“Mãe” é um curta que nos inspira e nos conta uma realidade que não é completamente desconhecida: fala sobre aquelas mães que são forçadas a se esgotarem, porque a maternidade às vezes se esgota, porque às vezes nós choramos secretamente e chegamos o limite de nossas forças.

Algo que todos nós sabemos é que muitas vezes nos é dada uma imagem daquela mulher que é mãe de uma forma um tanto idílica, quase perfeita e idílica. A gravidez, o parto e os primeiros meses de criação às vezes contêm nuances tão profundas, complicadas e ao mesmo tempo contraditórias, que é comum sentir-se tão atordoada. Queremos que nossos filhos fiquem bem, essas novas vidas que mantemos em nossos braços, no entanto … Por que estamos tão exaustas?

O curta que queremos apresentar para você fala sobre isso mesmo. No entanto, estamos cientes de que muitos pais se sentirão incomodados, porque, de alguma forma, essa produção de animação, sem dúvida, mostra uma imagem um tanto tradicional, onde todas as tarefas recaem sobre uma figura feminina. Sabemos que o papel do pai é fundamental, ainda mais quando são os homens que enfrentam a criação sozinhos.

No entanto, assim que vemos o curta, seremos imediatamente cativados por sua magia, simplicidade e poderosa mensagem. O mesmo podemos aplicar em alguma outra casa, porque, embora alguns relutem em acreditar nisso, hoje há muitas mulheres que continuam se identificando com as cenas mostradas.

“Mãe”, um curta que inspira

“Mãe” é um curta que conta com prêmios e reconhecimentos. Estamos diante de uma história de pouco mais de 5 minutos de animação extremamente atraente. Os personagens são dotados de um ar oriental, onde tudo é muito clássico, onde a mãe está envolvida em algumas rotinas que mais se parecem com rituais.

Não nos surpreende em todos os seus múltiplos reconhecimentos. Ao longo de 2015 e 2016, a “Mother”, criada pelo Kokorosh Studio, percorreu o mundo para aumentar a conscientização sobre uma série de aspectos que devem ser aprofundados por um momento antes de descobrir esta deliciosa peça audiovisual.

A mãe sozinha

Quando o curta-metragem começa, intuímos quase que instantaneamente que a protagonista dessa história enfrenta cada tarefa na solidão. Em suas tarefas, vemos no fundo a fotografia de um marido ausente. Talvez ele esteja no exército, longe daquele cenário familiar, onde toda responsabilidade recai sobre os ombros dessa mãe delicada, mas forte.

No entanto, esta solidão não é completamente completa: na casa vivem dois filhos mais velhos e um cão pequeno que gosta de trazer mais inconveniências do que benefícios. No entanto, a mãe do curta assume tudo, silencia e perambula de lá para cá, limpando, cozinhando, enfrentando medos, problemas e incertezas.

Quando mãe ou pai não está feliz

Poucas coisas podem ser mais prejudiciais para o desenvolvimento de uma criança do que a percepção constante e real de que seus pais não são felizes. Nossos filhos, embora nos surpreendam, intuem perfeitamente o mundo emocional de seus pais.

As crianças identificam a felicidade e aprendem com ela a se sentirem mais seguros, para descobrir o ambiente que a rodeia através de uma mãe ou de um pai que os acompanha com otimismo e sonhos para alimentar.

Por outro lado, uma mãe e um pai saturado de tarefas, responsabilidades, medos e preocupações gera estresse na criança. Se já internalizarmos esse tipo de emocionalidade em nosso interior, cresceremos com muitas deficiências.

A protagonista deste precioso curta atinge o limite de sua força. É como se a alegria tivesse escapado para se desvanecer naquela vida rotineira e opressiva.

Compartilhe tarefas

Quando a mãe desta história chega a esse extremo onde o ser dela está sem fôlego e as emoções acabam prendendo em desamparo , algo acontece no curto prazo. Algo estranho. É exatamente onde a mensagem que procura nos trazer este breve acontecimento: toda família é como um motor onde cada peça deve caber para que esta entidade avance, tenha vida e funcione como deveria.

A mãe pode ser corajosa, forte e poder com tudo. Mas nem sempre, nem 365 dias e 24 horas por dia. Ajudar é amar, mas compartilhar tarefas é muito mais do que ajudar uma pessoa. Porque em uma casa “não é um favor todos ajudarem, é um papel a cumprir”, sem mais. E acredite ou não, é mais fácil do que parece.

Portanto, propomos o seguinte: veja o curta-metragem com sua família, seu parceiro, seus filhos, seus irmãos ou até mesmo seus amigos. Para evitarmos cada vez mais que tudo caia nos ombros da mamãe.

Texto traduzido e adaptado de ERES MAMA

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.