Por Adrian Cordellat para o El País

Mar Romera é uma das maiores e mais autorizadas vozes espanholas para a mudança educacional. Mestre, formada em pedagogia e psicopedagogia e especialista em inteligência emocional, preside a Associação Pedagógica Francesco Tonucci, cargo que já explica muito de seu discurso. Na obra A Escola que eu quero (Destiny), Romera enfatiza a necessidade de transformar a educação com crianças e não para as crianças. A nuance é importante, porque a sua aposta coloca a criança no centro, faz dela a protagonista. É aí que a escola que ele quer começa.

Pergunta: Fiquei muito surpreso com a analogia que você faz no primeiro capítulo do livro entre a educação e dois campos tão diferentes quanto o futebol ou a Alta Costura. O que a Educação deve aprender com eles?

Resposta: Primeiro para estar na moda e segundo para ser considerado importante. No final, quando considerei esse paralelismo, foi porque vi que quando falamos de futebol não importa quais resultados ruins nossa equipe tem, que sempre teremos esperança.

P. O que é certo é que o futebol tem uma presença brutal na mídia. O que a educação, a escola, deve fazer para monopolizar a atenção da mídia?

R. Entenda que quando falamos de infância não estamos falando sobre o futuro, mas sobre o presente. Esse é o problema para o qual a educação não tem transcendência. Quando falamos de educação e infância, nunca esperamos que as medidas e soluções sejam amanhã, sempre falamos de projetos ou programas a médio e longo prazo. Este problema é arrastado pelos nossos políticos e tudo mudaria muito se começássemos a ver as crianças como cidadãos do presente e não do futuro.

Q. “Talvez eu possa dizer em grande parte e pela metáfora que Hogwarts (a escola de Harry Potter) é a escola que eu quero”, você escreve. Com Hogwarts a atenção da mídia seria garantida. O que a escola criou pela imaginação de J.K. Rowling?

R. Eu faço uma pergunta se você leu os livros ou viu algum dos filmes: Quem são os protagonistas?

P. Crianças, claro.

R. Ok, essa é a escola que eu quero. Só isso: um espaço onde os protagonistas são crianças.

P. E hoje eles estão longe disso.

R. Quando falamos de currículos ou pactos para a educação, os protagonistas nunca são crianças. Falamos de avaliação, de testes externos, do PISA. Mas nós queremos falar sobre crianças? Não vamos consertar nada se não dermos destaque a elas.

P. Há quem chame dá destaque às crianças de superproteção ou consentimento.

R. Eu não estou falando de permissividade, superproteção, capricho. Absolutamente o oposto. Nós não levamos em consideração as crianças porque as vemos como cidadãos do futuro que não são lucrativos hoje. Então, como hoje eles não têm cartão de crédito e não pagam, não me interessam. Como eles também não votam, não me interessam. Tudo seria totalmente diferente se o protagonista do sistema fosse a criança. A criança tem o direito de participar dos aspectos que a afetam, de existir como pessoa, não como projeto pessoal.

P. “A escola que eu quero é uma escola COM infância e não PARA a infância”, você escreve com precisão.

R. Nessa sociedade veloz, de consumo e neoliberal, na qual atuamos, todas as estruturas que entenderam que a infância pode ser um grande setor de consumo foram projetadas para elas. Vou te dar um exemplo, as prateleiras com doces que costumam ter nas caixas dos supermercados: colocamos lá com crianças ou para crianças? Eu acho que é bem claro. Bem, agora vamos levar este exemplo simples para a escola. Quando falamos sobre o modelo de avaliação, os sujeitos, os cronogramas, os testes externos, fazemos isso com a infância ou para a infância? Nós sempre fazemos isso por eles como o último elemento da cadeia de consumo, mas nunca os levamos em conta.

P. Os horários que você mencionou são um ótimo exemplo disso.

R. Exatamente. Falamos sobre a reconciliação da vida familiar e, em função disso, pedimos às escolas que abram mais horas, podemos deixar uma criança às 7:00 da manhã e buscá-la às 19:00. Isso é com a infância ou para a infância?

