Algumas pessoas apontam que o amor incondicional é o sentimento mais puro e nobre que existe. É amar sem esperar nada em troca, é querer com cada um dos nossos sentidos e com cada partícula do nosso ser. É, por sua vez, apreciar o outro como ele é, o que quer que ele faça, o que quer que ele diga; mesmo quando esse alguém não está ao nosso lado.

Herman Hesse disse que quem sabe amar sempre acaba ganhando na vida. No entanto, o que exatamente queremos dizer com “amar bem”? O amor incondicional é talvez uma prática exemplar de amor bom? A verdade é que não há resposta exata e esclarecedora sobre esse aspecto, mas há algumas reflexões que merecem ser levadas em conta.

Para começar, é muito provável que mais do que um dirá que estabelecer uma relação baseada numa paixão incondicional tem, em média, sequelas perigosas. Porque um amor sem limites e condições, como bem sabemos, termina em grande parte dos casos que atravessam aquela linha em que identidades e auto-estima são feridas.

Agora, haverá muitos que afirmam categoricamente que, se existe um profundo e autêntico afeto e sem qualquer condição, é aquele que estabelecemos com nossos filhos. No entanto, o que acontece quando temos diante de nós uma criança narcisista que, além do amor, exige de nós caprichos e privilégios, apesar de nos tratar com tirania e desrespeito?

Da psicologia emocional propomos diferenciar duas realidades muito específicas sobre o assunto. Precisamos diferenciar o amor como sentimento e amor como um cenário relacional. Uma coisa é amar e a outra é viver com quem amamos. Vamos nos aprofundar neste tópico abaixo.

Amor incondicional e relacionamentos com condicionadores

É possível desfrutar de amor incondicional? A resposta é sim, mas obviamente, devemos primeiro entender as nuances.

Para isso, nada melhor do que recorrer à neurociência para descobrir algo que possa surpreender mais de um: nosso cérebro é projetado para amar incondicionalmente.

O cérebro e amor incondicional

Os médicos Mario Beauregard e Jérôme Courtemanche, da Universidade de Montreal (Canadá), conduziram um interessante estudo para descobrir que o amor incondicional compartilha os mesmos mecanismos neurais dos processos aditivos. Existe um mecanismo de recompensa governado pela dopamina, serotonina, norepinefrina, ocitocina e vasopressina.

O amor incondicional é de fato semelhante ao amor romântico. Há uma mistura de paixão absoluta, devoção, apego e afeição intensa. De alguma forma, nosso cérebro seria projetado para experimentar esse tipo de amor intenso. Mas sim, nossa parte mais racional nos força a estabelecer limites.

Uma coisa é amor e outra as relações

O amor incondicional não deixa de ser um sentimento. Agora, além desse universo, existem relações humanas.

Como todos sabemos, no relacionamento de um casal, o amor nem sempre é tudo. Não importa o quanto duas pessoas se amam; não se a comunicação é defeituosa, não se não há reciprocidade, empatia ou respeito.

Sem dúvida, tudo isso cria situações tão contraditórias quanto dolorosas: você pode amar profundamente, mas ao mesmo tempo entender que a coexistência é impossível.

Eu te amo incondicionalmente, mas eu sei que deveria deixar você ir

Nós podemos amar alguém sem limites e incondicionalmente. É uma realidade indubitável. Há amores que doem, são aqueles em que nos conscientizamos de que abrigamos uma paixão cega por alguém que não nos convém. Sabemos disso e é por isso que deixamos passar, pelo nosso bem, pelo nosso equilíbrio psicológico.

Assim, nessas situações ainda existe uma realidade que pode parecer próxima de muitas: apesar de ter deixado um relacionamento e ter ganho com isso no bem-estar e na auto-estima, o amor incondicional por essa pessoa continua existindo como tal. Porque, como podemos ver, os sentimentos às vezes prevalecem, embora o relacionamento não exista mais.

O amor precisa de limites e condições (e assim ser saudável)

Os limites, além do que podemos pensar, são higiênicos, saudáveis ​​e até poderosos. É verdade que muitas vezes os tememos e custa um pouco colocá-los ao nosso redor, mas são barreiras informativas que oxigenam os relacionamentos, que melhoram a convivência e nos permitem vencer com felicidade.

O amor incondicional como um sentimento é real, nós sabemos disso. No entanto, devemos esculpi-lo de forma artesanal para que ele se adapte ao nosso relacionamento, para fazê-lo entender que em termos de afeto, limites e condições são necessárias. E isso também se aplica aos pais e à educação.

Nós podemos amar nossos filhos como eles merecem: de uma maneira infinita, profunda e apaixonada. No entanto, isso não significa que uma criança deva admitir que pode agir como quiser, que chantagem, exigências excessivas e violações são permitidas. Porque nos relacionamentos, vale tudo, mesmo que o amor exista. Porque na convivência existem regras e barreiras a serem respeitadas, mesmo que o carinho esteja sempre presente, pronto para abrigar e abrigar.

Fonte indicada: La Mente es Maravillosa
Foto de freestocks.org no Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.