividida. Algumas crianças sentem mais essa divisão na atenção e podem ter dificuldades para se adaptar à nova rotina.

Casa da Avó traz mais segurança e tranquilidade

Deixar o bebê com a avó, tanto materna, quanto paterna, pode deixar os pais mais seguros e tranquilos para seguirem a sua rotina com o trabalho, pois essa avó é uma pessoa familiar e conhecida, que tem experiência, tem carinho pelo bebê e com quem o bebê provavelmente já convive e está acostumado. Os pais sabem como ela vai tratar o neto e na medida do possível, o que esperar desse cuidado.

É recomendável que os pais tenham um bom relacionamento com a avó, uma relação de confiança, para que possam conversar abertamente sobre a educação e cuidados diários do seu filho. Além disso, ficando com a avó, a criança recebe mais atenção, um cuidado individualizado, diferente daquele recebido na escolinha, pois a atenção é dividida entre outras crianças. Quando o bebê é muito pequeno, essa pode ser uma boa opção, pois ele pode se sentir mais seguro e protegido ficando em um ambiente e com uma pessoa já conhecidos. Ele pode ser estimulado em casa mesmo, e isso não vai causar nenhum tipo de atraso no seu desenvolvimento.

Por outro lado, é preciso levar em conta também, que as avós já criaram os seus filhos e nesse momento podem estar querendo viver outra fase, sem tanta responsabilidade, na qual curtam os seus netos simplesmente como avós. Costumamos ouvir que as avós mimam os netos, fazem tudo o que eles querem, tem mais dificuldade de impor limites, e, com certeza elas terão o seu próprio jeito de educar o neto.

Isso pode ser um ponto negativo para na escolha entre escolinha ou casa da avó. Além disso, em algumas situações nas quais os pais não concordam com o manejo da avó, pode ser difícil chamar a atenção, o que pode causar desconfortos na família. É importante também que além da vontade dos pais, ficar com o neto seja uma vontade da avó. E, dependendo da sua idade, é bom avaliar se ela tem condições emocionais e físicas de cuidar da criança, pois ela pode ter dificuldade para aguentar toda a energia de uma criança.

E você? Com quem deixou o bebê quando voltou a trabalhar? Na escolinha ou casa da avó? Compartilha sua experiência com a gente 🙂

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.