As taxas de depressão e ansiedade entre os jovens têm aumentado constantemente nos últimos 50 a 70 anos.

Hoje, pelo menos segundo algumas estimativas, cinco a oito vezes mais estudantes do ensino médio e universitários preenchem os critérios para o diagnóstico de depressão severa e/ou transtorno de ansiedade, como há meio século ou mais.

O aumento desta psicopatologia não é o resultado da alteração dos critérios de diagnósticos; ela se mantém mesmo quando as medidas e os critérios são constantes.

A evidência mais recente para o forte aumento geracional na depressão, ansiedade e outros transtornos mentais dos jovens vem de um estudo recém-divulgado, dirigido por Jean Twenge, da San Diego State University.

Twenge e seus colegas aproveitaram o fato de que o Minnesota Multifasic Personality Inventory (MMPI), um questionário usado para avaliar uma série de transtornos mentais, foi dado a grandes amostras de estudantes universitários nos Estados Unidos desde 1938, e o MMPI-A (a versão usada com adolescentes mais jovens) foi dado a amostras de estudantes do ensino médio desde 1951.

Os resultados são consistentes com outros estudos, usando uma variedade de índices, que também apontam para aumentos dramáticos de ansiedade e depressão – em crianças, adolescentes e adultos jovens – nas últimas cinco ou mais décadas.

Nós podemos pensar na história como um progresso, mas se o progresso é medido pela saúde mental e pela felicidade dos jovens, então estamos andando na contramão desde o início dos anos 50.

A pergunta que eu quero fazer aqui é por quê.

O aumento desta psicopatologia parece não ter nada a ver com os perigos reais e incertezas mundo afora.

As mudanças não se correlacionam com ciclos econômicos, guerras ou qualquer outro tipo de evento mundial que as pessoas frequentemente dizem que afeta os estados mentais das crianças.

As taxas de ansiedade e depressão entre crianças e adolescentes foram muito menores durante a Grande Depressão, a Segunda Guerra Mundial, a Guerra Fria e a turbulenta década de 1960 e início dos anos 70 do que são hoje.

As mudanças parecem ter muito mais a ver com a maneira como os jovens veem o mundo do que como o mundo realmente é.

Declínio do senso de controle pessoal dos jovens sobre seu destino

Uma coisa que sabemos sobre ansiedade e depressão é que elas se correlacionam significativamente com o senso de controle das pessoas ou a falta de controle sobre suas próprias vidas.

As pessoas que acreditam que estão no comando de seu próprio destino têm menos probabilidade de ficar ansiosas ou deprimidas do que aquelas que acreditam que são vítimas de circunstâncias além do seu controle.

Talvez você ache que o senso de controle pessoal teria aumentado nas últimas décadas.

Um progresso real ocorreu em nossa capacidade de prevenir e tratar doenças; os antigos preconceitos que limitavam as opções das pessoas por causa de raça, sexo ou orientação sexual diminuíram; e o indivíduo médio é mais rico do que em décadas passadas.

No entanto, os dados indicam que a crença dos jovens de que eles têm controle sobre seus próprios destinos diminuiu drasticamente ao longo das décadas.

A medição padrão de senso de controle é através de um questionário desenvolvido por Julien Rotter no final dos anos 50, chamado Escala Locus de Controle Interno e Externo.

O questionário é composto por 23 pares de afirmações. Uma afirmação em cada par representa a crença em um locus interno de controle (controle pela pessoa) e o outro representa a crença em um locus externo de controle (controle por circunstâncias externas à pessoa).

A pessoa que está realizando o teste deve decidir qual afirmação em cada par é mais verdadeira. Um par, por exemplo, é o seguinte:

  • (a) Eu descobri que o que vai acontecer acontecerá.
  • (b) Confiar no destino nunca foi tão bom para mim quanto decidir a tomar uma atitude definitiva.

Neste caso, a escolha (a) representa um locus de controle externo e (b) representa um locus de controle interno.

Muitos estudos ao longo dos anos mostraram que as pessoas que pontuam em direção à parte interna da escala de Rotter se saem melhor na vida do que aquelas que pontuam em direção à parte externa.

Elas são mais propensas a conseguir bons empregos de que desfrutam, cuidam de sua saúde e desempenham papéis ativos em suas comunidades – e têm menor probabilidade de ficarem ansiosas ou deprimidas.

Em um estudo publicado há alguns anos, Twenge e seus colegas analisaram os resultados de muitos estudos anteriores que usaram a Escala de Rotter com jovens de 1960 a 2002.

Eles descobriram que, durante esse período, as pontuações médias mudaram drasticamente – para crianças de 9 a 14 anos, bem como para estudantes universitários – do lado interno para o lado externo da escala.

