A formação de nossa autoestima é alimentada (em parte) por aquelas dinâmicas familiares nas quais fomos educados. É um legado que deixa sua marca e que às vezes é difícil de curar. Especialmente se veio de um pai ou uma mãe que não era hábil quando se tratava de atender necessidades.

Frequentemente, não há escassez de psicólogos que dizem que, para funcionar na vida, você tem que estar com o total depósito de autoestima. Quer queiramos ou não, poucos “combustíveis” como a autoestima nos dão tanta determinação, autoconfiança e senso de competência. No entanto, e sabemos bem disso, muitas vezes passamos pelo mundo com um nível muito baixo de auto cuidado.

Como a famosa antropóloga cultural Margaret Mead nos explicou, a família é o primeiro grupo social em que o conjunto de interações que ocorrem determina uma boa parte de quem somos. Nossos pais são aqueles que têm o dever e a obrigação de preencher esse depósito de nutrientes adequados, componentes ricos onde não há falta de segurança, afeição, consideração e aquele impulso vital capaz de nos encorajar a caminhar pelo mundo sentindo-se valioso.

No entanto, neste árduo caminho na formação da nossa autoestima, nem sempre temos esse combustível. Isso inevitavelmente nos leva a iniciar um caminho de autobusca e, acima de tudo, a reparar a infância em que nos faltavam muitas coisas…

A formação da nossa autoestima e a harmonia com os nossos pais

A formação da nossa autoestima começa na infância. Isso significa que alguém está completamente determinado por todo esse conjunto de experiências anteriores em nossa infância e juventude? Bem, na psicologia como em muitas das ciências, a palavra “determinismo” é perigosa.

Em questões psicológicas, tudo o que aconteceu na infância influencia muito, mas não nos determina. Isto é, se há algo que sabemos sobre o ser humano e especialmente sobre o cérebro, é que sua plasticidade e capacidade de melhoria são imensas. Tudo isso nos obriga mais uma vez a olhar para a grande importância de nossa criação e a qualidade das interações com aqueles que cuidam de nós e que nos fornecem não apenas alimentos e sustento, mas também um legado emocional e educativo.

Para aprofundar esses tópicos, é sempre interessante ler o Dr. Ed Tronick, especialista em desenvolvimento infantil e professor de pediatria na Universidade de Harvard. Um fato interessante que ele revela é que, para favorecer a boa autoestima e a qualidade do cuidado em crianças, é necessário estar emocionalmente sintonizado com elas. No entanto, em muitos de seus trabalhos, ele foi capaz de mostrar que mesmo bons pais não ficam em sintonia com seus filhos 40% do tempo.

É muito possível que estes dados nos pareçam algo alarmante e até dramático. No entanto, o Dr. Tronick aponta algo que deveria nos convidar a refletir. A razão pela qual muitos pais não se conectam 100% com as necessidades emocionais de seus filhos é porque eles também não fazem isso com eles mesmos. Um pai carregado de estresse, resistências e nós emocionais não resolvidos estará enviando uma série de códigos, esquemas inconscientes e linguagens para a criança.

A família influencia, mas você pode mudar isso.

A formação da nossa autoestima ao longo da infância é influenciada principalmente por três fatores: aparência física, nosso comportamento e nosso desempenho acadêmico. A maneira como nossos pais lidam com essas três dimensões pode nos encorajar a crescer em segurança e confiança ou, ao contrário, a nos situar na concha do desamparo, da solidão e do medo.

A mais complexa de tudo isso é que, hoje, continuamos a ver quantos pais são imaturos e inconscientes de sua linguagem e estilo de comunicação. Basta ouvir as suas conversas na porta de escolas e faculdades para capturar como inadvertidamente arrancam as asas da auto-estima de seus filhos.

O uso de comparações, declarações absolutistas (você nunca vai passar…) ou a incapacidade de ver problemas emocionais, esconde muitas vezes que as novas gerações estão com o mesmo problema que seus próprios pais: falta de autoestima.

A família influencia a formação da nossa autoestima, mas o que aconteceu no passado não tem que nos determinar para a vida. Em nossa mão é parar de nos machucar por não termos o combustível cheio de forças pessoais. Em nosso horizonte está a possibilidade de reparar uma infância de deficiências para cobrir uma maturidade daquilo que os outros não poderiam nos dar.

É necessário aprender a nos suprir, a parar de olhar para fora do que se pode e deve se oferecer. A autoestima é trabalhada todos os dias, requer mudanças, exige coragem e , acima de tudo, uma grande dose de amor-próprio. Independentemente do nosso passado, estamos sempre na hora de gerar mudanças.

Este texto é uma tradução adaptada do original de Valeria Sabater para La Mente Es Maravillosa

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




Psicologias do Brasil
Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.