Muito além de diversão para um dia chuvoso, os jogos de tabuleiro podem ser associados ao desenvolvimento humano de forma educativa e terapêutica. Elas atuam como ferramentas no auxílio da psicoeducação (promovendo o conhecimento em relação às questões emocionais particulares) e na regulação emocional (ajudando o indivíduo a lidar com situações estressantes de maneira natural).

Alguns jogos de tabuleiro que tem se popularizado no Brasil durante o distanciamento social são os que reproduzem os jogos de cassino.

Pelo lado psicológico, eles são interessantes por desenvolverem a capacidade de compreender conexões, a memória e os conceitos em objetos, melhorando a capacidade de raciocínio e o pensamento crítico do indivíduo.

Jogos de tabuleiro de cassino

Existe uma questão social e pessoal intrínseca em um jogo de cassino. Os jogos onde apenas um vencedor pode existir permitem desenvolver o lado estratégico do pensamento, ainda mais quando existem vários outros competindo pelo mesmo prêmio.

Este ambiente que era privilégio dos cassinos, entrou nas casas de maneira didática e familiar ainda na década de 80. Desde então, os jogos de tabuleiro que fazem referência a jogos de sorte têm se popularizado e ganhado adeptos de todas as idades.

Através das apostas e dos movimentos de jogadas realizados, pode-se entender se o indivíduo é mais cauteloso ou arrojado, se ele é impulsivo ou planifica suas jogadas, além de como ele lida com as frustrações.

Os jogos como forma de entender o ser humano

Podemos analisar o ser humano como resultado das suas interações entre as dimensões biológicas, psíquicas, sociais e culturais. Dessa forma, muitos psicólogos (principalmente psicopedagogos) costumam utilizar os jogos de tabuleiro para definir traços e características do paciente.

Os jogos permitem alcançar elementos de sociabilidade, laços afetivos e cognitivos, mas também podem demonstrar muito sobre o indivíduo nos jogos onde se joga sozinho ou apenas um pode vencer.

Autonomia, iniciativa e segurança

A capacidade de tomar decisões costuma ser uma falta constante especialmente nas crianças. Perguntar-se se deve ou se pode tomar uma decisão é normal, por isso estes jogos incentivam a tomada de decisões e os riscos calculados.

Ter autonomia para tomar uma decisão importante possibilita o treinamento desta habilidade, o que gera confiança e segurança para tomar decisões na vida cotidiana.

Também se observa a flexibilidade na hora de decisões desagradáveis e de lidar com imprevistos. Esta observação simples expõe as dificuldades do paciente de forma clara e de fácil análise, podendo prevenir uma situação de pânico, dúvida e agressividade no futuro, ajudando principalmente no controle da ansiedade.

Controle da impulsividade e agressividade

Parece mentira, mas com um simples jogo de blefe, apostas ou trapaça podemos identificar um comportamento agressivo ou defensivo, mesmo em adultos. Os jogos de tabuleiros que se referem a cassinos estão cheios deles. Os jogos que envolvem estratégias na tomada de decisão inibem a impulsividade.

A capacidade de lidar com as regras também fica clara com estes jogos. A capacidade de planejamento e a persistência aparecem, separando a frustração e a agressividade.

Com esta separação, estes problemas podem ser atacados de maneira didática, mostrando ao paciente onde e por que ele se irritou ou se viu frustrado, explicando que esta situação não auxilia na sua estratégia ou tomada de decisões.

Existem vários tipos de jogos de tabuleiro que remetem às difíceis decisões tomadas em um cassino. Escolha o que mais se enquadra nos problemas que você precisa abordar e encontre as soluções de maneira pedagógica e educativa.

RECOMENDAMOS






Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.