P. Claro que não acho que seja uma ideia das crianças.

R. Obviamente. Nós não os levamos em conta. Se eu quero conciliar a vida familiar, reduzir o horário de trabalho da família, melhorar as condições de trabalho, estender a licença de maternidade… Nós queremos, mas o que é realmente injusto é que uma criança entre na escola às 7 da manhã e saia às 19h. Nenhum ser humano defende doze horas de trabalho, mas nós as impomos isso às crianças. “Eles brincam”, alguns vão me dizer. Não, eles não brincam. Na escola não é brincadeira, são executadas instruções que são por vezes lúdicas. Mas eles não brincam, competem. Brincar eles fazem sozinhos ou com outros colegas, mas não de maneira direta.

No livro, você compara a educação do seu pai com a sua, a de suas filhas e as de sua sobrinha. E, em essência, poucas coisas mudaram. Mas há algo diferente: as crianças não passam tempo na rua. Como você disse, eles não brincam. Há um trecho na página 198 muito ilustrativo. “Que sorte vocês jovens têm hoje: todo mundo é seu, é fácil viajar, conhecer, saber!”, O pai diz ao filho, olhando pela varanda. “Eu me contentaria em descer para a rua”, responde o garotinho.

R. É que em vez de levar as crianças para a floresta, para um lugar onde eles podem brincar de esconde-esconde, onde têm declives para cima e para baixo, árvores para subir e do mundo para descobrir, levamos eles apenas num shopping e entram em um parque de bolas como se fossem hamsters. E claro, as crianças se adaptam! Eles se adaptam a tudo! Mas estamos quebrando o processo de crescimento, de criatividade, de construção, de investigação… E o mesmo vale para os parques cercados, com construções pré-estruturadas de balanços que se parecem com “bobos”. Eles realmente me lembram muitas das gaiolas dos hamsters.

P. Nós não fortalecemos a brincadeira, nem nós nem a escola.

R. No jogo de poder a escola é proibida de fazer nada, aumentam a demanda de matérias, introduzem a tecnologia, robótica, gamification, xadrez… Quando é que as crianças brincam?

P. Entre as coisas que a escola que você quer deve melhorar é a brincadeira, mas também outras como a autonomia. Eu sempre tenho a sensação de que na Espanha estamos acostumados a encher nossas bocas falando de autonomia, mas não facilitamos que as crianças sejam autônomas.

R. Tornamos isso impossível. Além disso, qualquer tropeço que uma criança faça no quintal e uma erupção cutânea é feita, temos que ligar para o Superior Tribunal de Justiça. Não te deixo sozinha, não te deixo ir, não te deixo fazer isso … Não deixamos que respirem, caiam, cometam erros.

P. Você também fala sobre a necessidade de aprender a escolher, o trabalho em equipe, respeito e valores. Ainda estamos longe de consolidar os pilares fundamentais da escola que Mar Romera quer?

R. Eu não posso generalizar. Existem escolas e professores incríveis, com movimentos espetaculares, que ousam olhar diretamente para a estrutura normativa para ajustá-la aos olhos da criança. E há repolhos que são a antítese. E acima de tudo eu tenho que dizer que o que existe é um setor docente que individualmente, quase como atiradores, está fazendo um trabalho maravilhoso.

P. Eu só queria terminar a entrevista falando sobre o corpo docente. Como é o professor na escola que você quer?

R. Bem, para começar, esse professor deve ter um treinamento inicial importante que o leve a questionar se essa é sua profissão ou não. O professor do século XXI deve ser um professor educado, uma pessoa que lê muito, que domina os meios de comunicação, vai ao cinema, ouça música, vai ao teatro, viaja, testar todos os tipos de comida… Alguém com uma mente aberta e permeável, porque é isso que os alunos têm que aprender.

E, por outro lado, tem que ser alguém que conheça a história da pedagogia, educação, avanços científicos no campo. É necessário treinar muito psicopedagogicamente, não deixar de estudar e se preparar, já que esta profissão requer uma transformação e evolução pessoal contínua. Da mesma maneira que tem que ser alguém que cresce em habilidades intrapessoais como auto-controle, auto-conhecimento, auto-disciplina, auto-avaliação, reflexão …

Esta é uma parte fundamental de um ser humano que está disposto a aprender com outras crianças e essa será sua referência. E o mesmo com as habilidades de comunicação, como a capacidade de ouvir, a mediação, a resolução de conflitos, a resiliência… Tudo o que o leva a ser um agente transformador do núcleo social em que ele trabalha. O professor do século não é só ensinar, mas aprender também, ouvir, respeitando e permitindo que as crianças a serem agentes de mudança no futuro.

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.