Em diversas partes do mundo, portadores de esclerose múltipla receberam uma notícia com muita expectativa. Já foi desenvolvido um medicamento que bloqueia a doença autoimune por até 48 semanas, com danos reduzidos já na 12ª semana de terapia.

O medicamento, que é administrado via oral e leva o nome de evobrutinib, inibe a molécula de tirosina-quinase de Bruton (BTK), diminuindo os danos no cérebro, decorrentes da enfermidade. O resultado foi observado através de ressonância magnética em pacientes de 18 a 65 anos.

“Com duas doses diárias de 75 mg de evobrutinib, 79% dos participantes não sofreram recaídas durante as 48 semanas de tratamento”, informaram os estudiosos. O avanço foi publicado na revista médica New England Journal of Medicine.

O estudo foi conduzido pelo diretor do Centro de Esclerose Múltipla da Catalunha, Xavier Montalban, e apresentado na Academia Americana de Neurologia na Filadélfia, nos Estados Unidos, a mais importante no mundo na área.

***

Imagem de capa: Responsável pelo estudo, Xavier Montalban, diretor do Centro de Esclerose Múltipla da Catalunha- Foto: Reprodução Vídeo

Redação CONTI outra. Com informações de Plox Saúde

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


Compartilhar

RECOMENDAMOS




COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.