Um bebê é a criatura mais receptiva do mundo. Todos precisamos de estímulo, carinho e, acima de tudo, palavras. Ainda mais, tudo o que você disser deixará uma marca em seu cérebro, portanto, devemos ser aqueles arquitetos maravilhosos daquele amor que é entendido pelo tom e que guia pelo calor de uma voz que veste e estimula.

Quem pensa que conversar com um recém-nascido é um absurdo não é apenas errado. Além disso, contribui para criar deficiências e colocar freios no processo comunicativo de uma criança. Os bebês precisam de falar cara a cara, e deve-se falar muito, cantar, sussurrar, contar-lhes histórias … Apesar de não decifrar o mistério das palavras, as emoções são tradutores qualificados e pequenas pioneiros no processo da linguagem.

Dia a dia e mês a mês darão sentido a certas palavras, até quase sem saber como, para entender frases mais tarde, ser elas mesmas que comunicam as coisas com sua própria língua. Todo esse processo fantástico deve ocorrer em um ambiente favorável, afetuoso e próximo.

Porque mesmo que não o criemos, tudo o que o recém-nascido ouvir será registrado em um cérebro que está se desenvolvendo com base nessa inter-relação contínua. Então, não hesite, você está indo bem. Se você é um pai ou uma mãe que nunca deixa de conversar com o seu bebê, o seu filho é uma pessoa de sorte.

Nós explicamos o porquê.

As rotinas: momentos ideais para favorecer a comunicação

Estamos cientes de que um recém-nascido passa a maior parte do tempo dormindo. No entanto, ao longo dessas primeiras semanas e meses de vida, temos momentos maravilhosos com os quais iniciamos o processo mágico de estimular o desenvolvimento do cérebro da criança através da linguagem.

. A amamentação é, sem dúvida, o momento mais propício, mágico e significativo para conversar com um bebê.
. Tenha cuidado para que o tom da sua voz seja quente, positivo e sempre com uma entonação positiva.
. Procure por contato visual quando trocar fraldas.
. Os momentos de banho são momentos de lazer em que os bebês são muito receptivos tanto às vozes quanto à gestualidade da mãe e do pai.
. Se conseguirmos arrancar dele um sorriso, teremos deixado uma marca extra de positividade e amor no cérebro da criança.

A voz da mamãe guia o bebê

A voz de mamãe tem poder e sempre esteve lá, muito antes mesmo que o bebê viesse ao mundo. Uma criança passou 9 meses naquela mulher que agora cuida dele e o alimenta.

. Ao nascer, um bebê já reconhece a voz da mãe, não podemos esquecer que o líquido amniótico é um grande condutor de som, então, assim que o feto desenvolve seu sentido auditivo, é aquela voz que o acompanha dia a dia.

. Um bebê não entende o vocabulário, todos nós sabemos disso, mas, como observamos no início, ele compreende a intenção e a semântica contida em cada frase.

. É por isso que eu cuido de você, dou risada ou às vezes me assusto quando, às vezes, levantamos a voz mais do que o necessário.

. Mães maravilhosas e pais excepcionais são aqueles que educam com carinho e deixam vestígios de amor nos cérebros de seus filhos

Palavras devem ser acompanhadas de gestos

A comunicação com um bebê deve ser reforçada com gestos e tom de voz apropriado. Dessa forma, consolidamos a linguagem verbal com a não-verbal e agimos, por sua vez, como promotores positivos do humor.

. Não se esqueça de nunca sorrir enquanto você fala com ela, sempre procurando por seu visual.

. Quando você conversar com seu bebê, lembre-se de definir também pequenos tempos de resposta. Espere que ele reaja, espere por um som, abra os olhos mais, solte um gritinho ou sorria para você. Desta forma, também definimos os padrões das mudanças de palavras.

Outro fato interessante que não podemos esquecer é entender o processo comunicativo de nossos filhos. Um bebê também faz gestos, faz caretas e faz sons. Uma maneira de reforçar a linguagem é nos imitar seus gestos e seus sons, assim, fazemos com que percebam que os entendemos, que tudo o que fazem e dizem é importante e valorizado.

As chaves do “baby talk”: algo que todos nós fazemos sem perceber

O modo como um adulto fala com um bebê é chamado de “baby talk”. Esta palavra inglesa define, afinal, algo que a maioria dos pais e mães coloca em prática todos os dias.

. Nenhum adulto fala com um bebê da mesma maneira que falaria com outro adulto. Nosso cérebro, na verdade, sabe como interagir com uma criança pequena para estimular o processo comunicativo.

. Não podemos esquecer que a linguagem é aquela marca genética que nos distingue de outros primatas e, portanto, estamos preparados para fazer nossos filhos começarem cedo nessa capacidade.

. Nós falamos com eles com uma voz alta para chamar sua atenção.

. Nós também fazemos sons que estimulam novas sensações neles.

. Por sua vez, ninguém nos ensinou a fazê-lo, mas, instintivamente, dizemos coisas como “ea, ea, ea …”

. Verbalizações que não têm significado, mas que significam: fornecer tranquilidade a um bebê.

Para concluir, você tem infinitas razões para se comunicar a partir do minuto “O” com seu bebê. Desde o primeiro momento em que chegam ao mundo e mantêm a pele contra o peito, eles precisam de você. E eles também precisam de você para aprender a se comunicar.

Então, lembre-se, todas essas primeiras palavras deixarão uma marca no cérebro e iniciarão o caminho para o domínio de uma linguagem, e para compreender o mundo através de uma voz calorosa que sempre mostra e em cada momento, uma afeição infinita.

Traduzido e adaptado do site Eresmamá

Imagem de tookapic por Pixabay

Precisa de ajuda? Conheça a nossa orientação psicológica.


*O conteúdo do texto acima é de responsabilidade do autor e não necessariamente retrata a opinião da página e seus editores.


Compartilhar

RECOMENDAMOS



COMENTÁRIOS




REDAÇÃO PSICOLOGIAS DO BRASIL
Os assuntos mais importantes da área- e que estão em destaque no mundo- são a base do conteúdo desenvolvido especialmente para nossos leitores.