Pode parecer arrogância egoísta dizer que eu não mudo por ninguém, mas vejo isso como uma tática de sobrevivência e de sanidade mental. Em todo relacionamento, deveremos abrir concessões e também esperá-las do outro, porém, isso não quer dizer que será preciso abrir mão de si mesmo, de sua essência, do que você verdadeiramente é, pois isso seria anular-se, tornar-se uma simples marionete.

Muitas pessoas não conseguem – ou não querem – perceber os limites entre si e o outro, ou seja, acabam se aproveitando das pessoas, enquanto só se importam consigo mesmas. Aos poucos e sorrateiramente, essas pessoas vão se colocando cada vez mais como o centro de tudo, enquanto nossas vontades e nossos sonhos não encontram espaço algum ali junto delas.

E, quando percebemos, os filmes, os restaurantes e bares, os passeios, as viagens, tudo são escolhas daquela pessoa. E, quando percebemos, já nem mais nos sentimos parte daquele relacionamento. É como se fosse o outro com ele mesmo, enquanto a gente assiste, ali, sem participação, sem protagonizar, sem palpitar, sem escolher, sem nenhum poder de decisão.

O pior é que, não raro, a gente acaba fazendo o que não gosta, comendo o que não satisfaz, saindo sem vontade alguma, tão somente para satisfazer ao que o outro dita como prioridades. Tudo bem fazer as vontades do outro de vez em quando, desde que não se torne a única coisa a se fazer. Você é parte desse relacionamento, parte ativa, em uma dinâmica que deve se pautar pela troca, pelo compartilhamento, pelo equilíbrio, pela reciprocidade.

Enfim, todo e qualquer relacionamento deve ser soma, ganho, deve nos melhorar como pessoa, enriquecendo nossos sentimentos e nos tornando mais felizes. Não aceite o contrário disso. O que nos anula e nos torna invisíveis deve ficar bem longe de nossa vida. Ninguém tem que mudar por ninguém, mas é necessário melhorar por quem merece. Por quem merece e por ninguém mais.

***

Texto publicado primeiramente em Prof Marcel Camargo

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




Marcel Camargo
"Escrever é como compartilhar olhares, tão vital quanto respirar".