O amor, a amizade ou o afeto dos pais por seus filhos vão além da pele e dos sentidos. Porque o que é autêntico sustenta e transcende como um tendão psíquico, como uma flecha sem flecha, mostrando que há pessoas que tocam em você sem segurá-lo, e pessoas que ainda estão lá, cuidando de você mesmo sem estar presente, porque seu vínculo permanece inquebrável.

Pensar por um momento que a base de nossas relações humanas e nossas afeições é limitada exclusivamente a uma fórmula química em que a ocitocina, a dopamina e a serotonina são combinadas pode diminuir alguma magia do assunto. O professor Carl Sagan disse uma vez, com grande sucesso, que às vezes o simples fato de ver como a ciência avança dando respostas às nossas perguntas mais comuns às vezes nos faz sentir algo insignificante.

Por exemplo, descobrir que vivemos em um minúsculo planeta azul de uma estrela perdida “triste”, em uma galáxia escondida em um canto esquecido de um universo, onde há por sua vez milhões e milhões de galáxias, certamente pode se desesperar um pouco. No entanto, e aqui está o verdadeiramente grandioso do assunto, o ser humano é algo mais que um conjunto de células, tecidos e neurotransmissores. Nós somos algo mais do que um pequeno ponto cintilante no vasto oceano do que chamamos de cosmos.

As pessoas têm a capacidade de se conectar umas com as outras. Nós fazemos isso como a Lua com os oceanos, como os satélites com seus planetas, como os restos de gelo fóssil que compõem os anéis de Saturno. Nós nos conectamos uns com os outros sem ter que nos tocar, através daquelas emoções que nos ajudam e nos guiam mesmo quando não temos mais pessoas conosco…

O despertar da consciência através do contato invisível das emoções

Nos últimos anos, estamos vendo como o assunto sempre interessante de robôs e inteligências artificiais preenche cada vez mais a seção de notícias científicas e também nossa oferta de televisão. Há alguns meses, pudemos refletir sobre o tema com a série “Westworld”.

Nele mostramos essa linha fina, mas fascinante, que essencialmente nos torna humanos. Falamos de autoconsciência e de processos cognitivos tão sutis que, pouco a pouco, eles constroem nosso conceito de humanidade.

A série nos mostrou como o despertar para a consciência de robôs ou entidades não-humanas foi alcançado de duas maneiras: a primeira foi acessar as memórias muitas vezes traumáticas, para aquele substrato onde as experiências passadas que compõem a história em si são .

A segunda chave nesse despertar foram as emoções. Os filósofos realmente descrevem esse processo como “qualidades”. Ou seja, graças aos sentidos somos capazes de captar sensações e, pouco a pouco, as sensações geram lembranças agradáveis ​​e desagradáveis.

No entanto, poucos elementos ou seres têm uma causalidade biológica mais absoluta que uma emoção. É como o cinzel de um artista criando um rosto. Em cada traço, surge uma forma, um traço e uma linda silhueta. Para os especialistas, foram também as emoções e a consciência fenomenal que fizeram nossos ancestrais “acordarem” também para moldar as mentes que temos hoje, onde a conexão com os outros é o pilar fundamental.

Assim, poderíamos dizer quase sem cometer erros, que um dos nossos maiores poderes como seres humanos é ser capaz de se conectar com os outros emocionalmente. Fazemos isso muitas vezes olhando, sem precisar nos tocar e usando aquela câmera perfeita que, segundo os cientistas, tem 250 megapixels de resolução.

Esse contato é suficiente para evocar mil sensações, dezenas de pensamentos, lembranças e sensações que animam ainda mais aquela chama que nos faz o que somos: humanos que, acima de tudo, querem ser amados e oferecer o mesmo carinho.

As pessoas que nos guiam sem estar conosco

Nós já sabemos que as pessoas são o resultado de uma equação precisa formada por uma consciência e um tecido emocional mágico. Para esses fatores, devemos adicionar um terceiro: memória. Passamos muito do nosso tempo lembrando coisas, eventos, eventos, links do passado, fatos felizes e momentos difíceis.

Neste filme que compõe o filme da nossa vida, é comum evocar regularmente aquelas pessoas que não estão mais conosco e que foram muito significativas em um determinado momento. Neste tipo de situação, não há contato através dos sentidos, mais uma vez as emoções são aquelas que erigem, lado a lado, aquela ponte invisível entre nós e que não é mais para nos deixar guiar através de memórias, momentos vivido, do conselho dado, das conversas desfrutadas.

Por outro lado, e como um fato curioso sobre o qual refletir, vale a pena trazer aqui a controvertida teoria da «hipótese da ressonância mórfica». Quando Rupert Sheldrake publicou em 1981 recebeu críticas infinita da comunidade científica, no entanto, ele era em essência uma pequena nuance que se encaixa muito bem a esse tipo de contato invisível temos pessoas entre nós e alguns modo, nos guia e nos determina.

De acordo com o professor Sheldrake, que existem pessoas que estão conectadas com os outros tão intensamente, sem a necessidade de contato físico, deveria ser um tipo de memória coletiva. Uma coleção de memórias onde às vezes “reconhecemos” certas pessoas como mais valiosas e importantes para nós.

Essa ideia, por sua vez, costuma estar relacionada às concepções holísticas da Psicologia, que nos lembram que as pessoas, além de serem entidades individuais, pertencem a uma coletividade que devemos saber aceitar e cuidar.

Para concluir, todos nós somos o resultado de nossos relacionamentos e nossas ligações, tanto do passado quanto do presente. Nós somos, em essência, não apenas o que experimentamos fisicamente através da pele e dos sentidos, mas também o que sentimos através das emoções e o que nosso cérebro armazenou na memória, presente ou talvez, naquele momento. memória coletiva de que Carl Gustav Jung falou na época…

Artigo de Valeria Sabater

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.