Na verdade, a mudança foi tão grande que o jovem médio em 2002 era mais externo do que 80% dos jovens na década de 1960. O aumento da Externalidade na escala de Rotter ao longo do período de 42 anos mostrou a mesma tendência linear que o aumento da depressão e da ansiedade.

[Correção: O locus de dados de controle usado por Twenge e seus colegas para crianças de 9 a 14 anos veio da Escala Nowicki-Strickland, desenvolvida por Bonnie Strickland e Steve Nowicki, e não da Escala Rotter. Sua escala é semelhante à de Rotter, mas modificada para uso com crianças.]

É razoável sugerir que a ascensão da Externalidade (e declínio da Internalidade) está causalmente relacionada ao aumento da ansiedade e da depressão.

Quando as pessoas acreditam que têm pouco ou nenhum controle sobre seu destino, elas ficam ansiosas: “Algo terrível pode acontecer comigo a qualquer momento e eu não vou conseguir fazer nada a respeito.”

Quando a ansiedade e a sensação de desamparo se tornam grandes demais, as pessoas ficam deprimidas: “Não adianta tentar, estou condenado.”

Mudança em direção a objetivos extrínsecos, longe de objetivos intrínsecos

A teoria de Twenge é que os aumentos geracionais na ansiedade e depressão estão relacionados a uma mudança de objetivos “intrínsecos” para objetivos “extrínsecos”.

Objetivos intrínsecos são aqueles que têm a ver com o próprio desenvolvimento como pessoa – como se tornar competente em empreendimentos de sua escolha e desenvolvimento de uma filosofia de vida significativa.

Objetivos extrínsecos, por outro lado, são aqueles que têm a ver com recompensas materiais e julgamentos de outras pessoas. Eles incluem objetivos de alta renda, status e boa aparência.

Twenge cita evidências de que os jovens de hoje são, em média, mais orientados para objetivos extrínsecos e menos orientados para objetivos intrínsecos do que eram no passado.

Por exemplo, uma pesquisa anual de calouros universitários mostra que a maioria dos estudantes hoje considera “estar bem financeiramente” mais importante do que “desenvolver uma filosofia de vida significativa” – o contrário era verdadeiro nos anos 1960 e 1970.

A mudança em direção aos objetivos extrínsecos poderia muito bem-estar relacionada causalmente à mudança para um locus externo de controle. Temos muito menos controle pessoal sobre a realização de objetivos extrínsecos do que objetivos intrínsecos.

Eu posso, através do esforço pessoal, definitivamente melhorar minha competência, mas isso não garante que eu fique rico.

Eu posso, através de práticas espirituais ou meditações filosóficas, encontrar meu próprio sentido na vida, mas isso não garante que as pessoas me acharão mais atraente ou rasgarão elogios a mim.

Na medida em que minha sensação emocional de satisfação vem do progresso em direção a objetivos intrínsecos, posso controlar meu bem-estar emocional.

Na medida em que minha satisfação vem dos julgamentos e recompensas dos outros, tenho muito menos controle sobre meu estado emocional.

Twenge sugere que a mudança de objetivos intrínsecos para objetivos extrínsecos representa uma mudança geral em direção a uma cultura do materialismo, transmitida pela televisão e outras mídias.

Os jovens são expostos desde o nascimento a anúncios e outras mensagens que implicam que a felicidade depende de boa aparência, popularidade e bens materiais.

Meu palpite é que Twenge está, pelo menos parcialmente, correta sobre isso.

Mas vou sugerir uma nova causa, que acho ainda mais significativa e básica: minha hipótese é que os aumentos geracionais na Externalidade, nos objetivos extrínsecos, na ansiedade e na depressão são todos causados, em grande parte, pelo declínio, durante o mesmo período, das oportunidades de recreações livres e do aumento do tempo e do peso da educação escolar.

 

Como o declínio da recreação livre pode ter causado um declínio no senso de controle e nos objetivos intrínsecos, e um aumento da ansiedade e da depressão

A liberdade das crianças de brincar e explorar por conta própria, independente da direção e orientação adulta direta, diminuiu muito nas últimas décadas.

A recreação e a exploração livres são, historicamente, os meios pelos quais as crianças aprendem a resolver seus próprios problemas, controlam suas próprias vidas, desenvolvem seus próprios interesses e tornam-se competentes na busca de seus próprios interesses.

Na verdade, a recreação, por definição, é a atividade controlada e dirigida pelos participantes da brincadeira; e a recreação, por definição, é direcionada a objetivos intrínsecos e não extrínsecos.

Ao privar as crianças de oportunidades de brincar sozinhas, longe da supervisão e controle direto de adultos, estamos privando-as de oportunidades de aprender a assumir o controle de suas próprias vidas.

