A realidade de um estudante pode ser muito complicada, pois além de estar focado em cursar suas disciplinas e ter tempo para seu desempenho acadêmico, ele tem que ter sua matrícula e mensalidades em dia quando estuda em instituições que não são gratuitas.
Isso acontece porque a educação em alguns países costuma ser muito cara, tanto que os jovens precisam trabalhar enquanto estudam ou mesmo contar com a ajuda dos pais para obter apoio financeiro.

Kassandra Jones é uma jovem de 28 anos de Nova York, Estados Unidos, que havia saído da casa dos pais anos atrás e, por isso, não recebia mais nenhum tipo de ajuda monetária deles. No entanto, ela precisava pagar pelo seu mestrado e teve que encontrar uma solução.

Image: Jam Press/Kassandra Jones

Segundo informações do Mirror, a primeira coisa que a jovem pensou foi procurar uma bolsa de estudos para a qual pudesse se candidatar. Infelizmente, ela não foi aceita em nenhum dos processos que tentou.

Mas, quando ela menos esperava, uma oportunidade surgiu: vender seus óvulos para uma instituição de fertilização in vitro, que lhe pagaria uma grande quantia em dinheiro.

Kassandra tinha mais de US$ 24.000 em dívidas da faculdade, algo que ela não poderia sustentar com três empregos. Assim, as cinco rodadas de doação de óvulos permitiram que ela levantasse US$ 50.000 com os quais ela poderia pagar seu mestrado em Nutrição.

“Ouvir esse dinheiro em voz alta me tira o fôlego. Eu realmente não tinha outra escolha. Eu gostaria que não fosse apenas para a minha aula. Eu gostaria que o dinheiro fosse para dar entrada em uma casa ou para começar meu próprio negócio”, explicou a jovem.

Apesar dos riscos à saúde que isso pode causar, além de uma possível infertilidade, a jovem explicou que agiu por “desespero”, pois se sentia muito “sobrecarregada”.


“Todo o processo em si exigiu muito trabalho. Tive que aprender a me dar injeções (…) Havia muita pressão e inchaço na parte inferior do meu abdômen, dores de cólicas que me dificultavam andar, ficar em pé, sentar ou rir“, disse.

Muitas pessoas de seu círculo próximo criticaram sua decisão, mas ela defende que os jovens estão desprotegidos em relação às dívidas e que não há opções para pagá-las.

“As pessoas da minha idade entendem isso. Elas entendem completamente a situação e estão igualmente irritadas com a forma como nosso sistema educacional e falso governo nos auxiliam.”

***

Traduzido e adaptado de UPSOCL

RECOMENDAMOS






Informações e dicas sobre Psicologia nos seus vários campos de atuação.