Em seu Facebook, Nicole Johnson-Goddard alertou outras mães sobre a situação sofrida por seu filho, Nash. Com apenas dois anos ele precisou passar por duas cirurgias delicadas para retirar vestígios de pipoca de seu pulmão. No alerta, a mãe conta que a família assistia televisão quando o seu filho começou a tossir, após ingerir o aperitivo.

Quando ele engasgou, os pais o socorreram e logo ficou tudo bem. Passado esses primeiros socorros, Nash não apresentava sintomas, isso fez com que a mãe acreditasse que o engasgo com a pipoca não tinha trago qualquer consequência mais grave. Porém, no dia seguinte, a surpresa desagradável veio. Ao acordar, o bebê tossia estranhamente e continuou por dois dias, chegando a ter febre alta.

A mãe não relacionou com o episódio da pipoca, mas com a piora do filho ela procurou o hospital.

Após exames, foi detectado uma infecção causada por resquícios de pipoca alojados no pulmão da criança. Apenas após essa situação toda é que Nicole descobriu a informação. Apenas após os cinco anos de idade é que crianças podem comer alimentos como pipoca sem o risco delas se engasgarem, e terem problemas como o que Nash teve.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.