Sara Hinesley, 10 anos, não entende por que é tão notável que ela ganhou uma competição nacional de caligrafia. Ela pinta, desenha e esculpe barro. Ela pode escrever em inglês e um pouco de mandarim. Quando  aprendeu a escrever em cursivo este ano, Sara disse,  que era “fácil”.

Não importa para ela o fato de que nasceu sem as mãos.

“Eu nunca ouvi essa menininha dizer: ‘Eu não posso'”, disse Cheryl Churilla, professora da terceira série de Sara. “Ela é uma pequena estrela do rock. Ela aborda absolutamente tudo o que você propor, e ela dá o melhor de si.”

Sara, aluna do terceiro ano da Escola Católica Regional St. John, em Frederick, Maryland, ganhou o prêmio Nicholas Maxim de 2019 por sua letra cursiva. O prêmio é concedido anualmente a dois alunos com necessidades especiais – um para redação impressa e outro para roteiro.

Sara nunca usou uma prótese. Quando ela recebe ajuda ou uma ferramenta que pode facilitar algumas tarefas – como cortar papel com uma tesoura – ela rejeita, disse sua mãe, Cathryn Hinesley. “Ela tem esse lado independente, onde sabe que pode fazer isso e descobrir o seu próprio caminho”, disse Hinesley. “Ela é linda, forte e poderosa do jeito que é, e vive dessa maneira.”

Para escrever, Sara agarra o lápis entre os braços. Ela se concentra nas formas das letras, cada ponto e curva. Escrever em letra cursiva parece ser como criar obras de arte, disse Sara.

“Eu gosto da maneira como as letras são formadas”, disse Sara. “É como arte.”

Sara veio da China para os Estados Unidos há quatro anos para se juntar à nova família. Quando ela chegou em julho de 2015, sua mãe disse que ela poderia falar e escrever em mandarim. Ela aprendeu inglês rapidamente com a ajuda de sua irmã, Verônica.

“Aprendemos muito rapidamente a confiar em seu julgamento e deixá-la avaliar o quanto ela quer fazer e depois deixá-la fazer isso”, disse Hinesley. “Essa é a Sara. Ela se move através da vida desta forma que você nunca a vê realmente como tendo uma deficiência, porque ela tem essa atitude de “posso fazer, eu posso lidar com qualquer coisa”.

Em seu tempo livre, Sara gosta de desenhar “coisas que estão ao meu redor”, como girassóis. Ela gosta de nadar, brincar com Verônica, também com 10 anos, e participar do clube de xadrez de sua escola. Há pouco que ela não esteja disposta a tentar. Explica sua mãe.

“Sara é um testemunho da perseverança e do espírito humano”, disse Hinesley. “Todo dia eu fico impressionada com as coisas que ela é capaz de fazer e que ela escolhe fazer. Ela não tenta encontrar o caminho para evitar um obstáculo, ela encontra uma maneira de completar a tarefa.

Sara receberá seu prêmio nacional – um troféu – em uma cerimônia de premiação em 13 de junho. O prêmio também vem com um prêmio de US $ 500. Ela é a primeira aluna da St. John’s a receber o prêmio Nicholas Maxim, disse a diretora Kathy Smith.

“Eu me sinto tão animada e orgulhosa”, disse ela.

TEXTO TRADUZIDO DE MSN

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.