Podemos pensar que estamos as protegendo, mas na verdade estamos diminuindo sua alegria, diminuindo seu senso de autocontrole, impedindo-as de descobrir e explorar os esforços que mais deveriam gostar e aumentando as chances de que sofram de ansiedade, depressão e outros distúrbios.

Como a educação escolar coercitiva priva jovens de controle pessoal, os direciona para objetivos extrínsecos e promove ansiedade e depressão

Durante o mesmo meio século ou mais em que a recreação livre diminuiu, as atividades escolares (como aulas fora da escola e esportes direcionados a adultos) aumentaram continuamente em proeminência.

As crianças hoje gastam mais horas por dia, dias por ano e anos de vida na escola do que nunca. Mais peso é dado aos testes e notas do que nunca.

Fora da escola, as crianças passam mais tempo do que nunca em ambientes nos quais são direcionadas, protegidas, atendidas, classificadas, julgadas e recompensadas por adultos.

Em todos esses ambientes, os adultos estão no controle, não as crianças.

Na escola, as crianças aprendem rapidamente que suas próprias escolhas de atividades e seus próprios julgamentos de competência não contam; o que importa são as escolhas e julgamentos dos professores.

Os professores não são totalmente previsíveis: você pode estudar muito e ainda obter uma nota ruim porque não descobriu exatamente o que o professor queria que você estudasse, ou adivinhasse corretamente as perguntas que ele ou ela faria.

O objetivo em sala de aula, nas mentes da grande maioria dos alunos, não é competência, mas boas notas. Dada a escolha entre realmente aprender um assunto e ganhar um 10, a grande maioria dos alunos escolheria, sem hesitação, a segunda opção.

Isso é verdade em todas as etapas do processo educacional, pelo menos até o nível da pós-graduação. Isso não é culpa dos estudantes; isso é nossa culpa. Nós estabelecemos isso dessa maneira.

Nosso sistema de testes e avaliações constantes na escola – que se torna cada vez mais intenso a cada ano que passa – é um sistema que substitui muito claramente recompensas e objetivos extrínsecos por objetivos intrínsecos.

É quase projetado para produzir ansiedade e depressão.

A escola também é um lugar onde as crianças têm pouca escolha sobre com quem podem se juntar. Eles são reunidos em espaços cheios de outras crianças que eles não escolheram, e eles devem passar uma boa parte do dia de escola nesses espaços.

Na recreação livre, as crianças que se sentem assediadas ou intimidadas podem deixar a situação e encontrar outro grupo que seja mais compatível; na escola eles não podem.

Sejam os valentões outros alunos ou professores (o que é muito comum), a criança geralmente não tem outra opção senão enfrentar essas pessoas dia após dia.

Os resultados são por vezes desastrosos.

Alguns anos atrás, Mihaly Csikszentmihalyi e Jeremy Hunter conduziram um estudo de felicidade e infelicidade em alunos de escolas públicas do 6º ano ao 3º colegial.

Cada um dos 828 participantes, de 33 escolas diferentes em 12 comunidades diferentes em todo o país, usaram um relógio de pulso especial por uma semana, programado para fornecer um sinal em horários aleatórios entre 7h30 e 22h30.

Sempre que o sinal disparava, os participantes preenchiam um questionário indicando onde estavam, o que estavam fazendo e quão felizes ou infelizes estavam no momento.

Os níveis mais baixos de felicidade, de longe (que surpresa), ocorreram quando as crianças estavam na escola, e os níveis mais altos ocorreram quando eles estavam fora da escola e conversando ou brincando com amigos.

O tempo gasto com os pais ficou no meio.

A felicidade média aumentou nos finais de semana, mas depois despencou do final da tarde de domingo até a noite, em antecipação à próxima semana escolar.

Como sociedade, chegamos à conclusão de que as crianças devem gastar cada vez mais tempo no ambiente em que menos querem estar. O custo dessa crença, medido pela felicidade e saúde mental de nossos filhos, é enorme.

É hora de repensar a educação.

Outras maneiras

Qualquer um que olhe honestamente para as experiências de estudantes em escolas-modelo de Sudbury e de crianças que não frequentam a escola – onde a liberdade, a recreação e a exploração autodirigida prevalecem – sabe que existe outro caminho.

Nós não precisamos deixar as crianças loucas para educá-las.

Dando liberdade e oportunidade, sem coerção, os jovens se educam. Eles o fazem com alegria e, no processo, desenvolvem valores intrínsecos, autocontrole pessoal e bem-estar emocional.

Fique ligado.

 

______________________________________________________________________

Este artigo é uma tradução do Awebic do texto originalmente publicado em Psychology Today escrito por Peter Gray, Ph.D..

Foto de 🇸🇮 Janko Ferlič – @specialdaddy on Unsplash

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.