Pessoas mais velhas que relatam níveis maiores de envolvimento social têm massa cinzenta mais robusta em regiões do cérebro relevantes na demência, de acordo com uma nova pesquisa conduzida por cientistas da Escola de Graduação em Saúde Pública da Universidade de Pittsburgh. É o primeiro a usar um tipo de imagem cerebral particularmente sensível para conduzir tal avaliação.

As descobertas, relatadas no Journal of Gerontology: Psychological Sciences , sugerem que “prescrever” a socialização poderia beneficiar idosos no combate à demência, da mesma forma que a prescrição de atividade física pode ajudar a prevenir diabetes ou doenças cardíacas.

“Nossos dados foram coletados antes da pandemia de COVID-19, mas acredito que nossas descobertas são particularmente importantes agora, uma vez que um isolamento social único de todos os idosos pode colocá-los em risco de doenças como demência.” disse a autora principal Cynthia Felix , MD, MPH, geriatra e pós-doutoranda associada no Departamento de Epidemiologia de Pitt Public Health. “Os idosos devem saber que é importante para a saúde do cérebro que ainda busquem o envolvimento social de maneira segura e equilibrada durante a pandemia”.

Pessoas mais velhas que relatam níveis maiores de envolvimento social têm massa cinzenta mais robusta em regiões do cérebro relevantes na demência, de acordo com uma nova pesquisa conduzida por cientistas da Escola de Graduação em Saúde Pública da Universidade de Pittsburgh. É o primeiro a usar um tipo de imagem cerebral particularmente sensível para conduzir tal avaliação.

As descobertas, relatadas no Journal of Gerontology: Psychological Sciences , sugerem que “prescrever” a socialização poderia beneficiar idosos no combate à demência, da mesma forma que a prescrição de atividade física pode ajudar a prevenir diabetes ou doenças cardíacas.

“Nossos dados foram coletados antes da pandemia de COVID-19, mas acredito que nossas descobertas são particularmente importantes agora, uma vez que um isolamento social único de todos os idosos pode colocá-los em risco de doenças como demência.” disse a autora principal Cynthia Felix , MD, MPH, geriatra e pós-doutoranda associada no Departamento de Epidemiologia de Pitt Public Health. “Os idosos devem saber que é importante para a saúde do cérebro que ainda busquem o envolvimento social de maneira segura e equilibrada durante a pandemia”.

 

Felix e colegas descobriram que um maior envolvimento social está relacionado a uma melhor integridade microestrutural da massa cinzenta do cérebro nesses adultos mais velhos. Manter a saúde do cérebro é de importância crítica. Uma vez que as células cerebrais morrem, a demência normalmente ocorre.

O envolvimento social com pelo menos um outro parente ou amigo ativa regiões cerebrais específicas necessárias para reconhecer rostos e emoções familiares, tomar decisões e se sentir recompensado. A boa notícia é que mesmo “doses” moderadas parecem ser benéficas.

“Precisamos fazer mais pesquisas sobre os detalhes, mas essa é a beleza disso – o envolvimento social não custa quase nada e não precisamos nos preocupar com os efeitos colaterais”, disse Felix. “Não há cura para a demência, que tem custos enormes em termos de tratamento e cuidados. A prevenção da demência, portanto, deve ser o foco. É a filosofia do ‘use ou perca’ quando se trata do cérebro. ”

Felix observa que a causa e efeito ainda precisam ser desemaranhados: será que um maior envolvimento social mantém essas regiões cerebrais saudáveis? Ou será que ter um cérebro saudável resulta em melhor engajamento social?

Semelhante a como grandes estudos de saúde pública avaliam os melhores programas para incentivar a atividade física para prevenir doenças crônicas em pessoas mais velhas, Felix acredita que as descobertas de sua equipe, juntamente com pesquisas anteriores, fornecem justificativa para ensaios de controle randomizados para avaliar o impacto de tipos e quantidades específicas de atividades sociais na saúde do cérebro.

Enriquecido por seu treinamento anterior em saúde pública na Universidade Johns Hopkins, Felix reconhece o papel crítico da saúde pública na aplicação dessa descoberta em grande escala.

“Seria bom se desenvolvêssemos programas nos Estados Unidos por meio dos quais atividades sociais estruturadas pudessem ser prescritas para idosos residentes na comunidade, com o objetivo de reduzir as taxas de demência e os custos de saúde resultantes”, disse Felix. “As plataformas existentes que oferecem atividades físicas em grupo podem ser um bom ponto de partida.”

***

Destaques Psicologias do Brasil, com informações de Good News Network.

Foto destacada: Grace and Frankie/Divulgação – Netflix.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.